sábado, 23 de janeiro de 2021

Primeira Região Tradicionalista emite comunicado sobre eleições do MTG 2021

      Conforme nota oficial do MTG de 22/01/2021, Resolução do Conselho diretor do MTG e Regimento Eleitoral par as eleições do MTG no ano de 2021 para as eleições para o Conselho Diretor e Junta Fiscal ocorrerão de forma descentralizada, com trinta urnas, uma em cada Regiões Tradicionalistas, no dia 27 de fevereiro de 2021.

- Todas as 30 urnas serão abertas pontualmente às 9 h e fechadas as 16 horas.

- Para coordenar as eleições será escolhido o Presidente e o Secretário da Assembleia Geral Eletiva.

- Caberá ao Presidente da Assembleia Geral Eletiva nomear os membros das trinta comissões eleitorais regionais, uma para cada RT, que serão compostas da seguinte forma:

- Um tradicionalista, que não integre qualquer chapa concorrente, para secretariar e elaborar a Ata da eleição;

- Dois Patrões, de entidades em dia com as obrigações junto ao MTG, desde que não integrem quaisquer chapas concorrentes;

- Um representante da cada Chapa Concorrente, desde que não a integre, que tenha no mínimo 21 anos de idade e que tenha Cartão de Identidade Tradicionalista válido;

     Caberá às Comissões Eleitorais Regionais:

- Definir o local da Eleição;

- Colher os votos das entidades aptas a votar, em urna lacrada;

- Permitir que somente as entidades aptas a votar, conforme listagem fornecida pela Secretaria do MTG, credenciem delegados-eleitores. A listagem deverá estar disponível e à vista de todos em local apropriado;

     Compete às coordenadorias regionais:

- Orientar às entidades para que os delegados-eleitores compareçam à Assembleia Geral Eletiva,

- com o fim de exercer o direito a voto, portando o CIT (Cartão de Identificação Tradicionalista) válido, estando devidamente pilchados e usando máscara de proteção facial, sob pena de serem impedidos de votar.

     Devido a prorrogação da data de pagamento das unidades de 2021, aprovado em Convenção Tradicionalista, para a data de 28/02/2021, esta ação passou a habilitar todas as entidades em dia com as anuidades até 2020 a participarem do pleito de 2021.

     Conforme vamos sendo informado, vou repassando aos representantes das Entidades.

     Solicito aos Patrões e Patroas que nos envie a ata da eleição para atualização do cadastro.

Edinho 23/01/2021
Coordenador 1ªRT

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Em nota, MTG anuncia eleição regionalizada e com voto impresso

Nota Oficial do MTG

     A Presidente do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Sra. Gilda Galeazzi, no uso das suas atribuições legais, que lhe conferem o Estatuto e o Regulamento Geral do Movimento Tradicionalista Gaúcho, com convocação pessoal, reuniu na sala da Presidência do MTG os Senhores Fabiano Vencato, Manoelito Carlos Savaris e a Senhora Silvânia Affonso, estes últimos três candidatos a Presidência do Conselho Diretor do Movimento Tradicionalista Gaúcho no pleito de 27/02/2021.

     A presente reunião tem como finalidade primeira a abertura do diálogo entre a atual administração e a posterior que possa vencer o pleito eleitoral previsto para o dia 27/02/2021, preparando desta forma uma transição tranquila e transparente.

     A reunião também teve como finalidade resolver questões internas do pleito eleitoral no Movimento Tradicionalista Gaúcho sem a exposição pública em redes sociais e imprensa em geral;

     Assim, assentada no diálogo e com a finalidade fim de buscar a união de todos os tradicionalistas em prol do Movimento Tradicionalista Gaúcho, FICOU DECIDIDO de forma UNANIMIDADE pelos presentes na reunião que em nome da união e harmonia do Movimento Tradicionalista Gaúcho, observando a tradição versus parecer jurídico no computo de votos, que a eleição para o Conselho Diretor do Movimento Tradicionalista Gaúcho em contingência a não realização das mesmas num CONGRESSO TRADICIONALISTA será realizada de forma Presencial Regionalizada, com todos os cuidados necessários ao combate a pandemia do COVID 19.

     Ficou decidido também, em conjunto, e buscando a união dos interessados diretos, após ouvido o parecer jurídico, o entendimento de que devido a prorrogação da data de pagamento das unidades de 2021, aprovado em Convenção Tradicionalista, para a data de 28/02/2021, esta ação passou a habilitar todas as entidades em dia com as anuidades até 2020 a participarem do pleito de 2021.


Live tira-dúvidas do Edital Criação e Formação

 


quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

"Sapecada do Milho Verde" entrará para o calendário de eventos de Taquara

 Atração valoriza a história dos tropeiros e a resgata a memória de antigos hábitos alimentares no campo 


   O fogo vivo na fogueira assa lentamente as espigas sobre a grade. Vez ou outra, alguém vira uma a uma. Assim como se cuidassem de um bom churrasco, um grupo de apaixonados pela cultura tradicionalista deu início, na quinta-feira (21) pela manhã, em Açoita Cavalo, interior de Taquara, à primeira Sapecada do Milho Verde. A atividade resgata a história gastronômica do tropeirismo e entrará para o calendário de eventos de Taquara.


     Anfitrião da sapecada, Marco Aurélio Angeli (Zoreia) é um entusiasta da cultura tropeira. Ele lembrou que a história da humanidade está envolta no cultivo e produção de alimentos a partir do milho. A linha de pensamento foi reforçada pelo vice-prefeito Nelson Martins. “Temos várias propriedades em nosso interior que cultivam o milho. Podemos pensar em futuramente levar essa sapecada para a Rua Coberta”, destacou.
   


 A iniciativa irá passar a integrar o calendário de eventos municipais. Para a prefeita Sirlei Silveira, é o reconhecimento da história local, de hábitos que foram perdidos e que, resgatados, contribuem para manter viva a tradição passada há gerações de moradores do campo. Em 2015, quando era vereadora, Sirlei apresentou proposição na Câmara para que os alunos das escolas municipais tivessem acesso, através de Lei Municipal, a uma cadeira sobre o Tropeirismo no Brasil.

         Na oportunidade, se fizeram presentes a Prefeita Sirlei Silveira, o Vice Nelson Martins, o Presidente da Câmara Adalberto Soares, vereadores e secretários, assim como o presidente do Sindicato dos produtores rurais de Taquara entre outros. 
Fonte: Blog do Massuti
Fotos: Cris  Vargas
Prefeitura Municipal

Há 95 anos nascia, em Bagé, Dimas Costa

 

   Na data de ontem, dia 20 de janeiro de 2021 comemorou-se os 95 anos da data de nascimento de Dimas Costa, um dos mais importantes articuladores culturais de seu tempo no Rio Grande do Sul. Natural de Bagé, o Xiru Divertido, como era conhecido, foi personalidade marcante no rádio porto-alegrense, tendo sido um dos apresentadores do famoso programa 'Grande Rodeio Coringa'. Também apresentou 'Festança na Querência' e 'Alma do Rio Grande' juntamente com Paixão Côrtes, entre outros programas individuais. 

     É autor, em parceria com Eleu Salvador, do Parabéns Gaúcho, também chamado constantemente de Parabéns Crioulo. Lançou dez livros de poemas, três discos, sendo um em parceria com seu filho Paulo Ibagé. Também editou os Cadernos do Xiru durante anos, remeteu programas gravados para diversas emissoras de rádio do interior do Estado e participou de oito filmes como ator.

     Foi um dos criadores e o principal incentivador do Ronda - Grupo de Estudos da Cultura Gaúcha, do qual surgiram bons artistas.

     Dimas Noguês Costa era um homem generoso com seus amigos, dono de um sorriso largo de fronteiriço e amável com os fãs. Incentivou o surgimento de novos artistas e poetas, inclusive alguns que hoje brilham no cenário cultural. Viveu a maior parte de sua vida em Porto Alegre, mas veio a falecer aos 71 anos de idade, no dia 11 de julho de 1997, na cidade de Tapes, onde repousam seus restos mortais.

por: Paulo de Freitas Mendonça

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

LENDAS BRASILEIRAS - por Diego Muller

De J.C. Paixão Côrtes, L.C. Barbosa Lessa, Ciro D. Ferreira, Ivo Sanguinetti e José Lutzemberger 

     Este é um livro raro. Foi o primeiro livro de Paixão Côrtes, onde acredito também ter sido o primeiro de Lessa, Sanguinetti e Ciro Ferreira, editado pelo 35 CTG, lançado através da antiga Livraria Pluma (Rua Vigário José Ignácio, 788 - Porto Alegre/RS), já que foi escrito entre várias personalidades tradicionalistas atuais (apenas jovens, à época, e participantes ativos do 35 CTG).

     O livro é sobre Lendas Gaúchas, porém, como se vê, foi lançado com o título de "Lendas Brasileiras", já que são, realmente, bem abrasileiradas e nacionais as nossas lendas e os nosso contos regionais sulinos. Entre elas, se encontra: Salamanca do Jarau, Sepé Tiarayú, A Erva Mate, O Passo da Areia, O Umbú, A Origem do Homem, O Boi-Tatá, entre outras tantas. Infelizmente não se tem a identificação de quais escritores descreveu qual lenda na obra, ou se todos deram "seus pitacos" em todas. Para a "cereja desse bolo" cultural, o livro é dotado de imagens do grande desenhista, agrônomo, escritor e arquiteto porto-alegrense José Litzemberguer, também jovem à época. É muito difícil, realmente, de encontrar essa obra por aí, pela idade e pela sua importância... E seu valor, quando encontrado, circula entre uns 300 Reais (justo inclusive). Porém este exemplar foi encontrado por uns 50 Reais (mais correio), em um "cebo" de livros antigos, sendo vendido a ele como "descarte" (descartado em 15 de Junho de 2020, como mostra carimbo datado, dentro do mesmo), feito por uma biblioteca de uma Escola Municipal de Porto Alegre. Deveria ela estar, não só nas prateleiras das Escolas... Muito menos nas prateleiras de "sebos", por aí... Mas sim, servindo de base para fazer as crianças, dessa mesma Escola que a descartou, sonharem com um Rio grande de antes, com um Rio Grande de agora e um Rio Grande de sempre, exaltado pelo culto a suas culturas e tradições (sejam elas de qual origem forem), para que saibamos, não só de onde viemos, mas para onde vamos e como nos "manteremos" vivos, diante às mudanças mundanas e tecnológicas.  

    Lendas Brasileiras é um livro raro... Porém, muito importante para nossa cultura e para a nossa educação.

por: Diego Muller

Savaris conversa com entidades da 1ªRT no CTG Aldeia dos Anjos

 

     Manoelito Carlos Savaris, candidato à presidência do Conselho Diretor do Movimento Tradicionalista Gaúcho do Rio Grande do Sul esteve no CTG Aldeia dos Anjos, de Gravataí, 1ªRT, na noite de terça, 19, para conversar com os patrões da Região. Acompanhado pelo Coordenador Edinho e o Coordenador eleito, Luiz Henrique Lamaison, o ex-Coordenador da 2ªRT, Mauricio Pletz e sua esposa, Renata Pletz, Paulo Matukait, Celso Farias entre outros, Savaris explanou sua trajetória pelo tradicionalismo gaúcho organizado e propostas para a gestão, caso venha a ser escolhido.
Savaris recebeu apoio de colorados e gremistas para esta eleição
      Mais de quarenta pessoas estiveram presentes ao encontro e outras acompanharam por chamada de vídeo, feitas por amigos para que conhecessem as propostas.

      Savaris começou nos anos 90, como patrão de CTG e depois Coordenador da 25ªRT. Em 1999 assumiu a vice-presidência do MTG e da FCG, ao lado de Jair Lima. Em 2001 assumiu pela primeira vez o MTG como presidente, cumprindo 7 gestões (2001/2003, 2005/2006 e 2014/2015) - intercalando com a presidência do IGTF e da CBTG. Ao término de tudo voltou a servir sua entidade, o CTG Campo dos Bugres.

      Em São Gabriel, 2001, ao ser eleito presidente do Conselho e, escolhido pelos seus pares presidente do MTG, Savaris encarou já, de cara, um "Planeta Gaúcho" arrasador. Pagou todas as contas, colocou a casa em dia e entregou a Federação em 2004. Nesse meio tempo mudou a Semana Farroupilha de Porto Alegre e do RS, com apoio de muita gente, mas liderando firme.

      Em 2003 nasceram os desfiles temáticos. "O sucesso e o crescimento das comemorações da Semana Farroupilha sempre tiveram na linha de frente a liderança do Savaris, sou testemunha disto" - Germano Rigotto, ex-governador do RS.

     Savaris comentou das dificuldades que as entidades estão passando e o que pode estar por vir, ainda. Conhecedor da administração da federação, propôs um trabalho para trazer de volta o associado para a entidade, em um mutirão para mostrar que hoje, é o melhor lugar para estar com a família, como diz um comercial de rádio do Banco Bradesco.
     Concluiu sua fala dizendo que o que mais vai dar trabalho será unir as pontas que se soltaram ao longo dos anos. Reaproximar, buscar que parem as ofensas, revanchismos e que as pessoas se deem as mãos novamente pelo caminho simples da tradição gaúcha.

      Na manhã de terça, Savaris esteve na Rádio Liberdade, com Evandro Leboutte, para uma entrevista. 

      Como sempre, conseguiu ordenar as ideias e propostas, não ofendeu ninguém e mostrou que é o mais preparado para tentar reorganizar a Federação.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Convenção Extraordinária chega a lugar nenhum. Autor retira a única proposta

      Explicações confusas, desencontro de informações, retirada da proposta, entre outras situações mostraram o quão inútil foi a convenção convocada às pressas para decidir sobre algo que já vinha com a ideia de ser para a próxima eleição. Em meio a falta de sentido e pressão dos tradicionalistas, o autor retirou a sua proposta.

Valmir Bohmer:

    "A proposta sugeria a alteração do artigo 127 do Regulamento Geral, a ideia embasava-se num formato já adotado pelas Regiões Tradicionalistas, conforme o Art. 201, § 3⁰ do regulamento geral dispondo com relação a eleição de Coordenadores: § 3º - Não ocorrendo maioria absoluta repetir-se-á a votação, quando concorrerão apenas os 2 (dois) candidatos mais votados no primeiro turno, sendo então apurado o vencedor por maioria simples". 

    O próprio relator já sugere algo diferente: "Após a minha análise jurídica e social, digamos assim, o parecer que eu exargo, é no sentido de que o artigo 127 do Regulamento Geral, deve ser modificado como proposto pelo companheiro Valmir Bohmer mas não para este pleito de 2021, assim a partir de 2022. Não acho razoável, prudente e oportuno trocar o pneu com o carro andando!" - Parecer do Relator.


     Manoelito Carlos Savaris fez uma série de ponderações: "Não devemos mudar as regras no meio do jogo!". "Mais adiante esta proposta pode voltar, em um encontro presencial, onde todos possam opinar. Essa forma que estamos fazendo aqui exclui todos que não são convencionais de se manifestar." - concluiu.

Assista a convenção:

https://www.facebook.com/MTGRIOGRANDEDOSUL/videos/321390825843332

Vendido aos 10 anos como escravo pelo pai, foi poeta, jornalista, advogado e abolicionista

 Luís Gonzaga Pinto da Gama - Salvador, 1830 - São Paulo, 1882 


     Um dos expoentes do movimento abolicionista foi o poeta, jornalista e advogado Luís Gama. Era filho de um desconhecido fidalgo de origem portuguesa com uma negra quitandeira livre, Luiza Mahin. Sua mãe era africana de origem Nagô, e participou da Revolta dos Malês (1835) e da Sabinada (1837-1838). Pagã, nunca aceitou o cristianismo e acabou fugindo para o Rio de Janeiro, e desde então nunca mais deu notícias. O pai então passou a cuidar do menino Luís. Inicialmente o tratava bem, mas era desregrado e acabou por vender o próprio filho como escravo, quando o garoto possuía apenas dez anos de idade. 

     O comprador de Luís foi o comerciante e contrabandista alferes Antônio Pereira Cardoso. Após uma longa viagem por São Paulo, onde ninguém se interessou em comprá-lo por ser baiano, Luís acabou por se tornar escravo doméstico na cidade de São Paulo, na casa do alferes que o comprou na Bahia. Ali ele conheceu Antonio Rodrigues do Prado Júnior, estudante de humanidades que lhe ensinou as primeiras letras. 

     Luís Gama fugiu em 1848. Após comprovar a sua condição de livre, serviu como soldado durante seis anos. Deu baixa em 1854, quando já havia alcançado o posto de cabo-de-esquadra graduado. Tornou-se ordenança do conselheiro Francisco Maria de Sousa Furtado de Mendonça, de quem recebeu lições de letras e civismo. Foi amanuense da Secretaria de Polícia de São Paulo, cargo que lhe permitiu aprender as leis e ajudar a defender escravos.

     Em 1864, Luís Gama fundou, juntamente com Angelo Agostini, O Diabo Coxo, jornal satírico paulistano. Ambos também criaram, em parceria com Américo de Campos, o semanário humorístico O Cabrião (1866). Em 1868, foi demitido do cargo de amanuense por integrar o Partido Liberal e por defender ideais liberais na imprensa e na política, além de promover processos judiciais para libertar escravos. A partir de então passou a atuar como rábula e jornalista. Sem recorrer à violência, e valendo-se apenas da retórica e do Direito, libertou mais de mil escravos. Apesar de seu brilhantismo e astúcia como advogado, sempre teve uma vida modesta, uma vez que pouco ou nada recebia dos seus clientes. 

    Gama faleceu em 24 de agosto de 1882. Uma multidão esteve em seu velório, jurando dar continuidade ao movimento abolicionista, o grande ideal da sua vida.

*****************************************************************

Fonte: ERMAKOFF, George (org.). Dicionário Biográfico Ilustrado de Personalidades da História do Brasil. Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2012, pp. 536-537. (Sou-Cesar / BLOG)

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

MTG divulga 89ª Convenção com um só tema - Ter 2º turno nas eleições da Federação

     O Movimento Tradicionalista Gaúcho realizará hoje, em formato online, a 89ª edição da Convenção Tradicionalista, em caráter extraordinário. Com pauta única, o evento pretende pôr em debate o percentual mínimo de votos que uma candidatura deve obter para se eleger ao Conselho Diretor do MTG. A proposta prevê a possibilidade de um novo turno caso nenhuma das chapas alcance o percentual de 50% dos votos válidos.  

     Propondo a alteração do artigo 127 do Regulamento Geral, a ideia embasa-se num formato já adotado pelas Regiões Tradicionalistas, conforme o Art. 201, § 3⁰ do regulamento geral dispondo com relação a eleição de Coordenadores: § 3º - Não ocorrendo maioria absoluta repetir-se-á a votação, quando concorrerão apenas os 2 (dois) candidatos mais votados no primeiro turno, sendo então apurado o vencedor por maioria simples. 

     A proposta, que tem como autoria o atual vice-presidente artístico do MTG, Valmir Bohmer, prevê que por haver possivelmente três chapas concorrentes ao pleito, existe a possibilidade de uma composição eleita sem alcançar sequer metade dos votos. Para isso, o proponente defende que será considerada eleita a chapa que alcançar mais de 50% dos votos válidos, caso contrário a nova votação será composta pelas duas candidaturas com o maior número de votos.

     O evento acontecerá a partir das 20h, e será transmitido ao vivo pela página do Facebook do Movimento Tradicionalista Gaúcho e no canal do YouTube do Eco da Tradição. Confira a proposta na íntegra em https://www.mtg.org.br/wp-content/uploads/2021/01/Convencao-MTG.pdf  


Gilmara Silveira (ex-prenda do RS, advogada)

"Como mudar um regulamento de forma tão impensada e tão precipitada numa época de tanto distanciamento que inviabiliza um diálogo aberto e transparente?

Não é tempo de mudarmos uma legislação que nos orienta há mais de 50 anos sem um debate extensivo a todos os tradicionalistas! É tempo de refletirmos sobre aquilo que realmente acreditamos e defendemos! Somos tradicionalistas ou Estamos tradicionalistas! Aquilo que manifestamos realmente nos representa ou nossas convicções são meras e fugazes?

Então, você que acredita na tradição, a defenda! Não desvirtue seus princípios e ideais! Não mude “as regras do jogo” durante "o jogo". Isso não é adequado bem como não possui fundamento" - Muita visão de quem entende mesmo...

    A minha pergunta é só uma: "Em uma gestão de transparência, como se autoproclamava, com toda comunicação voltada para as redes sociais, a 89ª convenção ficou escondidinha atrás da cortina. Por quê?" - Se no dia 15 de dezembro tem uma publicação no facebook oficial do MTG dizendo que existe uma proposta do vice-presidente artístico para uma convenção extraordinária:

   "Valmir Böhmer que prevê um segundo turno nas eleições para o MTG. Böhmer propõe que, independente do número de chapas inscritas, seja eleita aquela com mais de 50% dos votos e, em caso de não alcançar este índice, seja realizado um segundo turno com os candidatos mais votados. A convenção será convocada nos próximos dias" - passadas as publicações, dia após dia, não existe nenhuma convocação na rede social (deve ter sido enviada para quem vota e não para quem interessa). 

    Me parece que o corpo esta caminhando sem a cabeça. Cada setor fazendo do seu jeito, pois a vida continua. A gestão terminará como começou?

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

15 de janeiro - Dia do compositor


     O dia 15 de janeiro foi escolhido como o dia do Compositor por comemorar também a fundação da Sociedade de Autores e Compositores do México (SACM). Porém a data se tornou oficial no mundo inteiro em 1983, se tornando o Dia Mundial do Compositor.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Covid-19 fez mais uma vítima: A querida amiga Cris Marchioro


     Hoje recebi uma noticia muito triste. 
A professora Maria Cristina Chaves Pereira Marchioro, a Cris, amiga de quase 30 anos do meio tradicionalista. A Cris foi fundadora, ex-patroa e atual capataz cultural do CTG Laço da Querência, do Clube do Professor Gaúcho . Avaliadora Cultural, Diretora de Cursos e Concursos e vice coordenadora da 1ª Região Tradicionalista, sempre envolvida com atividades deste meio. Ela me avaliou em concursos e, mais tarde, avaliou meu filho.

     A Cris nos deixou cedo de uma forma triste: Chegava de uma viagem quando internou com Covid-19, lutou, mas não resistiu. Por esse motivo comunicamos o falecimento desta amiga querida, hoje, quinta-feira, 14 de janeiro de 2021. Nosso carinho e nossa solidariedade à família.

     O velório será amanhã, 15/01, das 7h as 11h da manhã no Crematório Metropolitano São José, em Porto Alegre.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Temporal provoca prejuízos em Pelotas e o CTG Thomaz Luiz Osório pede ajuda

 

Destruição no Galpão do  CTG Cel. Thomaz Luiz Osório de Pelotas

   O CTG Cel. Thomaz Luiz Osório, de Pelotas, 26ªRT, amanheceu com a triste constatação do temporal da noite passada. A destruição foi grande, conta Patrícia Motta. 

Patroa Ana boanova
     "Os estragos foram muito além das telhas e estamos desde cedo correndo para tentarmos contermos problemas mais graves. Sabemos do carinho de todos pela entidade e de como estamos fragilizados pela Pandemia, mas o Thomaz precisa da ajuda de todos" - contou a patroa Ana Boanova. 

     Quem puder ajudar com pagamento de mensalidades (associados) ou  qualquer doação (banner de divulgação) será bem-vindo.




sábado, 9 de janeiro de 2021

Dia do Fico, na atualidade

     Se pegarmos o calendário, a data de hoje se refere ao "Dia do Fico". Data que marca a decisão do príncipe regente do Brasil D. Pedro I em permancer no Brasil, contrariando a ordens da Coroa Portuguesa para que ele saísse do país. A história verdadeira por trás disso é mais complexa e vai de 1820 até 1822, culminando com a Independência do Brasil. O que se pensava, na realidade, era como manter o Portugal controlando o Brasil, pois a saída de Dom Pedro deixaria uma colônia gigante com possibilidades de se emancipar.

     A pandemia do coronavírus, responsável pela covid-19, está impondo uma série de restrições e uma realidade inédita para as novas gerações: ter de ficar em casa. Os mais jovens não querem saber, saem pra rua, se aglomeram, por que acham que a doença jamais chegará perto. E não é só a juventude, pois vemos muita gente esclarecida torcendo o nariz para a pandemia. Se não é por você, pense naqueles que não tem como se defender pois seu organismo não tem defesas.

Nos parece que no 'dia do Fico', ficar em casa é o melhor remédio para o problema.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

O centenário de Josué Guimarães

 

    Josué Marques Guimarães nasceu em São Jerônimo, no dia 7 de janeiro de 1921, e é considerado um dos maiores escritores brasileiros do século XX. No ano seguinte (22) sua família mudou-se para Rosário do Sul, onde seu pai, um pastor da Igreja Episcopal Brasileira, exercia as funções de telegrafista. Após a Revolução de 30 sua família foi para a capital, onde Guimarães prosseguiu os estudos primários, completando o curso secundário no Ginásio Cru­zeiro do Sul, mesma escola onde estudou o escritor Erico Verissimo. Ali funda o Grêmio Literário Humberto de Campos, participando ativamente na redação de artigos para o jornal da escola e, igualmente, na produção de textos teatrais que, a cada final de ano, passam a ser encenados na escola. Forma-se em 1938, no curso secundário (hoje ensino médio), prestando em seguida exames para a Faculdade de Medicina, a qual não o entusiasmou muito. 

     Em 1939 foi para o Rio de Janeiro onde, no Correio da Manhã, iniciou-se na profissão de jornalista, que exerceria até o final da sua vida. Com a entrada do Brasil na Segunda Guerra, voltou para o Rio Grande, onde concluiu o curso de oficial da reserva, sendo designado para servir como aspirante no 7° R.C.I. em Santana do Livramento. Casou-se em 1940.

     Em 1944, de volta à imprensa no Diário de Notícias, seguiu na carreira que o faria passar pelos principais jornais e revistas do país. É nesse jornal que o escritor manteve uma coluna assinada sob o pseudônimo de D. Xicote, a qual tinha por característica principal dar um tratamento irônico aos acontecimentos políticos da época. O próprio Josué se encarregava da elaboração das ilustrações, dos desenhos e das caricaturas da coluna. Trabalhou em inúmeras funções, de repórter a diretor de jornal, passando por secretário de redação, colunista, comentarista, cronista, edi­to­rialista, ilustrador, diagramador e repórter político. Em 1948, deixou o Diário de Notícias para exercer a função de repórter exclusivo e correspondente da revista O Cruzeiro no Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Uruguai e Argentina.

      Em 1956, trabalhou como redator da agência de propaganda MPM. Em meio a essa atividade, continuou, em momentos de recolhimento, com a produção de contos e crônicas. Em 1957, foi chamado por Assis Chateaubriand ao Rio de Janeiro para reestruturar o vespertino carioca Diário da Noite, órgão dos Diários Associados.

     Sua obra – escrita em pouco menos de 20 anos – destaca-se como um acervo importante e fundamental. Democrata e humanista ferrenho, Josué Guimarães foi sistematicamente perseguido pela ditadura e os poderosos de plantão, mantendo uma admirável coerência que acabou por alijá-lo do meio cultural oficial. Depois de Erico Verissimo é, sem dúvida, o escritor mais importante da história recente do Rio Grande e um dos mais influentes e importantes do país. A ferro e fogo I (Tempo de Solidão) e A ferro e fogo II (Tempo de Guerra) – deixou o terceiro e último volume (Tempo de Angústia) inconcluso – são romances clássicos da literatura brasileira e sua obra-prima, as únicas obras de ficção realmente importantes que abordam a saga da colonização alemã no Brasil. A tão sonhada trilogia, que Josué não conseguiu concluir, é um romance de enorme dimensão artística, pela construção de seus personagens, emoção da trama e a dureza dos tempos que como poucos ele soube retratar com emocionante realismo. Dentro da vertente do romance histórico, Josué voltaria ao tema em Camilo Mortágua, fazendo um verdadeiro corte na sociedade gaúcha pós-rural, inaugurando uma trilha que mais tarde seria seguida por outros bons autores.

Josué Guimarães morreu no dia 23 de março de 1986.

1921 - 2021 | Centenário do nascimento de Josué Guimarães

Obras publicadas:

Os Ladrões – contos (Ed. Forum), 1970
A Ferro e Fogo I (Tempo de Solidão) – romance (L&PM), 1972
A Ferro e Fogo II (Tempo de Guerra) – romance (L&PM), 1973
Depois do Último Trem – novela (L&PM), 1973
Lisboa Urgente – crônicas (Civilização Brasileira), 1975
Tambores Silenciosos – romance (Ed. Globo – Prêmio Erico Verissimo de romance), 1976 – (L&PM), 1991
É Tarde Para Saber – romance (L&PM), 1977
Dona Anja – romance (L&PM), 1978
Enquanto a Noite Não Chega – romance (L&PM), 1978
O Cavalo Cego – contos (Ed. Globo), 1979, (L&PM), 1995
O Gato no Escuro – contos (L&PM), 1982
Camilo Mortágua – romance (L&PM), 1980
Um Corpo Estranho Entre Nós Dois – teatro (L&PM),1983
Amor de Perdição – romance (L&PM), 1986

Infantis (todos pela L&PM):

A Casa das Quatro Luas – 1979
Era uma Vez um Reino Encantado – 1980
Xerloque da Silva em “O Rapto da Dorotéia” – 1982
Xerloque da Silva em “Os Ladrões da Meia-Noite” – 1983
Meu Primeiro Dragão – 1983
A Última Bruxa – 1987
Fonte L&PM Editora

quarta-feira, 6 de janeiro de 2021

CTG Sentinela da Querência promove lives com grupos vocais do estado

    A pandemia do coronavírus fez com que praticamente todos os eventos do calendário tradicionalistas fossem cancelados em 2020. Mas o espírito gaúcho motivou o CTG Sentinela da Querência a realizar o projeto “Regalo Querenciano – O Som do Festival”, que tem como objetivo manter viva a tradição gaúcha, prestando uma homenagem e valorizando os grupos vocais que com suas composições, arranjos e melodias encantam e fazem parte da história diversos festivais do estado. 

   O evento será realizado nos dias 09, 10 e 11 de janeiro com a participação de oito grupos vocais do estado, apresentando composições de autoria própria, além de músicas regionalistas que marcam o cenário musical gaúcho. A transmissão será ao vivo através do Youtube do Regalo Querenciano, do Facebook do CTG Sentinela da Querência, do Movimento Tradicionalista Gaúcho, da Estampa da Tradição e do Regalo Querenciano.

   O “Regalo Querenciano – O Som do Festival” foi recomendado pelo Conselho Estadual de Cultura do RS em razão de seu mérito cultural, relevância e oportunidade e conta com financiamento do Pró-Cultura RS – Secretaria da Cultura – Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Seus patrocinadores são as empresas: Cavaletti Cadeiras Profissionais e Erva-Mate Cristalina.


CRONOGRAMA DAS LIVES

SÁBADO (09/01)

Musical do Rancho – 18h30min

Musical Os Fronteiriços – 20h

Grupo Canto à Terra – 21h30min


DOMINGO (10/01)

Banda do Lalau – 18h30min

Leandro Berlesi e Buena Parceria – 20h

Camerata Musical – 21h30min


SEGUNDA-FEIRA (11/01)

Cantilena Vocal – 20h

Grupo Santa Fé – 21h30min


Há 20 anos, Manoelito Savaris era eleito, pela primeira vez, Presidente do MTG

      Hoje, remexendo meus alfarrábios, anotações e lembranças (mexer em casa antiga dá nisso) encontrei material do 46º Congresso Tradicionalista Gaúcho, realizado entre os dias 5 e 7 de janeiro de 2001, no Centro Municipal de Eventos de São Gabriel - Terra dos Marechais. Lembro que na viagem para Santa Vitória do Palmar, Gerciliano Alves de Oliveira, responsável pela loja e Conselheiro da Fundação Cultural Gaúcha, passou mal devido a um câncer que se desenvolvia rapidamente, e me pediu que convidasse mais um voluntário para ir comigo fazer a feira, colocando a loja no último reduto dos carreteiros, onde aconteceria o Congresso.

     Eu e o Betinho, gaita ponto de grupos de baile e meu primo, pegamos a estrada e chegamos em São Gabriel. Me vem às lembranças a chegada do Deputado Sérgio Zambiasi (que seria o próximo presidente da AL), junto com o Diretor da Fundação, Fernando Chaves, que apresentariam o Projeto intitulado "Planeta Gaúcho". Jayr Lima era o Presidente do MTG. O Presidente do Congresso era, nada mais nada menos, que Manoel Pedro da Silva Mello e seus vices, José Severo Marques e Zeno Dias Chaves. O saudoso Italmir Maldonado Chaves era o Coordenador da 18ªRT e Edson Otto, o presidente da CBTG.

     Lá estava o Coronel Celso Souza Soares apresentando a proposição: "Defesa ao homem do campo". A relatoria ficou por conta de Hermes Garcia dos Santos, que deu parecer favorável, cuja proposição foi aprovada por unanimidade, o que acabou gerando uma cavalgada, partindo da Assembleia Legislativa do RS até Brasília, liderada pelo proponente. Nessa brincadeira, se manifestaram favoráveis Wilmar Winck de Souza, o Provisório, Milton Mendes de Souza e Vicente Bogo (te mete com essa galera!). Foi em 2001 que a Pajada, conto e poesia foram aprovadas para se tornarem modalidades do ENART (claro, que depois da Convenção).

    Na tarde de sábado, 05, teve a eleição para o Conselho Diretor (sim, na época o regulamento falava em Conselho Diretor, não eleição para presidente) entre duas Chapas: "Amor pelo Rio Grande" liderada por Manoelito Carlos Savaris e apresentada por Aldo Assis Ribeiro; e a chapa intitulada "Liberdade, Igualdade e Humanidade", tendo à frente Carlos Medeiros de Mello, apresentada por Larri Luiz Prima. O pleito encerrou com 368 x 131, para a chapa "Amor pelo Rio Grande". Quando passava das 23h, o presidente do Congresso anunciou que Manoelito Carlos Savaris havia sido escolhido por seus pares para presidir o MTG naquele ano. No dia 6, assumia o cargo e seus encargos pela primeira vez. 

     Naquele Congresso foram tratados temas como:

Recuperação das história da tropeadas (Zeno Dias Chaves)
A Função Social do Movimento Tradicionalista Gaúcho (Jorge Moreira)
Acampamento Farroupilha oficializado como evento estadual (Celso Souza Soares)
Oficialização do Tchêncontro como evento complementar do MTG (Carol Figeuiredo) e a Mostra de Arte e Tradição (Patricia Fabro)
11 de Fevereiro - Dia do Campeiro em homenagem a Maneco Pereira (P R Fraga Cirne) entre outros...

Manoelito Carlos Savaris

     Assumiu a FCG/MTG tendo como vice, Manoel Pedro da Silva Mello e Diretor Administrativo: Rogério Bastos e Técnico: Paulo Ernani Klafke. Ali começavam as reformulações e a busca para que a fundação atingisse seus objetivos. Depois de enfrentar um terrível Planeta Gaúcho (2001), Savaris havia pago todas as contas e entregou a FCG (2004) com saldo positivo. A entidade deixava de ser uma loja itinerante para ser o braço dinâmico do MTG e, em 2005, já tinha sede própria.

    Nesse período foi peça chave pela modificação do Acampamento Farroupilha e dos Desfiles Temáticos, escolha dos Patronos, tornou o acendimento da Chama Crioula um evento importante, organizou e publicou o livro de partituras das músicas para as danças tradicionais, em 2001, do CD – duplo das músicas das danças tradicionais, hinos e costados e a criação do jornal Eco da Tradição, no mesmo ano. Transformou a data de aniversário do MTG em evento importante, com comemoração adequada, inclusive com entrega de medalhas e comendas. O aniversário começou a ser comemorado em 2001, por ocasião do 35º aniversário. Em 2002 idealizou o livro de Danças Tradicionais, reunindo instrutores e envolvidos a muitos anos com o tema para elaborar uma obra que levasse a assinatura do MTG.

     Também no ano de 2002 foi criada a Medalha do Mérito Tradicionalista L. C. Barbosa Lessa e a reorganizada a Comenda João de Barro. Surge neste ano, também, a Lista Destaque Tradicionalista. Naquele ano o Deputado Estadual Osmar Severo apresentou e aprovou a Lei Estadual dos Rodeios, Lei nº 11.719/ 2002, proposta pelo MTG.

     O ano de 2003 foi marcado pela criação do Departamento de Narradores, criação do Protocolo e Cerimonial do MTG, publicado em livro. Também foi elaborado um livro do MTG a respeito da indumentária gauchesca, o que se concretizou com a participação de quatro pesquisadoras. E finalmente, a unificação dos concursos estaduais de prendas e peões, na fase regional, com a mesma prova aplicada no mesmo dia em todas as 30 RTs. Neste mesmo ano, por contingências do momento surgem o SAT (Seminário de Aprimoramento Tradicionalista) e o CFor (Curso de Formação Tradicionalista). É criado o Cartão Tradicionalista e o banco de dados estadual.

     Poderia escrever muito mais, pois convivi cada ano (em sua volta em 2005/2006 ou 2014/2015) quando foi chamado para reassumir as rédeas da entidade. Algumas frases que selecionei de figuras de destaque sobre Manoelito Savaris:

Germano Rigotto
   "O sucesso e o crescimento das comemorações da Semana Farroupilha sempre tiveram na linha de frente a liderança do Savaris, sou testemunha disto". 
 (Germano Rigotto – Ex-Governador do estado).

   “Neste momento palavras perdem o sentido e percebemos que a história que ele realizou no Movimento Tradicionalista Gaúcho Brasileiro e Internacional é grandiosa e é mais uma vitória em sua vida e fomos nós que ganhamos com tudo isso”. (João Ermelino Mello - ex-Presidente da CBTG) 

Sergius Gonzaga
     O que sempre agradou no Manoelito Savaris - nos muitos anos que estivemos juntos no Acampamento Farroupilha - foi a sua integridade absoluta e também a força persuasiva de sua liderança. Sinto orgulho de ser seu amigo”. (Sergius Gonzaga – Professor universitário e ex-secretário de cultura de Porto Alegre)

   “Quando fui Secretario de Turismo do Estado, junto com ele criamos os desfiles e acampamentos temáticos da semana farroupilha e posso dizer que se não fosse a teimosia do Manoelito em manter acessa a chama da tradição gaúcha, muitos eventos como esses já não existiriam mais. Mesmo sem apoio dos governos ele persiste e insiste neste ideal. Manoelito é uma espécie de guardião da cultura tradicionalista é o nosso sinuelo” (Luis Augusto Lara - Deputado Estadual).

   Neste ano em que Manoelito Carlos Savaris comemora os 20 anos de sua primeira eleição para o MTG, também comemoramos:

20 anos do Jornal Eco da Tradição
50 anos do Concurso de Prendas
60 anos da Carta de Princípios do MTG
70 anos da Carta do Folclore Brasileiro

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

MTG transmite “Noite de Reis” de Santo Antônio da Patrulha

Fonte: Facebook oficial do MTG

      A Secretaria da Cultura, Turismo e Esportes de Santo Antônio da Patrulha, no litoral norte do Rio Grande do Sul, realizará nesta quarta-feira, 6 de janeiro, a "Noite de Reis". Na impossibilidade de ser presencial, em decorrência das restrições sociais imposta pela pandemia de covid-19, a apresentação do terno de reis dos Cantadores Açorianos será transmitida ao vivo a partir das 21h pelas páginas no Facebook da Prefeitura de Santo Antônio e do Movimento Tradicionalista do Rio Grande do Sul.

     O Terno de Reis é uma manifestação folclórica regional. A referência dos músicos é a história bíblica dos Três Reis Magos e sua chegada ao lugar onde se encontrava o menino Jesus. Tradicionalmente, os ternos de reis percorriam as casas de suas comunidades desde o dia 25 de dezembro até a véspera do dia 6 de janeiro, data em que é comemorado o Dia de Reis.

     Segundo o vice-presidente artístico do MTG, Valmir Böhmer, “é fundamental a preservação deste costume herdado dos portugueses, que representa a peregrinação dos três Reis no destino a Belém”. A Secretaria da Cultura, Turismo e Esportes de Santo Antônio da Patrulha é comandada pelo artista nativista Cristiano Quevedo.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Cultura recebendo atenção merecida? Parece que há luz no fim do túnel


      Ainda no mês de dezembro uma noticia agitou o meio cultural, em especial o meio tradicionalista, que foi o anúncio de nomes como Rogério Melo para a Secretaria de Cultura de São Gabriel e Cristiano Quevedo para Santo Antônio da Patrulha. 

      Segundo Giovani Grizotti, em seu facebook, Quevedo quer promover a integração entre os  três CTGs de Santo Antônio e seus piquetes filiados. A prefeitura pretende implantar, neste ano,  rótulas temáticas na cidade, uma delas com as bandeiras das entidades e do MTG. 


     Em Ijuí, o Capitão Noel Torquato Ribeiro, 55 anos, nascido em Santa Rita do Sapucai/MG, mas residente na cidade gaúcha há mais de 25 anos, sempre envolvido no tradicionalismo pois foi patrão do CTG Chaleira Preta onde, também, foi 
coordenador da invernada artística mirim em 2013 e 2014,  diretor cultural e diretor de divulgação da entidade por mais de quatro anos. Trabalhou por mais de 10 anos na área de arbitragem da Federação Gaúcha de Futebol, cargo de confiança do Presidente, como Delegado da entidade, subsede Ijuí. Torquato assumiu a Secretário Municipal de Cultura, Esporte e Turismo - SMCET. "Quero aproveitar minha experiência, minha vivência educacional e profissional,  para continuar,  trabalhando pela preservação da Cultura, Arte,  Tradição e esporte no nosso município. Sempre a serviço da Comunidade Ijuiense".


     Em Porto Alegre o Secretário escolhido foi o historiador Gunter Axt e, c
omo secretário-adjunto de Cultura, Clóvis André Silva da Silva, um militante das culturas populares, que tem um longo trabalho em gestão cultural. Além disso foi apresentada a ideia de um conselho forte ao redor da equipe cultural com nomes experientes para ajudar, como Antônio Hohlfeldt, Sergius Gonzaga, Fogaça, entre outros.