domingo, 8 de dezembro de 2019

O amigo Secreto - Por Lara Cilene, direto da França

O "Amigo Secreto"...

     Ontem foi um dia diferente.

     Aconteceu pelo 2° ano consecutivo o amigo secreto de cartões das prendas.
Essa história parece que começou há dois anos atrás, quando nos reencontramos depois de uns 20 anos afastadas.

     A ideia surgiu de uma brincadeira na internet e tomou proporções maiores quando começamos a convidar prendas que haviam convivido conosco no tradicionalismo.

     Nosso encontro ocorreu no CTG Tiarayu e foi muito gostoso. Éramos sorrisos, lágrimas e abraços e não parávamos de falar. Até pra jantar foi difícil pois a sensação era de querer aproveitar todo tempo.

    Reviver as lembranças do passado podem fazer muito bem a uma pessoa que tem tudo de bom pra lembrar. Talvez por isso tenhamos nos dado conta que não queríamos que aquele momento acabasse.

     Pois o que parecia início era na verdade a continuação de uma história que envolvia todas nós. Criamos um grupo no whats e a partir desse momento passamos a nos falar diariamente, compartilhando não só memórias do passado, mas bons momentos do dia-dia. Mesmo aquelas que não eram tão próximas, passaram a ser, pois foram se conhecendo e o respeito surgiu.
Nos ajudamos estendendo a "mão" através de uma mensagem, de um carinho ou apoio. Sorrimos e choramos juntas quando perdemos pessoas amadas por nós.

     Mudanças, partidas, problemas de saúde, recomeços, sofrimentos... Mostramos umas para as outras que as prendas do passado eram pessoas com sentimentos e haviam se tornado grandes mulheres.

     Mulheres corajosas, guerreiras, profissionais, mães que enfrentaram grandes desafios no dia-dia e mesmo com lágrimas nos olhos, foram capazes de se reerguerem.

     E estávamos ali, apoiando, conversando, dividindo nossas escolhas.
Muitas vezes saímos do virtual e conseguimos de alguma forma estarmos presentes nas vidas umas das outras. O carinho da Miche em cada comentário; a garra e emoção da Lili; a risada gostosa e parceira da Lari; a diva da Bibi maravilhosa; a coragem e fé da Cris; o amor pelo filho e luta da Jana; a prof linda que a Deia é; a sempre querida e parceira da Patrícia; a Fe... nossa viajante amada; a Angelica que só nos orgulha do tanto que ama sua família; a luta da Ângela que se ergue firme; a Dudu que agrega, aproxima, une as pessoas; a inteligência e capacidade da Sheila; a garra e vontade de mudar da Beta; a dança maravilhosa da Cynthia querida que brilha pra nos alegrar; a luz da vitória da Mel; a mãe incrível e parceira que é a Marcelle; Mari, nossa tradicionalista dedicada e carinhosa; a Paty amiga presente que une todas; a guerreira linda da Tati; a sabedoria e carinho da Susan; nossa Simone que é só amor, a Tati Marques que é puro coração; a Lauri que é doce e firme; Dedé que ama sua família e se dedica de coração e a Lara que considera todas um presente.


     Somos a prova que o tradicionalismo pode ultrapassar o tempo, pois proporciona o sentimento melhor que pode existir: o amor. Então, estarmos reunidas revelando nossa amiga secreta, foi só emoção. O pedido de Natal?
Que todas estejamos bem, que tenhamos amor nos olhos, que sejamos fortes pra enfrentarmos os desafios da vida, que tenhamos coragem pra recomeçar, todas as vezes que for preciso e que a gente possa lembrar que não estamos sós.

     Você só tem certeza de uma coisa na vida, onde você esteve e as jornadas que você percorreu. Nossos caminhos se unem e depois se separam ... e você só pode esperar que eles te levem de volta àqueles que você ama ... às pessoas, aos familiares que você têm e aqueles que você terá.

     Então, hoje só queremos celebrar o caminho que trouxe todas nós a esse momento de volta.

    Feliz Natal e um abençoado 2020.













sábado, 7 de dezembro de 2019

Nota de Falecimento - Frontelmo Alves Machado

           É com muito pesar que comunicamos o falecimento de Frontelmo Machado, o "Homem de preto", como era conhecido, por seu Piquete usar indumentária desta cor. Frontelmo, ao lado de Cyro Dutra Ferreira e Wilson Freitas aprovaram o anteprojeto de um dos eventos oficiais consolidados do MTG, a FECARS, com o nome “Festa Crioula do Rio Grande do Sul”, e, em seguida, modificado para “Festa Campeira do Rio Grande do Sul” e realizada a primeira edição em março de 1989. 

          Aos 82 anos, um exímio laçador, mas não deixava outras provas de lado. Com a proposta de Mário Roberto Machado, defendida por ele e com parecer favorável de Cyro Dutra Ferreira, aprovada na 32ª Convenção, em 1991 foi introduzido o truco na FECARS, e mais tarde, os esportes.

          Descansa em paz velho campeiro. Teu legado será seguido pelas novas gerações que, de alguma foram, preservarem as modalidades campeiras na FECARS e nos rodeios.

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Jurandir Oliveira é o novo Patrão do CTG Porteira Velha, de Novo Hamburgo

           Fundado em 09 de março de 1967, o CTG Porteira Velha, conheceu ontem, dia 5, seu mais novo patrão: Jurandir Oliveira. Entidade com sede em Novo Hamburgo/RS, filiada ao Movimento Tradicionalista Gaúcho, faz parte da 30ª Região Tradicionalista, dando seus primeiros passos no Salão Paroquial da Paróquia São José, tendo entre seus fundadores o Monsenhor Oscar Colling. Foi campeã do FEGART em 1989 e 1993.


           "É com muito orgulho que ontem fui eleito Patrão do CTG Porteira Velha. Entidade que comecei a participar desde os 6 anos. CTG que me trouxe muitas alegrias, como dançarino, instrutor que sou até hoje, e agora estarei a frente no comando como patrão. Sei que essa tarefa será difícil, mas com o apoio dos meus companheiros de patronagem, fazermos o Porteira cada vez melhor. Conto com o apoio dos amigos" - Comemorou o patrão.

         À exemplo de outros amigos, desejamos felicidades ao novo Patrão do Porteira Velha.

quinta-feira, 5 de dezembro de 2019

Projeto busca beneficiar crianças no CTG Estância do Chimarrão, em Cachoeira


Projeto beneficente!

           "CANTE E DANCE... FAÇA UMA CRIANÇA FELIZ"  ocorrerá dia 14/12, no CTG Estância do Chimarrão, em Cachoeira do Sul, com início as 20h. Será uma noite de apresentações artísticas (sendo invernadas, canto, chula, dança de salão, instrumento, etc). Gostaria muito de poder contar com sua entidade para abrilhantar o evento, o objetivo do evento é arrecadar brinquedos novos ou usados (em condições de uso) tanto dos participantes quanto dos espectadores do evento, estes mesmos serão entregues posteriormente por mim e alguns representantes de cada entidade participante do evento, para crianças, próximo ao Natal.

Forte quebra costela
Vinícius Saldanha

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Hoje comemoramos o dia do poeta repentista e do artista regional gaúcho

          Hoje é uma data para se comemorar e refletir. Dia 4 de dezembro é o dia do Poeta Repentista Gaúcho e do Artista Regional Gaúcho, em homenagem a Gildo de Freitas (Leovegildo José de Freitas - 19/06/1919 à 04/12/1982) e Teixeirinha (Vitor Mateus Teixeira - 03/03/1927 à 04/12/1985), respectivamente.

            A lei estadual 8.814, de 10 de janeiro de 1989, consagra os dois artistas como símbolos desta data magna do verso.

           Segundo Paulo Roberto de Fraga Cirne, em seu livro, Canto de Improviso, se falarmos em trova em qualquer outra região fora do Estado, ninguém terá dúvidas de que se trata da Quadra Popular ou da Trova Literária.

Trova — Composição lírica, cantiga ou quadra popular constituída de uma estrofe de quatro versos ou linhas, rimados o 2° e o 4°; ou o 1° com o 3° e o 2° com o 4°. Assim o trovador expressa todo o seu pensamento em uma única estrofe, demonstrando o poder de síntese poética.

Rapsódia — Fragmentos de cantos épicos entre os gregos; trecho de uma composição poética; composição musical formada de diversos cantos tradicionais ou populares de um país.

Quadra Popular — Fornia poética escrita, constituída de 4 versos (linhas), rimados normalmente o 2° com o 4° versos. Vem desde os séculos XI e XIV, quando os poetas portugueses já imitavam a poesia provençal. 

Trova Literária - É semelhante à quadra, porém as rimas são do 1° verso com o 3° e o 2° com o 4°. O trovador literário é uma pessoa de bom nível cultural, que sabe condicionar os versos, respeitando os critérios técnicos da trova.

Repentismo — É o verso repente, improvisado na hora e cantado. O cantador de improviso remonta épocas muito antigas. Segundo registros, a trova em desafios de improviso, já existia em Roma, por volta do ano 1250. Dos tempos bíblicos, como o Rei Davi e Salomão, que eram improvisadores; na Grécia Antiga, com Homero e, em Portugal, na Idade Média, os desafios de repentistas eram comuns e populares. Camões e Bocage foram grandes improvisadores.

            O trovador do Rio Grande do Sul, na parte do improviso, tem estilo próprio. A Trova Galponeira é a arte de improvisar versos em diferentes modalidades de versificação e com diferentes gêneros musicais de acompanhamento, identificadores da cultura gaúcha.

Métrica - Com estrofes em sextilhas (6 versos ou rinhas) e a métrica em redondilha maior (setissilábicas, isto é, com 7 sílabas poéticas).

Início — O improviso de antigamente era em quadrinhas, ou seja, estrofes de 4 versos (linhas), com rimas intercaladas (2° com o 4° versos). Normalmente ao som da viola de 10 ou 12 cordas e chamada de "porfia", que significa disputa, competição. As primeiras, caracterizavam-se por apresentar melodia livre, as chamadas QUERO-MANAS, do período fandangueiro.

Trova Campeira - É a trova tradicional de desafio (disputa), no Rio Grande do Sul, com estrofes em sextilhas (6 versos ou linhas), e rimas alternadas (2°, 4° e 6° versos). Esta modalidade popularizou-se a partir das comemorações do Centenário da Revolução Farroupilha em 1935. Seus primeiros grandes divulgadores, foram os trovadores e gaiteiros Inácio Cardoso e Pedro Raymundo (este natural de Imaruí-SC). Por esta mesma época, Inácio Cardoso introduziu a sextilha (estrofe de 6 versos), que até então cantavam em quadra (4 Unhas). Por ter acompanhamento de gaita com a nota musical Ml MAIOR, numa ocasião, Inácio Cardoso teria chamado de MI MAIOR DE GAVETÃO, sendo que também chamavam esta tradicional modalidade de TROVA CAMPEIRA. Atual¬mente, denomina-se oficialmente de TROVA CAMPEIRA e o gênero musical de GAVETÃO, por estar a melodia entre o xote e a toada.

Gavetão - A saudosa professora e folclorista Lílian Argentina Braga ' Marques, assim definiu o termo: "A palavra GAVETÃO, para muitos, está associada ao acorde arpejado inicial de Mi Maior com que começam a execução instrumental. Em termos de gênero musical, o MI MAIOR DE GAVETÃO caracteriza-se, como um xote em compasso quaternário. O andamento moderato é flexível, dependendo da solicitação dos improvisadores."

Trova OI-LÀ-RAI — Modalidade muito antiga, quase que totalmente em desuso, característica da região do litoral do nosso Estado. Também conhecida por OI-LE-LA-RAI, OI-LAI-LAI, com variantes na parte musical e também na formação dos versos. É cantada em dupla e até em duas duplas (a duas vozes) de cantadores em desafio. Os versos tanto podem ser improvisados, como decorados. Outrora era exercitada como CANTIGA DE TRABALHO, na derrubada de matos pelos lenhadores da região ribeirinha do Taquari, ainda nos pichuruns e também nos intervalos dos trabalhos agrícolas no meio rural dos municípios do litoral.

Trova Tira-Teima (ou tira-cisma) - Modalidade atualmente em desuso. A melodia difere um pouco do GAVETÃO e não há intervalo musical entre um cantador e outro. A parte poética é a mesma da Trova Campeira.

Trova em Milonga - O trovador improvisa em ritmo de milonga. Normalmente é utilizada em apresentações individuais e não de disputa. A melodia é de compassos indefinidos e estrofes sem ter um número padrão de versos, podendo ser em sextilha ou oitava e rimas alternadas (2°, 4°, 6° e 8° versos).

Trova de Martelo - A música é vaneira e marcha, com início em Mi Maior. A característica é a rima interestrófica, o concorrente completa a rima do outro, repete os dois últimos versos do antecessor e assim sucessivamente. Recentemente foi oficializado pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho, reconhecendo os trovadores Setembrino Rodrigues da Silva (falecido) e João Alves Castanho Filho, como criadores desta modalidade em 1954, numa ex-cursão de Passo Fundo-RS à Soledade-RS.

Trova Estilo Gildo de Freitas - Os trovadores improvisam em cima da música DEFINIÇÃO DO GRITO, de Gildo de Freitas. Estrofes de 9 versos, com rimas no 2°, 4°, 6° e 9° versos e 7° e 8° entre si.

Tema - Entre os anos de 1956 e 1965, através do programa Festança na Querência na Rádio Gaúcha, Paixão Cortes e Dimas Costa criaram o TEMA nas trovas de disputa, para evitar a repetição de velhos chavões, bem como para testar o conhecimento dos trovadores.

Fonte: Canto de Improviso
P.R. de Fraga Cirne

Promessas políticas... A parábola do Senador no inferno

          Um senador está andando tranquilamente quando é atropelado e morre.
          A alma dele chega ao Paraíso e dá de cara com São Pedro na entrada.
          -"Bem-vindo ao Paraíso!"; diz São Pedro
          -"Antes que você entre, há um probleminha.
          Raramente vemos parlamentares por aqui, sabe, então não sabemos bem o que fazer com você.
          -"Não vejo problema, é só me deixar entrar", diz o antigo senador.
          -"Eu bem que gostaria, mas tenho ordens superiores. Vamos fazer o
seguinte:
          Você passa um dia no Inferno e um dia no Paraíso. Aí, pode escolher onde quer passar a eternidade.
         -"Não precisa, já resolvi. Quero ficar no Paraíso diz o senador.
         -"Desculpe, mas temos as nossas regras. "
          Assim, São Pedro o acompanha até o elevador e ele desce, desce, desce até o Inferno. A porta se abre e ele se vê no meio de um lindo campo de golfe.

           Ao fundo o clube onde estão todos os seus amigos e outros políticos com os quais havia trabalhado. Todos muito felizes em traje social. Ele é cumprimentado, abraçado e eles começam a falar sobre os bons tempos em que ficaram ricos às custas do povo. Jogam uma partida descontraída e depois comem lagosta e caviar.

          Quem também está presente é o diabo, um cara muito amigável que passa o tempo todo dançando e contando piadas. Eles se divertem tanto que, antes que ele perceba, já é hora de ir embora. 

          Todos se despedem dele com abraços e acenam enquanto o elevador sobe. Ele sobe, sobe, sobe e porta se abre outra vez. São Pedro está esperando por ele. Agora é a vez de visitar o Paraíso.

           Ele passa 24 horas junto a um grupo de almas contentes que andam de nuvem em nuvem, tocando harpas e cantando.Tudo vai muito bem e, antes que ele perceba, o dia se acaba e São Pedro retorna.
           -" E aí ? Você passou um dia no Inferno e um dia no Paraíso. Agora escolha a sua casa eterna."

           Ele pensa um minuto e responde:
           -"Olha, eu nunca pensei .. O Paraíso é muito bom, mas eu acho que vou ficar melhor no Inferno."

           Então São Pedro o leva de volta ao elevador e ele desce, desce, desce até o Inferno. A porta abre e ele se vê no meio de um enorme terreno baldio cheio de lixo. Ele vê todos os amigos com as roupas rasgadas e sujas catando o entulho e colocando em sacos pretos. O diabo vai ao seu encontro e passa o braço pelo ombro do senador.

           -" Não estou entendendo", - gagueja o senador - "Ontem mesmo eu estive aqui e havia um campo de golfe, um clube, lagosta, caviar, e nós dançamos e nos divertimos o tempo todo. Agora só vejo esse fim de mundo cheio de lixo e meus amigos arrasados!"

           O diabo olha pra ele, sorri ironicamente e diz:
           Ontem estávamos em campanha. Agora, já conseguimos o seu voto...

Opinião do BLOG:Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência... Se tu queres te enganar, fique a vontade! Mas lembre do, "Eu avisei!"

Jovem de 18 anos, desaparecido desde sábado, mobiliza tradicionalistas

Noticias do Jornal NH

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

Obrigado amigos. Ultrapassamos a marca de 2.700.000 pageviews


FECARS será realizada, pela primeira vez, em Pelotas

Relação de locais da FECARS
          Criada em 1989, a Festa Campeira do Rio Grande do Sul (FECARS) chega  a sua 32ª edição e desta feita será na cidade de Pelotas, na 26ª RT e terá como sede as dependências da Associação Rural do município, de 16 a 19 de março. 

         As 30 Regiões do Rio Grande do Sul estarão representadas, nas diversas modalidades e categorias do maior evento do campeirismo gaúcho. A FECARS tem como objetivo preservar os costumes, as tradições e o folclore do povo gaúcho, bem como divulgar os hábitos próprios do campeiro rio-grandense e promover o intercâmbio por meio das lidas campeiras, integrando os participantes das diversas Regiões Tradicionalistas do Rio Grande do Sul, de forma que não se apague o rastro dos hábitos e costumes típicos gaúchos rio-grandense. 

       A 29ª Edição, em 2017, foi na cidade de Rolante. A 30ª, em 2018, em Esmeralda. A 31ª Edição, foi em Xangri-la, em 2019. A 32ª será em Pelotas que sedia pela primeira vez. Apesar da região de fronteira, a campanha, ter gerado o gaúcho deste estado, nunca havia sido feita uma Fecars na metade sul do Rio Grande.