terça-feira, 24 de novembro de 2020

Edital de Convocação do CTG O Fogão Gaúcho

 

EDITAL DE CONVOCAÇÃO

     O CTG O Fogão Gaúcho por meio deste edital convoca todos os associados (Beneméritos, Remidos, Patrimoniais e Gerais) para efeturar o recadastramento das informações cadastrais. O processo de recadastramento dos sócios do CTG O Fogão Gaúcho, terá início na próxima segunda-feira, dia 26/10/2020, e tem como objetivo O recadastramento será realizado preferencialmente de forma presencial, na secretaria do CTG a partir do dia 26/10/2020 até o dia 05/12/2020, das 13h às 18h de segunda a sexta-feira, e aos sábados das 8h as 12h. Os associados que não puderem comparecer, será aceito o recadastramento pelo seguinte endereço de e-mail: ctgofogaogaucho@hotmail.com

     Os sócios deverão apresentar documento de identidade (RG, Carteira Profissional, CNH ou passaporte), CPF e comprovante de residência, informar telefone e endereço de e-mail atualizado. Na ocasião, será dada ao associado à OPORTUNIDADE ÚNICA de quitar possíveis débitos com desconto de 50% do valor total devido. Lembramos que conforme Artigo 16, parágrafo V, letra D, do Estatuto da Entidade: Todos os sócios que se encontram em debito a partir de (6) seis meses ou mais, poderão ser excluídos da sociedade. Salientamos que, devido à proximidade do processo de prestação de contas anual e para que fiquem os sócios habilitados a participarem em futuras votações em eleições e assembleias, é fundamental que os sócios estejam com suas obrigações em dia, conforme preconiza o estatuto da entidade. O recadastramento é um processo indispensável para otimizar e agilizar os trabalhos administrativos do CTG e facilitar a comunicação.

Taquara, 22 de outubro de 2020.

Auro Paulo Sander
Patrão

Coronavirus | Um ano para não esquecer, mas para aprender com ele.

     O vírus que causa a COVID-19 é transmitido principalmente por meio de gotículas geradas quando uma pessoa infectada tosse, espirra ou exala. Essas gotículas são muito pesadas para permanecerem no ar e são rapidamente depositadas em pisos ou superfícies. Você pode ser infectado ao inalar o vírus se estiver próximo de alguém que tenha COVID-19 ou ao tocar em uma superfície contaminada e, em seguida, passar as mãos nos olhos, no nariz ou na boca.

     O Rio Grande do Sul ultrapassa a marca de 248 mil casos com quase seis mil mortes.

Osmar Terra, o negacionista 

    Osmar Terra está internado na UTI do Hospital São Lucas, da PUC/RS. Deputado federal testou positivo para covid-19 há mais de uma semana. No momento, ele respira com ajuda de uma máscara e registra comprometimento pulmonar. Ele negou e, mesmo no pior momento, mantém a ideia negacionista. 


       Notícias sobre o aumento de casos de morte por COVID-9 em Santo Antônio da Patrulha:

O QUE AS PESSOAS FAZEM: Dizem que é mentira, criticam os políticos, criam teorias conspiratórias, criticam a imprensa...

O QUE AS PESSOAS NÃO FAZEM: Usar máscaras corretamente, higienizar as mãos, evitar aglomerações e manter o distanciamento.

por Berbacha Soares


     O ano de 2020 foi de aprendizado. Começamos mal. Uma eleição para a federação tradicionalista do Rio Grande do Sul que terminou empatada e foi decidida no "tapetão". Não vale a pena aqui, tratar esse assunto, pois é página virada e o que está feito, está feito. Pessoas que morriam abraçadas, se apartaram, brigaram, um para cada lado, e a busca pelo poder continua. Cansei de ver pessoas falando que não se pode 'perpetuar no poder', mas ficam de patrão ou de coordenador por 5 e até 10 gestões. Mas, tudo bem.

   Os costumes foram mudando. O sofá passou a ser parceiro para um entretenimento à base de Netflix, Amazon, IFood (e ainda está vindo aí Disney+, HBO Max...)... Mordomia. As pessoas passaram a achar melhor trazer lanche por aplicativo do que ter que sair de casa. O CTG começa a encontrar grandes e fortes concorrentes. 

    É importante perceber a necessidade de organização no CTG, no que tange sua documentação, principalmente, e manter uma atuação mais coletiva com os associados. Uma coisa que foi avisado antes, e visto agora, na prática, que as entidades não conseguiriam chegar aos recursos oferecidos pela Lei Aldir Blanc devido atraso nos documentos mais básicos. Estava escrito nas estrelas.

    A pandemia, a exemplo de outras situações que aceleram processos históricos,  antecipou mudanças que já estavam em curso, como: o trabalho remoto (Home Office), a educação à distância (os EADs), a busca por sustentabilidade, e a cobrança por parte da sociedade para que as empresas sejam mais responsáveis do ponto de vista social. Parece ser a oportunidade de exercitar a empatia com os familiares e com a comunidade, auxiliando os mais idosos, interagindo com os vizinhos, incentivando o consumo do entorno social e desenvolvendo ações solidárias.

   Como será a reabertura dos Centros de Tradições Gaúchas? Sim, alguns já reabriram, mas como ensaiam para danças e os rodeios não estão acontecendo, ficaram sem o objetivo final. Estão aplicando os protocolos sanitários? Sim, estão. Mas, até quando a estrutura aguenta? Os investimentos para indumentária, coreografias, etc. Como serão? Haverá mudanças nos investimentos para os grandes festivais?

   Oferecer uma boa refeição, competindo com os aplicativos de entrega deverá ser um novo desafio para os CTGs. Lembrando que a água mineral sem gás não deverá custar mais os 500% do seu custo, a menos que seja entregue pelo motoboy, dentro do Rodeio.

CTGs como centros comunitários de dia.

     Talvez já esteja atrasada a iniciativa, mas, seria de bom tom a entidade entrar na comunidade, abrir suas portas para receber o povo (sem cobrança de ingresso, é claro) lá dentro e ensinar nossos usos e costumes, que até março estavam fechados para os concursos. Quem sabe...

Aldeia e Rancho da Saudade, o exemplo

     Quem não se emocionou com a Live, em conjunto, dos CTGs Rancho da Saudade, de Cachoeirinha, e Aldeia dos Anjos, de Gravataí, concorrentes históricos quando se fala em danças tradicionais e ENART. O drive in Nossa Trajetória foi um grande sucesso. Uma ideia que nasceu nos bastidores e foi pegando corpo e tendo aceitação.

     "Uma noite mágica que tocou não apenas os nossos corações, mas os corações de mais de 5.000 espectadores que acompanharam este encontro de gigantes, ao vivo, dos seus carros ou através da internet, no conforto dos seus lares. Nesta noite incrível a disputa ficou de lado e o verdadeiro sentido das palavras RESPEITO, EMPATIA E AMIZADE falou mais alto" - registrou o CTG Aldeia dos Anjos em seu facebook Oficial. 

     A estrutura foi fantástica. A transmissão de excelente qualidade, tanto imagem quanto o som. Os musicais dispensam descrição e elogios, pois são formados de profissionais de altíssima qualidade que emocionaram do inicio ao fim. "Menino Potro" foi a cereja do bolo.

   Teremos mais eventos como este? E quando os grupos se encontrarem, as pessoas, dançarinos, associados e simpatizantes, terão a mesma cordialidade? Novos planos surgirão do encontro? Não só esperamos que sim, mas contamos que outros seguirão o exemplo e a competição passará para o segundo plano. Quem sabe, né?!

Grupo que deu um show de parceira, respeito, amizade e união. Parabéns.       Foto: Deivis Bueno

Tecnologia, política e tradição


     Barbosa Lessa, em seu livro "nativismo, um fenômeno social gaúcho", lembrava que: "Como o nativismo, dos anos 70, sou capaz de jurar que lá pelo ano 2010 surgirá uma espécie de telurismo antinuclear ou cibernético, resultante da inquietação de analistas de sistemas em conluio com artistas plásticos, incluindo cartunistas e comunicadores visuais. É claro que, de acordo com cada época, modifica-se a dinâmica e o campo de ação. Mas, no fundo, é tudo a mesma coisa: expressão de amor à gleba e respeito ao homem rural". Desta forma, ele já previa o uso das tecnologia "futuristicas" no novo milênio.

     Em 2009, começamos a transmitir o ENART e, em 2020, já temos nossa própria emissora de rádio e televisão em casa, pois todos fazem LIVES (serviços de streamings). Daqui pra frente é saber dosar.

     Na politica sempre estivemos presentes e representados. Claro que, muitas das vezes, mal representados. Mas, em algumas oportunidades, muito bem. Assim foi o caso de Osmar Severo ou Joaquim Moncks, na Assembleia legislativa ou Jarbas Lima, Pompeu de Mattos, na Câmara Federal. Poderíamos citar outros. Paulo Ferreira, por exemplo, que dedicou emenda parlamentar, para que em 2015, chegasse R$1.000.000,00 para a semana farroupilha do RS. A política está presente diariamente em nossas vidas e, nos afastar dela, nos torna alheios aos problemas e suas soluções. Atualmente, os políticos viram o quanto o tradicionalismo tem feito pelo RS e pelo Brasil, e começaram a dedicar verbas para tal. Com a parada dos rodeios e dos festivais, a indústria cultural abriu um rombo nas finanças estaduais (visto pelo Deputado Luiz Marenco em seu trabalho voltado ao levantamento da cadeia produtiva da música e da cultura gaúcha).    


 Não costumamos eleger tradicionalistas, mesmo conhecendo o passado e confiando para ser liderança. Mas não os colocamos nas Câmaras Municipais por pensar: "Ele quer ficar rico e não trabalhar!" - Ledo engano.

Este ano, alguns tradicionalistas foram eleitos (efeito pandemia?)

Nilton Debastiani - Prefeito de Sarandi  (Patrão de CTG)

Marisol Santos - Vereadora em Caxias (ex-prenda do RS)

Marcus Vigolo - Vereador em Tapes (Cantor Regionalista)

Alexandra Ribeiro Bini - Vereadora em Candelária (Patroa do CTG)

Doeli Valente - Vereador em Cacequi (Trovador)

Graciano Pereira  - Vereador em Guaíba (tradicionalista)

Valdir Oliveira - Vereador em Santa Maria (Trovador e Radialista)

Miguel Vieira - Vereador em Sobradinho (Patrão de CTG)

Angelo Guaresi - Vereador Constantina (Peão Farroupilha)

MTG 2021

     Três Chapas (até o momento desta postagem) estão em busca dos votos dos CTGs do Rio Grande do Sul para gerir o Movimento no ano de 2021. Pessoas dizem que não estão preparadas para assumir de patrão (patroa) do CTG, coordenador (a) Regional ou mesmo a Presidência do Conselho Diretor do MTG, outras pode-se ver a quilômetro de distancia que não estão mesmo. Analisando o passado dos candidatos, suas histórias, comportamentos, entre outros fatores, em quem tu votarias? Pense bem... Ou deixe para ser decidido por outros, ou mesmo, outras instâncias.

Kayron Acústico - Quinta, 20h, na Sede da AG

 


Nota de Falecimento - Angélica de Oliveira da Costa

    Hoje, o pealo foi grande!

   Nossa amiga, Angélica de  Oliveira da Costa, perdeu a luta para a Covid-19. 

   Nascida em 21/03/86, era esposa de Emerson Polônio, mãe de João Augusto da Costa Polônio, de Vitor Hugo da Costa Polônio e estava grávida do pequeno Benjamim e, uma cesariana às pressas salvou-o. Ele ainda inspira cuidados e segue hospitalizado. 

   Angélica foi uma mãe exemplar, amiga verdadeira e uma grande tradicionalista, sempre pronta para ajudar! Fizeram parte do CTG Querência do Imbé e CTG  Gaúcho Litorâneo, onde seus filhos dançaram . 

    Estava hospitalizada na Santa Casa de Porto Alegre e ontem veio a óbito!

    "A família tradicionalista do litoral está enlutada. Que Deus ilumine seu caminho ao eterno e que siga protegendo aqueles a quem ela deixa nesta vida! Temos a certeza que ainda nos vamos encontrar e essa amizade sempre será forte demais para desvanecer com o tempo, com a ausência ou com a distância".

   "Partistes sem avisar, sem deixar um bilhete, sem dar um último abraço!  Mas temos que aceitar as coisas do jeito de Deus! Fique em paz, amiga. Até um dia".

Fonte: Gilmara Silveira

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Nota de Falecimento - Marcos Ivan Santini, patrão do CTG Chegando no Rancho


      É com enorme pesar que comunicamos o falecimento de Marcos Ivan Santini, 49 anos, patrão do CTG Chegando no Rancho e contribuiu imensamente para espalhar a cultura gaúcha na 25ª região tradicionalista.

     O velório ocorreu hoje a tarde (20/11), no CTG Chegando no Rancho e depois saiu em uma carreta para a Comunidade São Cristóvão - Cerro da Glória, onde será sepultado amanhã (21/11) às 9h.

20 de novembro - Dia da Consciência Negra


 

quinta-feira, 19 de novembro de 2020

Nota de falecimento - Leonardo Bonifati, do Centro Gaúcho da Bahia


     É com enorme tristeza e pesar que o Centro Gaúcho da Bahia vem comunicar a todos os amigos e conhecidos, o falecimento de Sr. LEONARDO BONIFATI, ocorrido esta madrugada. 

    Grande colaborador da sociedade onde exercia o cargo de tesoureiro e administrador, Bonifati também era um grande torcedor colorado.

   Nossos sinceros pêsames a toda a família. Temos que aceitar os desígnios de DEUS.

   Velório no Bosque da Paz - Enterro as 14h30. Que Deus o tenha em bom lugar. Descanse em paz!

domingo, 15 de novembro de 2020

Confederação Norte Americana tem novo presidente: Rogério Silva, da Califórnia

           A Confederação Norte Americana do Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro, comandada por Vandenir de Souza, embaixador da cultura gaúcha, nos Estados Unidos, teve na tarde de hoje a escolha do novo presidente (patrão) para o próximo biênio 2021/2022: Rogério Silva, do CTG Rancho Rio Grande, de Perris, na Califórnia.

          Rogério Silva, 39 anos, 15 deles vividos nos Estados Unidos, é natural de Porto Alegre, mas viveu muitos anos em Passo das Torres/SC. Casado com Aline Maciel Melo, é pai de Brianna Melo Silva de 3 anos e Lucca Melo Silva de 2 anos. Fez parte de um grupo de danças do CTg desde 2009, que está desativado, mas que ele pretende trazer de volta. Foi patrão por dois anos do CTG Rancho Rio Grande (2015/2016), onde realizou a construção do 1º Galpão Campeiro em solo Norte Americano. Mora em Riverside, na Califórnia, com sua família e, ao lado da esposa, filhos e do amigo Amarildo, percorreram 2.600 milhas para ir até a Flórida na grande festa da integração promovida pelo Vandenir e sua equipe.

        Silva pretende dar continuidade ao trabalho que vinha sendo realizado por Vandenir e sua equipe e procurar ajudar os CTGs a se reestruturarem.

Rogério Silva, com sua família - Agora temo desafio de levar à frente a CNATGB


Papo Gigante, do DTG Lenço Colorado: Programação para a semana

 





Paulo Vargas recebe prêmio de poesia do SC Internacional

 


     O poeta e compositor, Paulo Vargas, 49 anos, foi premiado no concurso de poesias, promovido pelo Sport Clube Internacional, com o tema da história do clube.

     "Quero compartilhar com os meus amigos, fui premiado no concurso  de poesias promovido pelo Esporte Clube Internacional, o meu clube, com tema história do Internacional, segue as fotos desta sexta feira, onde estive no clube, recebido pelo presidente, diretoria, recebendo o certificado e medalha de destaque cultural poético" - conta Vargas.

     Vargas é compositor com mais de cem letras gravas por grupos como "Os Tiranos", "Os Maneadores", "Som Campeiro", "Tchê Moçada", entre outros. Foi diretor do Grupo Os Campechanos, conjunto de baile gaúcho, no qual tocava Bombo legueiro e escrevia as composições do repertório. Foi Coordenador de Cultura do município e São Leopoldo entre os anos de 2005 e 2008. Radialista, locutor e apresentador de eventos, Vargas também é palestrante da cultura gaúcha.

Francisco Pereira Rodrigues partiu sem ter sido patrono dos Festejos Farroupilhas

 

    Nos deixou, aos 107 anos, Francisco Pereira Rodrigues. Ele nasceu em abril de 1913, na localidade de Santo Amaro, distrito de General Câmara. Pai de seis filhos: Vitória, Ângela, Eduardo, Ronaldo, Francisco Filho e Américo, avô e bisavô. Viveu em Porto Alegre com sua família por mais de seis décadas.  

     Graduado em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade de Cruz Alta (Unicruz), se aposentou como fiscal do ICMS do Rio Grande do Sul. Na vida pública, foi vereador em Itaqui, Taquari e Farroupilha nas décadas de 1940 e 1950, e prefeito de General Câmara de 1960 a 1964. Entre 1937 e 1988, escreveu crônicas e artigos para o jornal Correio do Povo. Seu histórico de vida conta com mais de 40 livros publicados, tendo se destacado como poeta, romancista, contista e historiador. Ocupava a cadeira de número 29 da Academia Sul-brasileira de Letras e é membro honorário do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul. Sócio benemérito da Estância da Poesia Crioula, tendo sido seu presidente e em sua gestão foram criados os concursos literário da poesia "Taveira Junior" e do conto "Alcides Maya.

     Um de seus irmãos, Lauro Pereira Rodrigues, falecido em 1978, era jornalista, radialista e político. Apresentou, em 1935, na Rádio Sociedade Gaúcha, o primeiro programa de atrações regionalistas no Rio Grande do Sul, "Campereadas", e, em 1958, na Rádio Farroupilha, o programa Roda de Chimarrão, que, além da ênfase no tradicionalismo, falava de assuntos rurais e urbanos de Porto Alegre.

    Poderíamos citar dezenas de ações e trabalhos deste homem, para, pelo menos, ser lembrado pelas Comissões Estaduais dos Festejos Farroupilhas. Mas não foi. Abaixo postamos algumas de suas obras publicadas. Fica nosso agradecimento pela contribuição que nos deu e que deixou de legado.

     
   Seu corpo está sendo velado no Crematório Metropolitano a partir das 10hs na capela 3 e a cremação às 15hs. A
berto aos amigos.

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

Tradição Gaúcha tem espaço em exposição fotográfica, no Metrô de Porto Alegre

 


    Nesta terça-feira (10), o fotógrafo Deivis Bueno esteve na Estação Rodoviária da Trensurb, acompanhado do diretor-presidente Pedro Bisch Neto e da gerente Regina Tatsch, do Sesc-RS, para ato de inauguração da mostra fotográfica.

     Desde a última sexta-feira (6), a Galeria Xico Stockinger, localizada na Estação Rodoviária do metrô, recebe a exposição fotográfica A Dança e a Arte da Cultura Gaúcha. Hoje (10), foi o dia da visita inaugural do fotógrafo Deivis Bueno, autor da exposição, à galeria. Acompanhado por sua esposa e filha, Deivis foi recebido pelo diretor-presidente da Trensurb, Pedro Bisch Neto, pelo gerente de Comunicação Integrada da empresa metroviária, Jânio Ayres, e pela gerente da unidade Sesc Centro, Regina Tatsch.

      Deivis Bueno é fotógrafo da Estampa da Tradição Fotografia, estúdio que atua a desde 2011 na cobertura da vertente artística do movimento tradicionalista gaúcho. Ele comemora a chance de expor seu trabalho na galeria: “Eu e a Estampa da Tradição estamos muito felizes com a oportunidade e a receptividade do nosso trabalho. Esperamos que todos que passam pela Estação Rodoviária consigam sentir a energia que tentamos passar nessas imagens”.

      O diretor-presidente Pedro Bisch Neto afirma que a exposição é uma possibilidade para os usuários do metrô terem mais contato com a cultura tradicionalista: “Essa exposição que inauguramos é uma homenagem que fazemos à tradição gaúcha. Estamos muito satisfeitos com essa parceria com o Sesc-RS e aplaudimos o trabalho que o Deivis tem desenvolvido, colocando-o à disposição de todos os nossos usuários que passam pela Estação Rodoviária”.

      O Sesc-RS é parceiro da Trensurb nesse projeto e responsável pela curadoria dos trabalhos expostos na Galeria Xico Stockinger. “É um prazer retomar essa parceria com as exposições aqui na galeria e é ótimo poder ter esse reinício com uma homenagem à cultura rio-grandense. O Deivis é um grande fotógrafo que nos homenageia com fotos lindíssimas de festivais e momentos da nossa cultura”, afirma Regina Tatsch, gerente da unidade Sesc Centro, de Porto Alegre.

 


Galeria Xico Stockinger

      A Galeria Xico Stockinger é um espaço para exposições artísticas localizado no túnel de acesso à plataforma da Estação Rodoviária da Trensurb. A galeria conta com um painel de 7 metros de comprimento e 1,5 metro de altura, que recebe exposições trimestrais com a curadoria do Sesc Centro, de Porto Alegre. A atração é inspirada na Galeria Mario Quintana, da Estação Mercado, criada pela Trensurb no centenário do poeta e vitrine para dezenas de exposições, de artistas consagrados e iniciantes, ao longo dos anos. Inaugurada em abril de 2019, a Galeria Xico Stockinger foi batizada em homenagem ao centenário do artista austríaco radicado no Brasil, falecido em 2009, um dos principais nomes das artes plásticas no Rio Grande do Sul. Xico teria completado cem anos em 7 de agosto de 2019. Um fator que contribuiu para a escolha de seu nome para batizar o espaço foi sua amizade com Mario Quintana, que já empresta seu nome à galeria da Estação Mercado. 


Serviço

 O que: exposição fotográfica A Dança e a Arte da Cultura Gaúcha, de Deivis Bueno.

Quando: todos os dias, das 5h às 23h20.

Onde: Galeria Xico Stockinger, no túnel de acesso à plataforma da Estação Rodoviária da Trensurb.

Quanto: R$ 4,20 – tarifa unitária do metrô.

 Foto: Amanda Barros/Trensurb
Fonte: Site Trensurb

terça-feira, 10 de novembro de 2020

10 de novembro - Dia da Tradição Argentina e nascimento de José Hernández

      José Hernández, nasceu em General San Martín, Província de Buenos Aires, no dia 10 de novembro de 1834 foi poeta, político e jornalista argentino, conhecido, principalmente, pela grande obra "Martín Fierro", considerado o livro pátrio da Argentina.

     Filho de Rafael Hernández e Isabel Pueyrredón (sobrinha de Juan Martín de Pueyrredón). Viveu seus primeiros anos de vida no bairro de Pueyrredón, o qual deixou em 1840, uma vez que sua família teve de se transferir para o interior da província, por razões de trabalho.

     Interessou-se muito pelos estudos quando iniciou sua escola primária, porém foi obrigado a deixar os livros por conta de uma doença repentina, tendo de viver no campo para buscar sua recuperação. Por este motivo, aprendeu tudo o que sabia por conta própria: observador atento da arte da criação de gado, dirigida pelo padre e exercida pelos gaúchos, participou ajudando nessas tarefas. Como era ainda jovem, teve contato com o estilo de vida, a língua e os códigos de honra dos gaúchos.

     Hernández era autodidata e, por meio de numerosas leituras, adquiriu firmes idéias políticas. Entre 1852 e 1872, época de grande agitação política, defendia a idéia de que as províncias não deveriam permanecer ligadas às autoridades centrais estabelecidas em Buenos Aires.

     Participou de uma das rebeliões federais, mais especificamente a primeira, encabeçada por Ricardo López Jordán, também chamada de Revolução Jordanista, que terminou em 1871 com a derrota dos gaúchos e o exílio de Hernández no Brasil. Após essa revolução, tornou-se, por pouco tempo, assessor do general revolucionário, porém, com o tempo, distanciou-se do mesmo.

     Quando voltou para a Argentina, em 1872, continuou sua luta utilizando a imprensa como seu meio de avançar com suas ideias. Também desempenhou a função de Deputado e Senador da província de Buenos Aires. Como senador, defendeu a federalização de Buenos Aires por meio de um memorável discurso, opondo-se a Leandro Alem.

     Entretanto, foi através de sua poesia que conseguiu eco para suas propostas e a mais valiosa contribuição para a causa dos gaúchos. El gaucho Martín Fierro (1872) e sua continuação, La vuelta de Martín Fierro (1876), juntas, formam um poema épico popular. É considerada, geralmente, a principal obra da literatura argentina.

     No ano de 2007, quando acontecia a Feira do Livro de Buenos Aires, o Museu do Desenho e da Ilustração apresentou sua mostra Martín Fierro: Contrapunto y algo más, na qual apreciava-se a visão dos ilustradores sobre os feitos relatados por José Hernández. Nessa mostra, expuseram-se originais feitos para as diferentes edições de Martín Fierro. Exibiram-se obras de Adolfo Belloc, Carlos Alonso, Juan Carlos Castagnino, Aida Carballo, Norberto Onofrio, Eleodoro Marenco e outros 20 artistas.

     Hernández faleceu em Buenos Aires, no dia 21 de outubro de 1886, acometido por um problema cardíaco. Seus restos mortais estão no cemitério da Recoleta, Buenos Aires, Argentina.

Suas obras: 

Vida del Chacho - 1863
El Gaucho Martín Fierro - 1872
La Vuelta de Martín Fierro - 1879
Instrucción del Estanciero - 1881

Fonte: Wikipédia

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

A hora de ajudar é agora! Solidariedade por um amigo (a)

     Eles estão sempre lá no ENART. Registrando das maneiras mais lindas que ficaram para a história. Deivis Bueno e Virginia Souza. Ah, o Estampa da Tradição Fotografias. Eles registraram os momentos mais lindos do ENART, JuvEnart, FestMirim, entre outros rodeios. Movimentos que ficaram para  a historia. Como todo ser humano, um dia a doença bateu nas portas da casa desse casal tão querido pelo Rio Grande (nenhum de nós está livre disso). Pois bem, a hora de ajudar é agora! Acompanhe a reflexão feita pela Virginia:

    "Pensei, repensei...... pensei  mais um pouco.

     Conversei com algumas pessoas me apoiaram, mas eu insistia em não me expor, sem coragem pra publicar.

     Mas hoje depois de passar o dia todo de cama, por que qualquer outra posição causa dores insuportáveis, resolvi dividir com vocês essa questão que tanto afeta meu dia a dia.

     Há 15 meses fui diagnosticada com miomatose (tumores benignos no útero), que provocam sangramento aumentados (hemorragia), dores lombar, contrações, cólicas terríveis e mais alguns efeitos colaterais das medicações.

     Com esse diagnostico a solução é cirúrgica, Histerectomia (retirada do útero), encaminhada pelo SUS, que em épocas normais não demora, mas devido a pandemia a espera se tornou eterna.

     Vou deixar aqui o link para a Vakinha que criamos para arrecadar o valor da cirurgia no particular.  Essa semana começa mais uma bateria  de consultas e exames.

     A cirurgia não é pequena, e a recuperação é longa.

     Agradeço o carinho que já recebo de quem sabe da situação e o tempo de quem leu até aqui".

Beijos com Carinho 

Virginia Souza

     Caso alguém queira falar comigo esse é meu whats: 51 99263 4488 -  e-mail virpoars@hotmail.com

A vakinha: http://vaka.me/1503644

Papo Gigante desta semana - Começa hoje, com Analise Severo e Jean Kirshoff

 




Bem vindo ao século XXI, resumo da sociedade

     Aqui o sexo é livre e o amor se tornou um bolso cheio de notas, público ou uma peça de teatro. 

     Onde perder o celular é pior do que perder os teus valores. Onde a moda é fumar e beber, e se não fizer isso, você está obsoleto.

     Onde o banheiro se tornou estúdio para fotos e a igreja, o lugar perfeito para check in.

     Século XXI, onde homens e mulheres temem uma gravidez muito mais que HIV.

     Onde o serviço de entrega de pizza chega mais rápido do que a ambulância.  

     Onde as pessoas morrem de medo de terroristas e criminosos muito mais do que temem a Deus.

     Onde as roupas decidem o valor de uma pessoa e ter dinheiro é mais importante do que ter amigos ou até mesmo família.

     Século XXI, onde as crianças são capazes de desistir dos seus pais pelo seu amor virtual.

     Onde os pais esquecem de reunir a família à mesa para um jantar harmonioso, conversando sobre o dia a dia pois estão entretidos no seu trabalho ou celular.

     Onde homens e mulheres muitas vezes, só querem relacionamentos sem obrigações e seu único "compromisso" se torna posar para fotos e postar nas redes sociais jurando amor eterno. 

    Onde o mais popular ou o mais seguido com mais curtidas em fotos é aquele que aparenta esbanjar felicidade; aquele que posta fotos em lugares legais e badalados rodeados por "amizades vazias" com "amores incertos" e "famílias desunidas". 

     Onde as pessoas se esqueceram de cuidar do espírito, da alma vazia e resolveram cuidar e cultuar os seus corpos. 

Onde vale mais uma lipoaspiração para ter o corpo desejado do "mundo artístico" do que um diploma universitário. 

     Onde uma foto na academia tem muito mais curtidas do que uma foto estudando ou praticando boas ações.

     Século XXI, aqui você só sobrevive se jogar com a "razão", e você é destruído se agir com o teu coração!

(Autor Desconhecido)

Selecionadas as entidades parceiras que executarão editais da Lei Aldir Blanc no RS


     Foi publicado nessa segunda-feira (9), no Diário Oficial do Estado (DOE RS), os projetos selecionados para as Chamadas Públicas da Lei Aldir Blanc, lançadas pela Sedac. As três entidades parceiras selecionadas executarão editais financiados com recursos da Lei de Emergência Cultural.

     De acordo com a Comissão Julgadora, responsável pela avaliação dos 34 projetos inscritos, foram escolhidas as seguintes instituições: Instituto Trocando Ideia Tecnologia Social Integrada, Fundação Marcopolo e Associação de Desenvolvimento Social do Norte do Rio Grande do Sul. No conjunto, os três editais deverão investir cerca de R$ 26 milhões no setor cultural gaúcho.

Chamada Pública Sedac nº 11/2020

     O Instituto Trocando Ideia Tecnologia Social Integrada (Porto Alegre) será responsável pela realização do Prêmio Trajetórias Culturais, edital que destinará R$ 8 milhões para pessoas físicas de todos os segmentos culturais, no valor de R$ 8 mil cada.

Chamada Pública Sedac nº 12/2020

     A Fundação Marcopolo (Caxias do Sul) executará o edital de Criação e Formação, no total de R$ 8 milhões, para projetos de pessoas físicas e coletivos informais no valor de R$ 15 mil, e para pessoas jurídicas, no valor de R$ 50 mil.

Chamada Pública Sedac nº 13/2020

     A Associação de Desenvolvimento Social do Norte do Rio Grande do Sul (Frederico Westphalen) realizará o edital Ações Culturais das Comunidades. Serão disponibilizados R$ 9,7 milhões para projetos de agentes culturais no valor de R$ 2 mil, e para iniciativas, no valor de R$ 3 mil a R$ 10 mil.

     As iniciativas coletivas culturais de base comunitária estão previstas para ocorrerem nos bairros pertencentes aos 23 municípios participantes do Programa RS Seguro.

Chamadas Públicas

     As chamadas públicas tiveram como objeto a seleção de propostas de pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos, devidamente cadastradas no Cadastro Estadual de Produtor Cultural (CEPC) da Sedac, visando à elaboração e execução de três editais para trabalhadores e trabalhadoras da cultura e da economia criativa.

     O repasse dos recursos às entidades parceiras selecionadas deverá ocorrer em dezembro, para que os editais possam ser lançados.

Fonte: Site do Pró-Cultura

domingo, 8 de novembro de 2020

CBTG informa sobre o 22º Congresso Extraordinário e a 17ª Convenção Brasileira da Tradição Gaúcha

      A Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha, o Movimento Tradicionalista Gaúcho do Estado de São Paulo e a Comissão Executiva do Congresso Brasileiro da Tradição Gaúcha, externa os seus cumprimentos a todos os Tradicionalistas do Brasil de Bombachas.

     Diante da aproximação da data da realização do 22º Congresso Extraordinário Brasileiro da Tradição Gaúcha e da 17ª Convenção Brasileira da Tradição Gaúcha, e, diante da necessidade de organizarmos o Protocolo de Biosegurança para efetivação dos eventos acima citados, SOLICITAMOS aos Tradicionalistas que informem com a maior brevidade a sua participação conosco desse momento importante para o Movimento Tradicionalistas Gaúcho organizado do Brasil de Bombachas, contando a Gestão de Prendas e Peões da Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha em suas redes sociais (@jovensCBTG ou @LIDERANÇAJUVENIL_OFICIALCBTG).

     INFORMAMOS, ainda, que no sábado após o jantar faremos a integração “O REENCONTRO DE EMOÇÕES”, entre as Delegações dos MTG’s, a Diretoria da Executiva e Diretoria Auxiliar da CBTG e os Sócios Tradicionalistas do CTG Meu Pago e do MTG/SP, será um momento para uma conversa entre amigos e para aliviarmos a saudade, e, a sensação de solidão, causada pela necessidade de distanciamento social, para contenção da proliferação do corona vírus, causador dessa pandemia tão devastadora, e que, ceifou milhões de vidas no mundo todo, inclusive, de amigos, familiares, conhecidos e pessoas importantes para o Tradicionalismo Gaúcho Brasileiro.

      Finalizando, SALIENTAMOS que serão seguidos durante todo o evento os protocolos de saúde da autoridade de saúde do munícipio de Diadema/SP, onde se localiza a sede do CTG Meu Pago, sendo assim, será necessário o uso de máscara durante todo o evento (devendo cada tradicionalista trazer a sua), o uso de álcool em gel (que será disponibilizado pelo organizador do evento), e ainda, que os tradicionalistas nos seus pronunciamentos orais durante o evento, poderão usar microfone próprio, devendo para tanto, levar consigo esse recurso eletrônico.

    Esperamos encontrar a todos com saudade no “O REENCONTRO DE EMOÇÕES”.

     Saudações tradicionalistas. 

Por Marciléia Capitâneo de Souza

sábado, 7 de novembro de 2020

Dia do Radialista - Nossa homenagem aos comunicadores


      O Dia do Radialista é comemorado oficialmente no Brasil em 7 de novembro. Na verdade, em 21 de setembro também se comemora o Dia do Radialista. Isso acontece porque o dia já era comemorado em setembro até que a lei nº 11.327, de 27 de julho de 2006, instituiu a nova data.

      A história do Dia do Radialista teve início em 1943, no governo Getúlio Vargas. O então presidente sancionou uma lei com a fixação de um piso salarial ou remuneração mínima para os profissionais do rádio.

      Com a nova lei, em homenagem ao dia de nascimento do músico e radialista Ary Barroso, os profissionais do rádio têm duas datas para comemorar: o dia 21 de setembro virou uma data simbólica, e o 7 de novembro, a oficial.

Fonte: ABERT

terça-feira, 3 de novembro de 2020

Nota de Falecimento - Edílio de Moura


    É com grande pesar e tristeza tristeza  que comunicamos o falecimento do tradicionalista Edílio de Moura.

    O velório foi esta manhã, na Boa Vista. A  26°RT lamentou em nota, pelo facebook,  a grande perda, de um amigo e tradicionalista. "Um homem gaúcho,  de raiz, sempre sustentando a tradição" - definiu o amigo Eriveltom Moczulski.

     Que o Pai Eterno o receba com  muita luz para o descanso em sua nova morada. E que conforte o coração dos amigos e familiares que ficam e que de alguma forma sofrem pela perda aqui, sabendo que mais tarde nos encontraremos em outro plano.

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

Dia de Finados é celebrado em 02 de novembro, no mundo ocidental.

Fonte: Mundo da Educação
    Ao longo da história pode-se observar diversos ritos de sepultamentos, como a cremação, a mumificação, o enterro em covas e em urnas de cerâmica ou de pedra, bem como a deposição do corpo dos mortos em mausoléus. Grandes monumentos como as pirâmides de Gizé e o Taj Mahal foram erguidos para acomodar os restos mortais de pessoas ilustres. No mundo ocidental, o dia 02 de novembro é dedicado à memória dos mortos, desde a Baixa Idade Média, instituído inicialmente no século X, na abadia beneditina de Cluny, na França.

     A ação do Abade Odilo, de Cluny (Santo Odilon), em 998, de chamar seus irmãos para rezar por aqueles que já haviam deixado esta vida, resgatava um dos elementos principais da cosmovisão católica: a perspectiva de que boa parte das almas dos mortos está no Purgatório, passando por um processo de purificação para que possam ascender ao Paraíso. Esse dia era conhecido no Europa como "Dia de todas as Almas".

       Com a descoberta do continente americano pelos europeus, o dia escolhido por Odilo ganhou uma grande repercussão e até hoje a memória dos entes queridos, que já se foram, nos vem à mente e milhões de pessoas vão aos cemitérios levar suas flores, velas, sentimentos e orações.

Foto: Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami / Divulgação / 1º carro fúnebre em Caxias, em 1908


              

domingo, 1 de novembro de 2020

DTG Lenço Colorado, ano XX, um departamento do Sport Club Internacional

      Fundado em 22 de abril de 2002, o Departamento de Tradições Gaúchas Lenço Colorado, braço tradicionalista voltado à preservação das tradições e folclore gaúcho, do Sport Club Internacional, teve como primeiro patrão Jefferson Bernardo. Quando assumiu, como diretor do Parque Gigante, após a eleição de Fernando Carvalho para a presidência do Inter,  junto com o Décio Hartmann, Jefferson, que tinha sido coordenador artístico do CTG Guarida Nativista, ao lado de sua esposa Patrícia, teve a ideia de criar este departamento no clube do povo e recebeu apoio do Décio, do Fernando Carvalho e de outros amigos.

Patrão Jefferson Bernardo
     “Em uma tarde, descendo a Lomba do Sabão, tive a ideia de unir o útil ao agradável, trazer o tradicionalismo para dentro do clube do povo. Cheguei no Parque Gigante e falei com o Décio que era vice presidente e fomos falar com o Fernando Carvalho. No mesmo dia nasceu o DTG Lenço Colorado” – conta Jefferson.

      O Logo do DTG foi criado pelo colaborador e mais tarde patrão, Dobrasil Renato Nascimento e o lema pelo Patrão Jefferson: “Semeando gaúchos par aos braços da tradição”. “Depois de feito o primeiro churrasco, no galpão crioulo do Parque Gigante, começou os preparativos burocráticos para a inscrição na 1ª RT e ao MTG” – lembra. 

      Em 2003, era realizado o primeiro rodeio do DTG, sendo o mais marcante, o que foi realizado em 2006, pois fez parte das comemorações do título mundial do Inter. O Grupo de trabalho estabeleceu a criação de subdepartamentos artístico, cultural e campeiro. Cada um deles coordenado por pessoas capacitadas, com a supervisão do Patrão e de sua esposa. Desta forma o DTG sempre esteve representado em grandes eventos do Rio Grande do Sul e do Brasil.

Invernada Cultural – Conquistas importantes do DTG

Giovana Mottini – 1ª Prenda Mirim da 1ªRT 2009/2010

Franciele Guterres Santin Haubold – Prenda Farroupilha da capital, 2006 e 1ª Prenda da 1ªRT 2008/2009

Kelly Rocha – 1ª Prenda da 1ªRT 2001/2012 e 3ª Prenda do RS 2012/2013

Jeferson J. Gomes de Souza – 3º Piá da 1ªRT 2018/2019

Conquistas da invernada Artística do DTG

     Grupo Adulto – Classificado para o ENART de 2008 a 2018 consecutivamente, sendo finalista dançando o domingo nos anos de 2009, 2012 e 2014;

     Campeões do Porto Alegre em dança 2007 e do Festival de Joinville, em 2008. Finalista do FEGGART 2015. Campeão de diversos rodeios pelo estado.

     Representou a cultura gaúcha no meio do futebol sul-americano, com apresentações para a CONMEBOL e CBF. Caminho do Gol na Copa de 2014 e o espetáculo de reabertura do Estádio Beira Rio. O Grupo ainda se apresentou em diversos Consulados colorados pelo RS.

Giovana Mottini – 2º Lugar interprete Solista Vocal Feminino, no ENART 2014; E a mesma colocação no Rodeio da Vacaria, categoria Juvenil, em 2012.
João Aquino – vice-campeão do ENART 2011 e Campeão no ano de 2015 na modalidade Violão  -  Vice-Campeão Nacional, em 2015 do FENART.
Roger Mendes Pascoal – Campeão do ENART 2015, na modalidade Causo Gauchesco de Galpão
Musical do DTG – Conjunto musical de Danças Tradicionais 2º Lugar em 2012 e campeão, em 2015.
Robson Paines – Campeão Interprete Solista Vocal, do ENART 2009.

Invernada Campeira – Conquistas importantes

FECARS de Caxias do Sul – 2010 |  Campeão Laço Seleção, com 47 armadas de 50. Troféu Laço de Ouro. 
FECARS de Santo Augusto – 2011 | 2º Lugar braço de Ouro: Leandro Kruger
2011 - Rodeio Nacional de Campeões  - Campeão Brasileiro Seleção, entre todos os estados do Brasil 
2012 - 3º Lugar Seleção, 46 armadas 2013 - Campeão Braço de Ouro, pela 1ª vez, com Leandro Kruger
2013 – Em Campo Bom, Campeão Laço Capataz e Braço de Ouro, pela 2ª vez, com Leandro Kruger.
Rolantche 2013 – os laçadores do DTG venceram e ganharam Dois automóveis, no Laço. Vagner Kruger, Vinicius e Lucas Forjarini e Aquiles Pereira.

     Natasha da costa Wirtti - 3º lugar Prenda Adulta FECARS 2018 – Esmeralda/RS; Bicampeã duplas Rodeio dos Festejos Farroupilhas de Porto Alegre - 2016/2017; Tricampeã Laço Prenda Festejos Farroupilhas de Porto Alegre - 2016, 2018 e 2019; Vice-campeã Laço Prenda Rodeio Nacional de Gramado - 2019 e 2020; 3º lugar Laço Prenda 20º Rodeio Internacional do Mercosul 2015 – Gravataí/RS; 5 vezes classificada para Representar a 1ª RT na FECARS (modalidade Laço Prenda Adulta 2015, 2017 a 2020. Campeã Laço Prenda 51ª Festa Campeira Artística e Cultural do CTG Gomes Jardim, em 2019 – Guaíba/RS; e Campeã Laço Prenda força ‘A’ no 13º Rodeio Crioulo Estadual do CTG tropilha farrapa, em 2019 – Lageado/RS.

     Clarissa Rechden foi 2013 – Vice-campeã Laço Prenda e Campeã Laço Dupla Força B - Semana Farroupilha de Porto Alegre; 2014 - Campeã Duplas do Rodeio Força C - Semana Farroupilha de Porto Alegre; 2014 - Representante da 1ªRT no Laço Prenda – 22ª FECARS; 2015- Campeã Duplas do Rodeio Força C - Semana Farroupilha de Porto Alegre; 2016 - Campeã Laço Prenda – 22ª Festa Campeira Sentinela do Sul; 2017 - Campeã Laço Prenda Classificatória Crioulaço; 2018 - Campeã Laço Prenda - Duelo de Prendas Vista Alegre do Prata; 2018 - Campeã Duelo de Prendas – 34ª Rodeio Nacional de Canela; 2018 - Campeã Duelo de Prendas – 1ª Supremas do Laço Guaíba; 2019 - Campeã Laço Prenda – 21ª Rodeio Estadual de Cidreira;   

       Muitos Rodeios, festas Campeiras e torneios de Laço. Sempre bem representados com o Patrão Paulo Bellarmino à frente, comandando o time.

Patrões do DTG Lenço Colorado:
2002 a 2006 – Jefferson Bernardo
2007 – Dobrasil Renato Nascimento
2008 a 2014 – Paulo Renato Bellarmino
2015 a 2019 – Dobrasil Renato Nascimento
2019 – 2020 – André Naibert
2020 – Rogério Bastos

O nó de lenço colorado.

      A 1ª Feira Colorada do Livro e do Vinil, realizada no dia 12 de outubro de 2016, nas dependências do Sport Club Internacional, entre o Gigantinho e o Beira Rio, fez parte das comemorações dos 40 anos da Fundação de Educação e Cultura do SC Internacional - FECI, e teve a honra de ter como seu primeiro patrono do evento João Carlos Paixão Cortes, consagrado folclorista, compositor, radialista e pesquisador das tradições gaúchas, além de cônsul cultural do Clube do Povo. Na ocasião, o ícone do tradicionalismo gaúcho fez a doação de um nó de lenço especial para o DTG Lenço Colorado, criado por ele nos idos dos anos de1947, quando saiam para carreiras domingueiras e ele arrumava as prendas dos seus arreios e atava a cola do pingo, com ele. O ‘Nó Paixão Côrtes’ foi um regalo entregue especialmente do criador para o DTG, que o emoldurou e expôs no museu da entidade.


         O Departamento de Tradições Gaúchas Lenço Colorado prepara o projeto para comemorar seus 20 anos, em 2022. Pós-pandemia a entidade lançará o projeto para seus seguidores, dançarinos, campeiros e simpatizantes. 


Terremoto em Lisboa destrói grande parte da capital portuguesa no ano de 1755

Por Lourenço Lusitano
Publicado no facebook por Valter Fraga Nunes

O terremoto de Lisboa foi a primeira e até agora maior catástrofe natural europeia devidamente registrada
O terremoto de Lisboa (1755) foi a primeira e até agora maior catástrofe natural europeia
 devidamente registrada
 

     Às 9h35 do dia 1 de Novembro de 1755, no dia de Todos-os-Santos, o chão de Lisboa tremia e a catástrofe que se seguiu marcou para sempre a capital de Portugal.

     Um terremoto de força descomunal arrasou a cidade, uma catástrofe que matou milhares de pessoas e sacudindo muito mais do que apenas prédios e palacetes.

    Se estima que 85% dos prédios, incluindo marcos públicos, como o Palácio Real, palacetes, conventos, mosteiros e igrejas, cheias de fiéis por causa do feriado santo, foram abaixo.

     Cientistas que reconstituíram os eventos geológicos de 1º de Novembro, acredita-se que o terremoto tenha atingido uma magnitude entre 8,7 e 9 pontos na escala Richter. O tremor de terra foi seguido por uma tsunami que segundo alguns historiadores as ondas alcançaram 20 metros de altitude. Lisboa também sofreu com vários incêndios que seguiram ao tremor. 

      Outras cidades portuguesas sofreram graves danos. Mas nenhum lugar foi tão devastado quanto Lisboa.

      A tragédia foi maior ainda porque muitos habitantes de Lisboa correram para a beira do Rio Tejo com a intenção de fugir dos desabamentos e dos incêndios que se alastravam pela capital. A região, porém, foi atingida por uma série de tsunamis gerados em decorrência do terremoto. As ondas destruíram o porto e toda a parte baixa da cidade. O que não caiu ou ardeu em chamas acabou carregado pelas águas, um desastre até então inédito na Europa moderna de então.

      Há época Portugal era reinado por D. José I, Lisboa e Portugal ficaram de joelhos após a catástrofe, os escombros do Palácio Real servindo de símbolo. 

      O rei e sua família escaparam da tragédia por estarem fora da cidade, mas viveram como refugiados comuns numa cidade de tendas nas colinas da Ajuda(nos dias atuais conhecido por Alto da Ajuda uma zona da cidade de Lisboa), o soberano ficou traumatizado e se recusou a dormir sob um teto.

RECONSTRUÇÃO de LISBOA

      Portugal não ficou acéfalo porque tinha um primeiro-ministro de nome Sebastião José de Carvalho e Melo (*1699, Lisboa - ✞1782, Pombal) que chamou a responsabilidade para si.  

   Sebastião era nem mais que o Marquês de Pombal (seu título de nobreza).

     Marquês de Pombal comandou esforços de reconstrução impressionantes mesmo nos dias de hoje. A começar pela determinação em mostrar a mão forte do Estado.

      Reis não se envolviam na administração, e as circunstâncias deixaram Pombal ainda mais poderoso. Ele era autoritário, mas é difícil não ter respeito pelo que fez para tentar trazer Portugal de volta à normalidade.

      Pombal convocou batalhões para ajudar no combate aos incêndios e no resgate das vítimas e impôs Lei Marcial para conter saqueadores. Contrariando a doutrina católica, ordenou que cadáveres fossem recolhidos depressa para evitar doenças e atirados ao mar.

      Em 4 de dezembro de 1755, pouco mais de um mês depois da catástrofe, o engenheiro-chefe da corte, Manuel da Maia, já apresentava os planos de reconstrução. Eram cinco alternativas, do abandono da cidade a uma reforma completa. Pombal aprovou a quarta opção, que propunha um radical redesenho da Parte Baixa da capital.

      Lisboa ganhou padronização na construção de casas e edifícios, nos aspectos estético e estrutural: uma trama de vigas de madeira conhecida como "gaiola pombalina", para melhor resistir a sismos, e mais espaçamento entre edificações para prevenir incêndios. Para testar a segurança dos prédios, Pombal criou um "simulador de terremotos"  tropas marchavam ao redor das edificações, criando pequenos temores.

Baixa Pombalina - Assim ficou Lisboa após terramoto, com traçado geométrico

Dos escombros, surgiu a Baixa Pombalina. 

      Seus mais de 235 mil m² viraram um dos mais estudados casos de projetos urbanísticos de larga escala no mundo. Pombal também tomou a decisão de fazer um censo da tragédia: questionários foram enviados a todas as paróquias pedindo informações sobre o terremoto.

      Além de detalhes como rachaduras e intensidade dos tremores, o questionário de Pombal pedia observações sobre o comportamento de animais e mesmo sobre reduções de volume de água em poços. 

"Lisboa capital de Portugal, a mesma Lisboa onde eu nasci 200 anos depois" - Lourenço Lusitano.


Estátua de D. José I - Praça do Comércio (Terreiro do Paço) - D. José I , era o rei de Portugal quando ocorreu o terramoto de 1 de Novembro de 1755.

Por Lourenço Lusitano