sexta-feira, 18 de junho de 2021

Grandes personagens - Olmira Leal, a 'Cabo Toco' completaria 119 anos

      O dia de hoje marca o nascimento de Olmira Leal de Oliveira, mais conhecida por CABO TOCO, em Caçapava do Sul, no longínquo ano de 1092. Filha de Francisco José de Oliveira e Auta Coelho  Leal de Oliveira. Casada com Antônio Martins da Silva. Não teve filhos. Morreu em Cachoeira, em 21/10/1989, aos 87 anos. Na década de 1920, integrou as fileiras da Brigada Militar, como combatente e enfermeira do 1º Regimento de Cavalaria, hoje 1º Regimento de Polícia Montada, sediado em Santa Maria. Participou dos movimentos revolucionários de 1923, 1924 e 1926. Incorporou em 1923 e só deixou a Brigada em 1932.

    Cabo Toco era uma apaixonada por queimar cartuchos, não se limitando apenas às atividades de apoio. Empunhando seu fuzil, lutava lado a lado com a mesma valentia dos demais soldados. 

     Depois de passar por várias batalhas com destaque de bravura, deixou a corporação em 1932. Ficou viúva em 1954, e passou a viver de pequena pensão deixada pelo marido. Mulher forte, guerreira, símbolo vivo da história do Rio Grande do Sul, sem descendentes, vivia em uma casa paupérrima na periferia de Cachoeira do Sul. Andava pelas ruas com sua velha carroça, cansada e sem rumo, carregando consigo a história que o povo não conhecia.

     Mesmo sendo considerada uma heroína, Cabo Toco só ficou conhecida depois que, em 1987, Nilo Bairros de Brum e Heleno Gimenez venceram a 5ª Vigília do Canto Gaúcho de Cachoeira do Sul com uma canção contando a sua história, na voz de Fátima Gimenez. Para a composição da letra, os autores tiveram que conquistar a sua confiança, para saber um pouco da sua trajetória de vida junto aos movimentos revolucionários, pois ela não gostava de falar do passado, e também tinha muita desconfiança com estranhos. Cabo Toco esteve presente na entrega da premiação da música, e viveu momentos de pura emoção ao ver sua vida contada em uma linda canção, apresentada para um grande público, que na sua maioria nem sequer sabia da sua existência.

     Cabo Toco, quando faleceu, recebia pensão vitalícia especial, correspondente ao cargo de 2º Sargento da Brigada Militar concedida havia poucos anos, por parte do Governo do Estado. Olmira Leal de Oliveira faleceu em 21 de outubro de 1989, em Cachoeira do Sul, e está sepultada no Cemitério Municipal de Caçapava do Sul. No dia de hoje, completa 119 de seu nascimento.

Fonte: Gazeta de Caçapava
Fátima Jovane Nunes (Caçapava Memória)

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Mais um amigo levado pela Covid-19 | José Roberto Fischborn


     É com grande pesar que comunicamos a passagem do amigo JOSÉ ROBERTO FISCHBORN, 47 anos, natural de Taquara e que desempenhou diversas atividades no meio tradicionalista, sendo inclusive Coordenador da 22ªRT, Conselheiro, Vice-presidente de Eventos e Artístico do MTG. Em especial, um amigo.

    O Zé, como a gente o conhecia, iniciou sua participação no tradicionalismo em 1988, acompanhou e participou de edições do FEGART e ENART como concorrente (interprete, conjunto vocal, dançarino e músico de grupo de dança). Foi Diretor Departamento Jovem da 22ªRT (1992-1994); Diretor Artístico da 22ª RT(2005); Vice-coordenador da 22ª RT(2006); Coordenador da 22ª RT por 6 gestões (2007 à 2012); Conselheiro do MTG, em 2013; Vice-Presidente de Eventos do MTG, em 2014 e Vice-Presidente Artístico do MTG, de 2015 a 2017.

   Foi da mente genial desse jovem que foi criado, aprimorado e implantado vários processos na área artística do tradicionalismo no estado, foi revisão e aprimorado o Livro de Danças Tradicionais do MTG, junto com a equipe artística, a operacionalização e desenvolvimento do regulamento do FEGADAN em suas 4 primeiras edições e do Fegachula. Foi com ele a implementação da avaliação com sistema eletrônico e telão de divulgação e a criação do Cartão de Músico e da desobrigação da inscrição dos músicos, desburocratizando esse processo. Antes de começar a pandemia o Zé fazia parte do musical do CTG Aldeia dos Anjos, de Gravataí.

    Mas acima de tudo, foi um amigo de muitos anos. Pedimos ao Pai Maior que lhe dê a Luz em seu caminho para retornar ao Lar e conforte o coração da Edna, da Bruna e do Júnior.  

    Diversas manifestações nas redes sociais por parte dos amigos lamentando a partida precoce e enviando mensagens de força para a Edna e para as crianças.

Descansa em Paz meu amigo...

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Acidente tira a vida da prendinha Heloisa Roncatto

     Nesta terça-feira, 15, Heloísa Roncatto Dornelles, de 12 anos, do CTG Rincão da Roça Reúna de Veranópolis, perdeu a vida após sofrer um acidente de trânsito quando estava viajando à Pelotas com a mãe, Lidiane Roncatto.

    A pequena Heloísa foi socorrida e encaminhada para um hospital da região e passou por cirurgia na tarde desta terça, porém devido a gravidade dos ferimentos não resistiu.

    Com pesar, mas compreendendo os designíos do plano celeste, nos solidarizamos com os pais, Lidiane e André (que é músico do CTG) e com os amigos e familiares. 

    Que a pequena Heloisa descanse em paz e siga o seu caminho de Luz de volta ao Lar.


terça-feira, 15 de junho de 2021

Saberes & Fazeres 14, recebe a poetisa Jurema Chaves

 

   O programa Saberes & Fazeres, o folclore em foco, vai entrevistar, nesta quarta, 16, a poetisa Jurema Chaves. Ela está lançando seu 15º livro, este, comemorativo aos 60 anos de poesia.

   Jurema é natural de Encantado, poetisa e declamadora premiada em inúmeros festivais dentro e fora do estado. É ativista cultural, membro de comissões avaliadoras em vários festivais como o Fegart, Enart, Rodeio da Vacaria e Rodeio Nacional de Campeões (Fenart). Participou em inúmeras antologias poéticas e músicas gravadas em CDs, por diversos artistas. Em 2008, recebeu o Troféu RS Mulher Farroupilha, oferecido pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul. 

   Jurema estará conosco no programa Saberes & Fazeres, nesta quarta, e ainda receberá convidados surpresa. Apresentação: Rogério Bastos

Serviço:
Quando: Quarta, 16
Hora: 20h
Onde: Fanpage da CGF no facebook (facebook.com/comissaogauchadefolclore)

CAPITALISMO e SOCIALISMO - Uma visão espírita

 por Divaldo Franco

   Qual a forma de Governo mais de acordo com a sociedade de bases cristãs de que fala “O Livro dos Espíritos” – o CAPITALISMO ou o SOCIALISMO?

   O Governo é, sobretudo, o homem que o orienta, seja este ou aquele o método utilizado. Se é injusto e indigno, ele torna o processo governamental degradante.

   Temos na sociedade contemporânea essas duas vertentes que se tornaram clássicas nos últimos setenta anos no mundo: capitalismo de um lado com as suas conquistas e desgraças e o socialismo do outro, com as suas promessas e decepções.

   Há pouco tempo (1989) foi derrubado o muro de Berlim, demonstrando a falência do socialismo marxista, trotskista, que tanto se afigurou, no começo da revolução soviética, como sendo a esperança do proletariado. Um sistema de governo que proíbe o cidadão de usar a liberdade de escolha para onde ir é pior que qualquer ditadura que o sevicia (maltrata, tortura), obrigando-o a submeter-se às injunções arbitrárias dos títeres que o tornam desventurado. Gorbachev, levantou a biografia dos seus governantes anteriores. Stalin, que mandou aproximadamente dois milhões de pessoas para o exílio na Sibéria, era fruto espúrio do comunismo. O Khmer Vermelho do Camboja, para ficar no poder, matou um milhão de opositores, numa população de seis milhões. 

   A revolução chinesa de Mao ceifou inúmeras vidas. Do outro lado, o capitalismo é responsável pela miséria do Terceiro Mundo, que se apresenta em condição deplorável de subumanidade, em que as mínimas reservas de energias foram negadas aos sobreviventes, num estado que se alonga ante a indiferença dos poderosos da Terra...

   O grande problema ainda é o homem. Um pensador pessimista, com o qual não concordo, afirmou entusiasmado que “onde está o homem aí estão as suas misérias; tudo aquilo que o homem toca, corrompe...” Na área das religiões, por exemplo, se examinarmos o pensamento budista, constatamos-lhe uma beleza transparente. Hoje o Budismo, dividido em várias correntes, apresenta antagonismo de grupos que se entredevoram. 

   A doutrina muçulmana, centralizada na pessoa de Maomé, tem as suas diretrizes específicas, mas os homens que os abraçaram e as dividiram fizeram do pensamento do Profeta tais ramificações, que o Líbano é um exemplo deplorável de como o indivíduo interpreta-as de acordo com as suas paixões. Vimos o exemplo do Irã, a antiga Pérsia, devastado pela personalidade cruel de Khomeiny, que teve a infeliz ideia de construir uma máquina para amputar as mãos dos ladrões, porque o braço dos carrascos ficava cansado, demonstrando que a doutrina religiosa com que pretendia salvar o mundo não dignificava nem os seus próprios meios. 

   O Cristianismo é outro exemplo basilar. Lendo Jesus, em os Evangelhos, comove-me até às lágrimas, mas a história das Cruzadas é a narrativa da vergonha da humanidade cristã contra os mouros. Em seguida aparece Lutero, que restaura a letra bíblica asfixiada na Teologia, e não é necessário examinarmos as mais de trezentas correntes que se derivaram do luteranismo, digladiando-se, para cada uma delas ser a detentora da verdade. 

   Veio o Consolador, e Allan Kardec, o inspirado, legou-nos uma doutrina enobrecedora, conforme se encontra nos seus livros, de fácil entendimento, e surgem novos intérpretes do pensamento kardequiano, alguns dos quais ousados e outros vaidosos, pretendendo que Kardec está superado, quando eles próprios, sequer, assimilaram o pensamento do mestre.

   Na área da política o fenômeno é idêntico. Trabalha-se o homem, e teremos uma sociedade justa. Seja nobre o governante, qualquer linha ideológica de comportamento, e ele poderá construir uma sociedade feliz. Se olharmos os exemplos da Suíça, da Suécia, dos Estados Unidos, nos quais a prosperidade está à vista, encontramos bolsões de miséria moral que é muito mais destrutiva que a socioeconômica. A Suécia é um dos campeões do mundo em suicídio. Os Estados Unidos possuem um dos mais altos índices de alcoolismo e de prostituição de menores, demonstrando que não é a forma de Governo a responsável, mas a conduta dos seus governantes e governados.

   Não obstante, o Governo ideal, a sua forma política melhor, seria aquela na qual, uma democracia socialista, de raízes cristãs, concedesse aos indivíduos os direitos mínimos que eles necessitam desfrutar: trabalho, saúde, repouso, desportos, alimentação, educação e oportunidade de crescer com igualdade entre todos. Essa seria, na minha forma de entender, a filosofia política ideal para governar um povo.

Divaldo Franco
Do livro: Elucidações Espíritas

OBSERVAÇÃO: Você tem direito de discordar, mas o dever de respeitar. Se comentar, faça-o com respeito. O texto não é tendencioso, ele mostra apenas que o mal está no ser humano. Capitalismo ou socialismo seriam ótimos se fossem conduzidos por pessoas do bem, que amassem o próximo mais do que amam o dinheiro público, o poder. Obrigada pela atenção.

segunda-feira, 14 de junho de 2021

105 anos da morte de João Simões Lopes Neto

      João Simões Lopes Neto nasceu em Pelotas, no dia 9 de março de 1865 e veio a falecer na mesma cidade, no dia 14 de junho de 1916. Escritor e empresário, foi o maior autor regionalista do Rio Grande do Sul, pois procurou em sua produção literária valorizar a história do gaúcho e suas tradições. Simões Lopes Neto só alcançou a glória literária postumamente, em especial após o lançamento da edição crítica de Contos Gauchescos e Lendas do Sul, em 1949, organizada para a Editora Globo, por Augusto Meyer e com o decisivo apoio do editor Henrique Bertaso e de Érico Veríssimo.

     Com treze anos de idade, Simões Lopes Neto foi ao Rio de Janeiro para estudar no famoso Colégio Abílio. Retornando ao Rio Grande do Sul, fixou-se em sua terra natal, Pelotas, uma cidade então rica e próspera pelas mais de cinquenta charqueadas que formavam a base de sua economia.

    Apesar de gostar da vida campeira, foi o prazer das palavras que mais atraiu Simões Lopes Neto. Começa a escrever a partir de 1888. Primeiro, no jornal “A Pátria”, atuando depois no “Diário Popular” (no qual escreveu Balas de Estalo, comentários satíricos sobre a sociedade pelotense em forma de versos) e, posteriormente, no Correio Mercantil.

    Foi, porém, um homem múltiplo também em seus projetos: envolveu-se em uma série de iniciativas de negócios que incluíram uma fábrica de vidros e uma destilaria, além de uma fábrica de fumos e cigarros. A marca dos produtos recebeu o nome de "Diabo", o que gerou protestos de religiosos e que cunhou o termo "marca-diabo" no linguajar gaúcho. Sua audácia empresarial levou-o também a montar uma firma para torrar e moer café e desenvolver uma fórmula à base de tabaco para combater sarna e carrapatos. Fundou ainda uma mineradora, para explorar prata em Santa Catarina.

   No dia 5 de maio de 1892, em Pelotas, Simões Lopes Neto casou-se com Francisca de Paula Meireles Leite, filha de Francisco Meireles Leite e Francisca Josefa Dias. Ele tinha vinte e sete anos de idade e ela, dezenove anos. Não tiveram filhos.

    Em 1893, quando eclodiu a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul, Simões Lopes Neto alistou-se no 3º Batalhão da Guarda Nacional.

Entre 15 de outubro e 14 de dezembro de 1893, publica em forma de folhetim, "A Mandinga", poema em prosa, no periódico Correio Mercantil. O texto é apresentado sob o nome de "Serafim Bemol" e em parceria com Sátiro Clemente e D. Salustiano. Entretanto, a existência destes coautores é questionada por historiadores, que consideram os autores uma criação do próprio escritor.

     O autor lança mão deste pseudônimo em suas próximas obras em que se lança como dramaturgo: O Boato (1893/1894), Os Bacharéis (1894), Mixórdia (1894/1895), O Bicho (1896), A Viúva Pitorra (versões de 1896 e 1898) e A Fifina (1899).

     Já empobrecido e alquebrado pelos fracassos empresariais, o escritor entra na década de 1910 em plena atividade intelectual, escrevendo conferências, dando aulas e viabilizando a publicação de seu primeiro projeto na recolha de folclore, o Cancioneiro Guasca.

     Para sobreviver, foi trabalhar como redator remunerado em jornais como Correio Mercantil e A Opinião Pública. É quando publica suas obras maiores, em 1912 e 1913.

    Neste período, entretanto, sente as primeiras dores provocadas pela úlcera duodenal que viria ser a causa de sua morte, em junho de 1916, aos 51 anos.

Fonte: Wikipedia

sexta-feira, 11 de junho de 2021

Data Comemorativa - Passagem dos 85 anos de nascimento de Paulo Aripe

      A voz de Paulo Aripe sempre soou forte. Declamando versos campeiros, oficiando uma missa, conversando com quem queria saber alguma coisa. Aripe nasceu no dia 11 de junho de 1936, em Uruguaiana. "No Beco das Sete Facadas, em frente à Sanga do Morto, ao lado do Bueiro do Laçaço e junto ao Bolicho do Vesgo. Hoje é Flores da Cunha o nome da rua" – contava ele. Foi ordenado padre, por Dom Luís Felipe de Nadal, quando saiu do seminário de Viamão.

     “Haripe”, em árabe, é cavalo de corrida. O apelido de Potrilho estava predestinado, surgiu quando ainda era seminarista, "filhote de padre". Pilchado para a missa, o Potrilho sempre foi um taura gaudério, e o sotaque acentuado de quem vive na região da Fronteira completava a figura que parecia saída dos poemas e trovas que ele compunha, desde os tempos do seminário.

     Entre 1962 e 1963, o Concílio Vaticano II, convocado pelo Papa João XXIII, deu um novo sentido à liturgia da missa. A celebração deixou de ser em latim, passou a ser rezada na língua de cada país, ou região, e aumentou a participação dos fiéis. E permitiu a utilização de músicas e elementos culturais de cada povo ou etnia. Foi por essa época que nasceu a Missa Crioula. O jovem Aripe, que gostava de frequentar CTGs e tinha dezenas de pastas com "quadras campeiras", não esperou muito. Tirou todos os sons que queria da gaita-de-boca, seu instrumento. Pesquisou ritmos gauchescos para cada parte da missa, descrita em versos. 

     No dia 28 de fevereiro de 1963, em Alegrete, celebrou a primeira Missa Crioula. Inaugurou o ritual hoje reverenciado por milhares de gaúchos. Oficialmente, a Missa Crioula recebeu aprovação eclesiástica no dia 7 de abril de 1967, em documento assinado por Dom Vicente Scherer, então arcebispo de Porto Alegre.


Cálice de guampa na missa

    Sobre as pilchas gaúchas, Paulo Aripe vestia a casula, único paramento litúrgico. Uma cruz, entrelaçada por dois lenços, um branco e um vermelho, unindo inimigos políticos, no momento de oração. Sobre o altar deixava em destaque o cálice, feito de ouro e de guampa, obra da Metalúrgica Abramo Eberle, presente escolhido como lembrança da ordenação sacerdotal. 

     No início, o cálice provocou polêmica, mas acabou aceito. Era colocado solenemente sobre o pala rio-grandense que cobria a mesa, junto a uma cuia revestida por um bordado de prata, presente de Dom Felipe de Nadal. Um candeeiro substituiu os castiçais com velas, relíquia do século retrasado. Cambonas, também de guampa, eram para a água e o vinho. No entorno, apetrechos de lida campeira, como arreios, laços e bandeiras.

     Agradecimento especial pela colaboração nesta matéria, feita em 2017, quando completou 50 anos da celebração da 1ª Missa Crioula, ao Padre Valdir Antonio Formentini.

Saberes & Fazeres - O folclore em foco da próxima semana

 




quinta-feira, 10 de junho de 2021

Finalmente foi marcada a eleição para o Conselho Diretor do MTG


      A novela parece ter chegado ao seu capítulo final. Sim, parece! Por que as eleições que começaram mal em 2020, se arrastaram até meados de 2021. Em um ano marcado pela pandemia, onde os eventos estaduais não aconteceram e a voz dos coordenadores regionais não foi ouvida, mesmo representando a vontade de prendas, peões e entidades, parece que, finalmente, as três chapas poderão concorrer. Cada uma com sua proposta.

   Eu apoio a chapa 2, por convicção, lealdade e por ter a certeza que Manoleito Carlos Savaris, que lidera o grupo "Pelos laços da Tradição" é, neste momento, o candidato que tem maiores condições e a melhor proposta de trabalho para conduzir a federação de volta ao caminho que se perdeu nos últimos anos.

   Confesso que segurei a mão muitas vezes para não ofender, não escrever bobagens e não acirrar mais as brigas entre pessoas que, de alguma forma, tem os mesmos objetivos, só que olham o rio passar de lado diferente. 

quarta-feira, 9 de junho de 2021

Justiça manda liberar as eleições no MTG

    O Juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, Sr. Marco Aurelio Martins Xavier, despachou: “Isso posto, REVOGO A SUSPENSÃO DO PLEITO ELEITORAL DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA GAÚCHO...” referindo-se ao bloqueio (ou suspensão) das eleições que estavam previstas para serem realizadas no dia 27 de fevereiro deste ano e que, lamentavelmente não ocorreram.

   O episódio tem gerado muitos comentários nas redes sociais (tribunal vivo para manifestações de todo tipo), mas que agora, cabe a atual gestão provisória dar andamento aos trâmites eleitorais. 

terça-feira, 8 de junho de 2021

Tatiéli Convida entrevista a sanfoneira Adriana Sanchez

   Mulheres fortes, das mais diferentes profissões sempre fazem parte da pauta do Tatiéli Convida, e nesta quinta-feira, 10, a cantora Tatiéli Bueno recebe uma dessas mulheres que são pura inspiração. Quem vem para o bate-papo é Adriana Sanchez, sanfoneira, pianista e cantora, ela é destaque no Brasil e no exterior. Não perde essa conversa e os momentos musicais que passaremos com a Adriana.

   Nesta quinta, 10.06, às 20 horas pelo instagram @tatielibuenooficial. Te esperamos!!! Todos conectados pela arte!

Saiba mais sobre nossa convidada:

     Sanfoneira, Pianista e Cantora se destaca no cenário da música pela inovação dos seus projetos. Com uma grande diversidade musical na bagagem, além de sua prestigiada carreira solo, foi uma das Orquídeas do Brasil, banda que acompanhava Itamar Assumpção. 

     Em 1999 criou a BARRA DA SAIA, banda feminina de renome nacional e internacional no segmento caipira e sertanejo. Seu álbum Roça’n Roll foi indicado ao Grammy Latino em 2007. Representou o Brasil no Festival Internacional de Chamamé de Corrientes na Argentina por vários anos, com shows também no Paraguai. Atingiu a marca de público de 3 milhões de pessoas em um único show. Desde 2011 é a única brasileira patrocinada pela empresa alemã Hohner Music tendo sua imagem divulgada pelo mundo ao lado de Stevie Wonder, Bob Dylan e John Lennon. 

    Fez parte do Reality Musical da TV Aparecida como jurada em 2018 e 2019 e é uma das personagens do Programa Infantil da TV Cultura, CasaKadabra. É Patrocinada por: Lanikai Ukulele (USA), Rozini, Boss, Roland, Hohner Music (Alemanha), Weltmeister Akkordeon (Alemanha), MeeAudio (USA ) e Tecniforte

 Serviço:

O quê: Tatiéli Convida recebe Adriana Sanchez

Quando: 10.06.2021 - Quinta-feira 

Hora: 20h

Onde: instagram: @tatielibuenooficial

Informações: 54 99707-1313

     Essa é uma iniciativa independente. Para contribuir espontaneamente com a artista e assim amenizar os impactos financeiros decorrentes do isolamento social é só acessar o link  https://apptuts.bio/tatieli-bueno


Evento online comemora bicentenário de Anita Garibaldi em Santa Catarina

 


    A 1ª Prenda Veterana da 1ª RT do MTG-SC, Katia Cristine Castilhos Ramos, está promovendo um evento on-line em comemoração ao Bicentenário de Anita Garibaldi, com apoio da Coordenadora e do Prendado da 1ª RT do MTG-SC.

   "É com grande alegria que venho convidar à todos para participar do evento on-line “ANITA GARIBALDI – BICENTENÁRIO DE UMA HEROÍNA”, o qual tem por objetivo participar das homenagens em memória dessa ilustre Catarinense" - convida. 

Será realizado no:

📆   DATA: 26/06/2021

🕠   Horário17h  (Brasília)

✅   Plataforma Google Meet

✅   COM CERTIFICADO (Instruções durante o evento)

🚨   FAÇA SUA INSCRIÇÃO ATRAVÉS DO LINK 👇

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfB8-Y5kg6Y7jc5-Om-8lWKcxctTMeL_xGRHkiBpfnnHWGTqw/viewform?usp=sf_link

Informações com Katia (49) 999275814    |   Contamos com sua participação

Nacos de história - Lupicínio Rodrigues


     Porto Alegre, final dos anos 60. Lupicínio Rodrigues em um dos lugares que mais frequentava: O Bar Garibaldi, em frente a praça de mesmo nome. Lupicínio nasceu em 1914 em uma região da Cidade Baixa na época conhecida como Ilhota

(por Wagner Magno - Fotos antigas)

    Lupi, como era chamado desde pequeno, compôs marchinhas de carnaval e sambas-canção, músicas que expressam muito sentimento, principalmente a melancolia por um amor perdido. 

   Foi o inventor do termo dor-de-cotovelo, que se refere à prática de quem crava os cotovelos em um balcão ou mesa de bar, pede um uísque duplo, e chora pela perda da pessoa amada. 

   Lupicínio Rodrigues nasceu em Porto Alegre, no dia 16 de setembro de 1914 e veio a falecer, também na capital, em 27 de agosto de 1974. Seu retrato está na memória da Galeria dos Gremistas Imortais, no salão nobre do clube, o qual ele compôs o hino. 

Fonte: Wikipédia

sexta-feira, 4 de junho de 2021

O Rio Grande se despediu de Berenice Azambuja

 

     Todas as mídias do Rio Grande do Sul estão fazendo este registro e eu não poderia me furtar de lamentar a passagem da grande acordeonista do estado, cantora e compositora, Berenice Azambuja. Sim, ela estava com 69 anos, recentemente completados, em março, e me fez relembrar o longínquo ano de 1977, quando na escola tocou a musica e uma colega me disse: "Ela e minha prima!" - Ali nasceu uma grande amizade que durou décadas. E um dia proseando com a Berenice falei desta coleguinha da 2ª série. Berenice Azambuja nasceu em 21 de março de 1952, no Bairro Parthenon, na capital. Além de tocar em conjuntos de música regionalista Berenice durante um tempo participou de um grupo de jovem guarda chamado As Brasas, As Carecas, junto com a cantora Yoli Planagumá (wiki). Depois de livrar-se da Covid-19 Berenice não resistiu a um cancer e veio a falecer no dia 3 de junho, em Passo Fundo.

       Descanse em paz Berê... Siga o iluminado caminho da Luz celestial.

Drive solidário do CTG Estância da Serra, de Osório.

 


quarta-feira, 2 de junho de 2021

Projeto Experiências do Brasil Rural (MinTur) seleciona a Ferradura dos Vinhedos

 

   Os ministérios do Turismo (MTur), da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Universidade Federal Fluminense (UFF) divulgaram nesta sexta-feira (07.05) a lista dos oito roteiros pré-selecionados para participarem do projeto “Experiências do Brasil Rural”. A iniciativa tem o objetivo de apoiar e promover o turismo em áreas rurais do país. Ao todo, participaram da primeira fase do processo seletivo 52 propostas que contemplavam as quatro cadeias produtivas priorizadas para o projeto: queijo, vinho, cerveja e frutos da Amazônia.

Veja aqui a lista dos pré-selecionados.

   O prazo para o envio de recursos será de 7 a 23 de maio e a publicação do resultado final está prevista para o próximo dia 24 de maio. Após o resultado, será realizada uma sensibilização dos empreendimentos, produtores e governanças locais para o conceito do projeto, assim como a realização de diagnóstico e plano de ação para cada roteiro selecionado. O projeto prevê ainda a qualificação de roteiros e empreendimentos e a realização de ações de promoção e apoio à comercialização.

   Foram selecionados oito roteiros turísticos localizados prioritariamente entre os 158 municípios componentes das 30 rotas prioritárias do Investe Turismo, sendo contempladas quatro macrorregiões brasileiras. Na região Norte, a rota “Amazônia Atlântica”, situada nas cidades de Bragança, Curuçá e Augusto Corrêa, no Pará, aposta na disponibilização de experiências na pesca e na degustação de queijos artesanais, farinhas de mandioca e frutas orgânicas. Já na região Nordeste, o roteiro “Terra Mãe do Brasil”, oferta aos turistas de Porto Seguro (BA) a experiência em meio à natureza e o desfrute de novos sabores.   

Rui e Andrea Rodrigues, batalhadores
   Na região Sudeste, o destaque foi para a cadeia produtiva do queijo, que está representada nas rotas “Agroturismo” (ES), “Rota do Queijo – Terroir Vertentes” (MG) e “Rota Gourmet das Terras Altas da Mantiqueira’ (MG). Já na região Sul, a cadeia produtiva do vinho está evidenciada nos roteiros “Ferradura dos Vinhedos” (RS), “Caminhos do Campo” (SC) e “Farroupilha Colonial” (RS).

   A expectativa é de que, ao final do projeto, essas oito rotas possam ampliar a inserção de produtos e serviços da agricultura familiar no mercado de turismo, apoiando e formatando produtos de experiência no meio rural e diversificando a oferta turística brasileira.

TURISMO RURAL

   O projeto "Experiências do Brasil Rural"  busca fomentar e apoiar o desenvolvimento do turismo em áreas rurais no contexto pós-pandemia. O segmento representa uma alternativa de renda para o campo, ajuda a estabilizar a economia local e cria negócios e empregos diretos e indiretos. Para saber mais sobre o projeto "Experiências do Brasil Rural" acesse: https://bit.ly/33syD8W

Por Victor Maciel
Assessoria de Comunicação
do Ministério do Turismo

terça-feira, 1 de junho de 2021

Sabedoria antiga - O avental da nossa avó

 

 "Lembras-te do avental da tua avó? O primeiro propósito do avental da avó era proteger as roupas abaixo. Mas, além disso:

   Servia de luva para retirar a frigideira ardente do forno.

   Era maravilhoso para secar as lágrimas das crianças e, em certas ocasiões, para limpar as carinhas sujas.

   Do galinheiro, o avental servia para transportar os ovos e, por vezes, os pintos.

   Quando os visitantes chegavam, o avental servia para proteger as crianças tímidas.

   Quando estava frio, a avó enrolava os braços.

   Este bom velho avental fazia de fole, agitado por cima do fogo a lenha.

   Era ele que transportava as batatas e a madeira seca na cozinha.

   Da horta, ele servia de cesta para muitos produtos hortícolas depois que as ervilhas tinham sido recolhidas era a vez das couves.

   No final da temporada, era utilizado para colher as maçãs caídas da árvore.

   Quando os visitantes chegavam de forma repentina, era surpreendente ver a rapidez com que este velho avental podia dar para baixo o pó.

   Na hora de servir as refeições a vovó ia na escada a agitar seu avental

   E os homens nos campos sabiam instantaneamente que tinham de ir à mesa.

   A avó também o usava para pousar o bolo de maçã acabado de sair do forno no parapeito para esfriar.

   Nos nossos dias, não se usa mais o avental. Vai demorar uns anos até que alguma invenção ou objeto possa substituir este bom avental."

   Em lembrança das nossas avós, enviem esta história para aqueles que poderão apreciar a "História do avental da avó". 

(Autoria desconhecida)
Facebook Renata Pletz

sexta-feira, 28 de maio de 2021

As regras foram feitas para serem cumpridas (Ou não?)

       No meio tradicionalista temos alguns chavões muito utilizados quando tratamos das regras, suas necessidades e formas de elaboração.

      É comum ouvirmos: “foi votado e aprovado”; “se quer mudar apresente proposta no próxima convenção”, “onde é que está escrito?”, “segundo a coletânea ...”, e assim por diante. Pessoalmente utilizo o seguinte ditado que aprendi numa época em que não havia celulares e os grêmios estudantis tinham papel importante no sistema de formação de cidadãos: “ninguém é obrigado a combinar, porém, depois de combinado cumpra! Se não quiser cumprir, primeiro, descombine!

      Também é muito comum ouvirmos em palestras e discursos que o tradicionalismo é organizado, que possui um regramento claro, que a disciplina e a hierarquia são alicerces do Movimento. 

      Tanto na estrutura federativa – os MTGs – quanto na estrutura confederativa – a CBTG – temos congressos e convenções que tem como principal finalidade “combinar coisas”, ou melhor, fazer e alterar regras que se transformam em estatutos, regulamentos, diretrizes, resoluções, etc.

      As regras que nós mesmo criamos, invariavelmente pela decisão da maioria, trazem no sua gênese a marca da democracia – entendida essa democracia como a vontade da maioria sobre a minoria – e se constituem em “porto seguro” para quem dirige e em “sinuelo” para quem participa de cada uma das atividades. 

      Teoricamente as regras aprovadas são boas para a estabilidade das instituições, para o cumprimento dos seus objetivos e para a tranquilidade dos associados. Sim, porque somos sócios de um clube que livremente se organiza, define direitos, deveres e limites nas relações.

      Toda vez que uma regra é quebrada, seja por um dirigente, seja por um participante qualquer, haverá intranquilidade, insegurança e sempre uma reação.

      As reações diante do descumprimento das regras, podem ser muito variadas. Em alguns casos aplicam-se outras regras contidas naquilo que denominamos “Código de Ética”, em outros casos criticamos sem que isso gere maiores consequências, em outros, ainda, nos mantemos silenciosos por medo ou algum tipo de respeito descabido em relação a algum dirigente que resolve colocar-se acima de alguma regra.

      O mais comum no descumprimento de regras, ou itens de regulamentos, é a alegação de que “eu não concordo” ou “eu não estava lá quando isso foi aprovado”. Ou seja, é uma atitude egoísta e nada democrática. Democrático é discordar, debater, formar maioria e aprovar nova regra, fazer nova combinação.

      As únicas possibilidades de que alguma regra seja quebrada serão: a superveniência de fatos que alterem a essência a situação de quando ela foi definida, ou então se aquela norma tenha sido imposta de forma ditatorial pela ação despótica de alguém isoladamente.

      Talvez uma das práticas mais danosas para as instituições é aquele em que os próprios dirigentes que deveriam ser os guardiões das regras aprovadas nas instâncias regulares, são os primeiros a descumprir o que está estabelecido. Essa prática cria descrédito e desautoriza moralmente a exigência de cumprimento de regras pelos tradicionalistas. Se um patrão não cumpre o que o estatuto da entidade determina, como exigirá que o associado cumpra uma regra simples do regimento interno?

      Cada um de nós tradicionalistas, dirigentes ou não, devemos combater incansavelmente as transgressões às normas. Temos o dever de preservar o que foi combinado por nós mesmos ou por aqueles que nos antecederam. Não podemos permitir que as regras sejam quebradas pelo simples fato de que alguém se arvora no direito de colocar-se acima do que a maioria decidiu.

      Os regulamentos são necessários e garantem a estabilidade das instituições. Tanto o descumprimento dos regulamentos quanto a sua alteração muito frequente são causas de instabilidade e descrédito dessas instituições.

      Enquanto gestores entendemos que: "Não haverá descumprimento e nem “interpretação” que tenha o objetivo de “dar um jeitinho”. Nos comprometemos em cumprir o que a maioria decidiu nas instâncias legais".

Texto de Manoelito Savaris 
para o Eco da Tradição/2013

quarta-feira, 26 de maio de 2021

A arte é essencial e essa é uma verdade incontestável | Tatieli Bueno

     Todas as formas de arte têm o poder de influenciar positivamente as pessoas e interferir para o bem social, mental, espiritual e material dos indivíduos. Imagine tudo isso em projetos planejados especialmente para este fim. 

     No Tatiéli Convida dessa semana, vamos receber a bailarina, coreógrafa, trainer em PNL e Coach, CADICA COSTA, que neste ano, completa 40 anos de trajetória Cultural e usa a sua arte, somado a experiência e conhecimentos adquiridos para motivar e inspirar pessoas a ocuparem seu verdadeiro lugar no mundo com autenticidade e coragem, reconhecimento e apropriação das suas potencialidades, resultando em maior satisfação pessoal, reinvenção e o desabrochar de talentos. Nesta quinta-feira, dia 27.05, às 20 horas, no instagram @tatielibuenooficial, vamos conversar com a Cadica sobre seus projetos “Reinvente-se no Agora”; “Desabrochar Feminino”, "Loucure-se” e sobre o Workshop e Aulas online semanais do TRANSFORDANCE e muitos outros assuntos que certamente fluirão no nosso bate-papo.

Te esperamos!!! Todos conectados pela arte!

 Serviço:
O quê: Tatiéli Convida recebe Cadica Costa
Quando: 27.05.2021 - Quinta-feira 
Hora: 20 horas
Onde: instagram: @tatielibuenooficial
Informações: 54 99707-1313

     Essa é uma iniciativa independente. Para contribuir espontaneamente com a artista e assim amenizar os impactos financeiros decorrentes do isolamento social é só acessar o link  https://apptuts.bio/tatieli-bueno

    Acompanhe, siga nas redes sociais e saiba mais sobre a cantora Tatiéli Bueno

Site: www.tatielibueno.com.br  

Fanpage: tatielibuenooficial

Instagram: @tatielibuenooficial

YouTube: tatielicantora

Contato: (54) 99707-1313

E-mail: contato@tatielibueno.com.br

Saiba mais sobre nossa convidada:

Cadica Costa/Cláudia Pereira da Costa

   Bailarina, Coreógrafa, Trainer em PNL e Coach. Profissional de Dança a mais de 30 anos. Neste ano, completa 40 anos de trajetória cultural. Desenvolve o Método danSER Coach, onde utiliza técnicas da sua formação para motivar e inspirar pessoas a ocuparem seu verdadeiro lugar no mundo, sendo autênticas e assumindo seus potenciais com coragem, tendo mais satisfação pessoal, subindo para o palco de suas vidas, se reinventando e desabrochando seus talentos.

   Empresária, coreógrafa, professora de dança, atriz, bailarina da Cadica Cia de Dança há mais de 30 anos. É graduada em Comunicação Social Publicidade e Propaganda pela Unisinos e Pós-graduada em Dança pela Puc. Sua Cia de Dança já viajou por vários países como Coréia do Sul, Portugal e China, Rússia, Chile, Turquia e Uruguai representando o Brasil. Tem seu reconhecimento no estado do RS com participação em grandes e importantes eventos.

   Com base na pré-suposição “Corpo e Mente formam um sistema único”, Cadica tem em seu método de trabalho, um estilo próprio onde provoca e alavanca respostas e significados através do Corpo e da Mente.

   Apaixonada por encantar e emocionar o público com sua Arte, com suas palavras e vivências, motivada por seus estudos, e principalmente em sua paixão por transformar sonhos em realidade, Cadica tem a missão de transmitir as pessoas algo que mexa, transforme, emocione, motive, inspire, alegre e faça refletir.


terça-feira, 25 de maio de 2021

Luana Wojciechowski passa para Medicina na FURG

 

     Ela foi prenda mirim da 18ªRT, Prenda Mirim do RS, Prenda Juvenil da 3ªRT e Prenda Juvenil do RS. Sempre se destacando por onde passava. Sorriso, carisma, inteligência, e sempre buscando seus objetivos. 

     Pois agora, Luana Wojciechowski passou para Medicina na FURG. Uma menina de ouro que, com certeza, será uma profissional da mais alta qualidade. Parabéns Patricia e Luana. 

     Quem ganha é a medicina. Minha homenagem a essa grande amiga.

domingo, 23 de maio de 2021

Colóquios da CGF/UERGS começam com grande aula e muita descontração

 


     Para cumprir com as metas estipuladas na reunião que elegeu a atual diretoria da Comissão Gaúcha de Folclore foram realizadas ações em diversos espaços focados na instrumentalização de seus membros e também, de levar conhecimento aos simpatizantes do folclore gaúcho.

     Já foram realizados um seminário, um curso, programas de internet, criação de canal de You Tube onde foram colocadas as aulas (logo estarão mais vídeos sobre folclore postados), e agora, os Colóquios, em parceria com a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul, por meio dos grupos de pesquisa do CNPq “Arte: Criação, Interdisciplinaridade e Educação (ArtCIEd) e “Educação Musical: Diferentes Tempos e Espaços” (Grupem). 

     Os colóquios iniciaram sexta, dia 21 e terminam em 3 de dezembro deste ano, sempre nas sextas-feiras, às 19 horas, com uma hora de duração a cada encontro. A carga horária total será de 60 horas. Ao final, pretende-se ter constituída a Comissão de Pesquisa da CGF e, assim, retomar as pesquisas nessa área, implementadas pelos seus integrantes.

    A professora Dra. Cristina Rolim Wolffenbüttel, em uma ar de muita descontração, fez as apresentações dos alunos e mostrou como irão funcionar as atividades síncronas e assíncronas. 

    Diretoria da Comissão Gaúcha já está pensando a Semana do Folclore, no mês de agosto, mas antes, as Festas Juninas do RS devem receber atenção.

     

sexta-feira, 21 de maio de 2021

Saberes & Fazeres vai tratar da Culinária Campeira, com Daniel Zardo

 

   A culinária é uma das características da cultura de um povo em qualquer tempo e, em qualquer parte do mundo. Ao pensarmos em determinada comunidade, país, ou época, logo nos vem à mente também um tipo de alimento, uma forma especial de preparo, um tempero, quando não, uma “cozinha” inteira, como é o caso da França e suas disputadas iguarias, como o croissant, ou, para citar outro exemplo, a Itália e suas massas. 

    O Rio Grande do Sul também tem suas características especais e, algumas, estipuladas em lei como prato típico, como é o caso do Churrasco. Mas jamais podemos esquecer do Arroz de Carreteiro. Para falar sobre esses assuntos e muito mais, Marco Aurelio Alves vai entrevistar o tesoureiro e Conselheiro da Comissão Gaúcha de Folclore, Daniel Zardo, na próxima quarta-feira, 26, no Programa Saberes & Fazeres - o folclore em foco.

"Caminhos de Anita" será o tema dos Festejos Farroupilhas de 2021

      Em comemoração ao bicentenário de nascimento da catarinense Ana Maria de Jesus Ribeiro (em Laguna, no dia 30 de agosto de 1821) a comissão dos Festejos Farroupilhas divulgou nesta sexta-feira (21) que o tema do evento, deste ano, será “Caminhos de Anita”.

Temas dos Festejos desde 2005:

2003 – Soldado Farrapo: O herói anônimo   
2004 – Os Ideais Farroupilhas 
2005 – O Gaúcho: Usos e Costumes
2006 – Assim se fez o Gaúcho
2007 – Assim se movimentou o gaúcho
2008 – Nossos símbolos: Nosso orgulho (Com Livro)
2009 – Os farroupilhas e suas façanhas  (Com Livro)
2010 – Farroupilhas: Ideais, cidadania e revolução.  (Com Livro)
2011 – Nossas raízes      (Com Livro)
2012 – Nossas riquezas  (Com Livro)
2013 – O RS no imaginário Social     (Com Livro)
2014 – Eu sou do Sul     (Com Livro)
2015 – Campeirismo Gaúcho: Sua importância cultural e social (Com Livro)
2016 – A Republica das Carretas – 180 anos da Republica Rio-grandense
2017 – Farroupilhas: Idealistas, revolucionários e fazedores de história
2018 – Tropeirismo
2019 – Paixão Cortes – Vida e Obra
2020 – Gaúchos sem Fronteiras
2021 – Caminhos de Anita


quinta-feira, 20 de maio de 2021

Escolhida a Patrona dos Festejos Farroupilhas 2021

      A declamadora Liliana Cardoso foi escolhida para ser a patrona da Semana Farroupilha 2021, sendo considerada a primeira mulher negra a receber a homenagem. O nome de Liliana foi aprovado hoje (19), por unanimidade, em reunião realizada por videoconferência, pela Comissão dos Festejos Farroupilhas. Natural de Porto Alegre, Liliana tem 43 anos, é declamadora, radialista, apresentadora, mestre de cerimônias, ativista cultural e vice-presidente do Conselho Estadual de Cultura.

     Como declamadora, foi cinco vezes campeã do Encontro de Artes e Tradição Gaúcha (Fegart/Enart) e bi-campeã do Rodeio Internacional de Vacaria. Por três vezes recebeu o prêmio Vitor Mateus Teixeira e também foi condecorada pela Assembleia Legislativa com a Medalha Mérito Farroupilha, a maior honraria do Estado do RS.

     Por 22 anos, Liliana Cardoso apresentou o Desfile Farroupilha, no dia 20 de setembro, em Porto Alegre, e por muitas vezes se emocionou vendo patronos e patronas. Ao ser questionada sobre o que significa ser patrona dos Festejos Farroupilhas de 2021, ela recorda uma trajetória pessoal e profissional alicerçada no tradicionalismo e em suas raízes ancestrais. 

   “Ser patrona dos Festejos Farroupilhas 2021 é a retaguarda de que nós mulheres, podemos, sim. E que representamos toda a diversidade cultural. Representamos as mulheres do campo, as mulheres da cidade. Representamos as mulheres que na Revolução Farroupilha ficaram no campo enriquecendo este estado para hoje podermos usufruir. Como mulher negra, eu trago a representatividade dos Lanceiros Negros, que foram linha de frente na Revolução e das mulheres negras, que ficaram no campo gerando renda. Ser patrona é ter a certeza que onde minha mãe estiver estará feliz porque passou uma vida me acompanhando para forjar a Liliana Cardoso que sou hoje. Na próxima reencarnação, se houver, quero voltar mulher negra, declamadora e gaúcha”, afirma a patrona.

Daiana Silva - Jornalista
Assessoria de Imprensa MTG/RS
E-mail: daianasilva.jornalista@gmail.com
WhatsApp:51 98187-0085 (whts.co/daianasilva)

     Criado no ano de 2003, durante o governo Germano Rigoto, os desfiles temáticos de Porto Alegre incrementaram o evento que passou de semana farroupilha para Festejos Farroupilhas. No ano de 2005 foi instituída a escolha de um patrono para o evento, como forma de homenagear personalidades que contribuíram com o tradicionalismo, a tradição, o folclore e a história durante a sua trajetória. 
     Este seleto grupo que já teve 16 homenageados, e hoje recebe a 17ª personalidade gaúcha, teve Paixão Côrtes, Nico Fagundes, Luiz Menezes, entre tantos outros. Nilza Lessa foi a primeira mulher que ocupou o posto. Com a patrona de 2021, agora são 4. Conheça quem já foi escolhido para ser patrono (a) dos Festejos Farroupilhas do RS.

Patronos dos Festejos Farroupilhas desde 2005
2005 – Luiz Alberto de Menezes
2006 – João Carlos D’Avila Paixão Cortes
2007 – Antonio Augusto Fagundes
2008 – Wilmar Winck de Souza
2009 – Telmo de Lima Freitas
2010 – Rodi Pedro Borghetti
2011 – Alcy José de Vargas Cheuiche
2012 – Nilza Lessa
2013 – Nésio Correa – Gildinho dos Monarcas
2014 – Benajmim Feltrim Netto
2015 – Padre Amadeu Gomes Canellas
2016 – Zeno Dias Chaves
2017 – Elma Sant’Anna
2018 – Renato Borghetti
2019 – Cesar Oliveira
2020 – Alessandra Motta
2021 – Liliana Cardoso
Fonte: Arquivos pessoais

quarta-feira, 19 de maio de 2021

Nota de Falecimento - Everaldo dos Santos Gonçalves

Everaldo dos Santos Gonçalves

      É com grande pesar que comunicamos o falecimento do Capataz Everaldo dos Santos Gonçalves. Nossa solidariedade aos familiares e aos amigos da Família Lanceiros da Zona Sul. 

   Descanse em paz e que Deus te receba de braços abertos e conforte os corações dos amigos e familiares nesse momento de dor .

Os atos fúnebres serão no Cemitério de Belém Novo - Capela D | das 13h às 17h.