terça-feira, 18 de setembro de 2018

Palestras movimentaram as cidades de Júlio de Castilhos, na 9ªRT e Espumoso, na 14ªRT

       A Patroa do CTG Sinuelo das Coxilhas, de Espumoso, Luciana Parizoto abriu as portas do galpão para receber as escolas públicas do município para a palestra sobre o tema dos festejos farroupilhas de 2018, "Tropeirismo". 
        Sob a responsabilidade de Rogério Bastos, o tema foi despertando a curiosidade dos alunos e dos professores. "Foi uma manhã muito proveitosa e produtiva,onde aprendemos muito sobre este tema que faz uma nova leitura da nossa historia" - disse Luciana Parizoto. 

         Já na noite anterior foi a vez do Instituto Federal Farroupilha, de Júlio de Castilhos receber a palestra sobre tradicionalismo, um pouco dos 180 do nosso hino, da tomada de Rio Pardo, do Jornal "O Povo", cultura em geral e, ainda, uma aula de chimarrão com a presidente do Instituto Escola do Chimarrão de Venâcio Aires, Liliane Pappen Bastos.
          O evento contou com a presença do Prefeito Municipal João Vestena, da secretária da saúde, Jussara Canfield Finamor, do Diretor Geral do Campus, Instituto Federal Farroupilha, Rodrigo Carvalho Carlotto e, pela educação, estava lá Renete Somavilla Cocco. O Patrão do CTG Julio de Castilhos, seu Pedrinho, e representeantes do Porteira Aberta, Jariane Gomes, Marta Oliveira e Joceli Almeida abrilhantaram o evento com suas presenças.
       Daiane de Fátima dos Santos Bueno, técnica administrativa e coordenadora da invernada artística e cultural do NTG Alma Farrapa, comemorou o evento: "Precisamos trazer mais cultura para nossa cidade. Todos ficamos empolgados com a ideia de termos, até mesmo, um curso nesta área" - disse.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Foi lançada a 5ª temporada do Desafio Farroupilha

     O Jornal do Almoço fez o lançamento, neste sábado, da 5ª temporada do Desafio Farroupilha, o reality gauchesco da RBS TV. Assim como nos dois últimos anos, o foco são as danças tradicionais gaúchas. O especial será apresentado pela dupla César Oliveira & Rogério Melo. Com cinco episódios, tem estreia prevista para o dia 27 de outubro.

     Desta vez, não houve concurso. O grupo escolhido para estrelar o especial – o DTG Tropeiros do Ouro Negro, de Canoas, recebeu a missão de transformar em dança a história da gaiteira Natalia Guastuci, 16 anos, de Rio Grande, que é cega. Para viver a experiência da guria, os dançarinos aceitaram um gigantesco desafio: terão de aprender a dançar com os olhos vendados.

      A experiência é o ponto de partida para uma abordagem que vai estar presente em todos os capítulos do Desafio: a inclusão social no tradicionalismo envolvendo portadores de deficiência. Para isso, o J.A está sugerindo aos telespectadores que enviem vídeos com ações nesse sentido, dentro e fora dos galpões. O material, que vai aparecer no programa, deve ser postado nas  redes sociais, com a hashtag  #desafiofarroupilha2018.
      -As pessoas que superam qualquer deficiência através de artes como a dança e a música são um exemplo da importância de iniciativas assim. A cultura torna todos iguais, destaca o cantor César Oliveira.

       Ações sociais serão desenvolvidas até a estreia do quadro. A primeira delas, no dia 3 de outubro, será o “Baile da Inclusão”, que será um grande fandango com a presença dos artistas que já fizeram parte do Desafio Farroupilha, desde 2014: Cristiano Quevedo, Fernando Saccol, Joca Martins, João Luiz Corrêa e César Oliveira & Rogério Melo, com baile animado pelo grupo Alma Gaudéria e uma convidada especial: Berenice Azambuja. O objetivo é abrir as portas da entidade para quem nem sempre consegue acesso a um CTG convencional

      O evento será realizado no CTG Pousada da Figueira, localizado no bairro Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre, o primeiro a ter acessibilidade no galpão e que, neste dia, irá inaugurar a última etapa de adaptação para portadores de deficiência.
-A alegria de nossa sociedade, o CTG, é estarmos todos juntos. Junto com a família que tem uma pessoa que precisa de rampa, de um piso tátil, pra eles poderem se locomover, sem pedir ajuda pra ninguém, como se estivessem em casa, afirma o patrão do CTG, João Guterres.

      O Desafio Farroupilha teve início em 2014, quando o músico Cristiano Quevedo cumpriu a missão de aprender a laçar. Na segunda temporada, em 2015, César Oliveira e Rogério Melo foram desafiados a escolher o novo talento da música gaúcha: o cantor Fernando Saccol, de Santa Maria. Em 2016, o reality partiu para o segmento das danças tradicionais gaúchas, que, segundo cálculos do Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG), reúne 29 mil dançarinos em pelo menos 1,2 mil invernadas de danças.

       O campeão foi o CTG Tiarayu, de Porto Alegre, que cumpriu a missão de  transformar em dança uma carreira de cancha reta, tradição típica do interior do Rio Grande do Sul. Em 2017, o especial seguiu abordando as danças com o tema "lendas do sul" e interação com alunos de escolas públicas. O vencedor foi o grupo juvenil do CTG Farroupilha, de Alegrete.
por Giovani Grizotti

Tradicionalismo nos EUA em destaque nos jornais americanos





sábado, 15 de setembro de 2018

Semana Farroupilha pelo interior. Nova Candelaria, Horizontina e Farroupilha

             Nossa agenda começou em Nova Candelária, na 20ª Região Tradicionalista, dia 13 de setembro, atendendo todas escolas municipais e estaduais da cidade, na sede do Piquete Marca da Ferradura. Muita troca de conhecimentos. Muito aprendizado.

             Ainda no dia 14 pela manhã a lida foi em Nova Candelária, depois nos deslocamos para Horizontina, no CTG Carreteiros de Horizonte, que atendeu as escolas da cidade. Ao chegarmos lá encontramos a Coordenadora da Região, Luciana Rolim, mulher de muita fibra, policial civil, mãe, foi patroa de CTG e agora percorre a região contribuindo com suas entidades.
              Dia 15, foi a hora e a vez de palestrarmos em Farroupilha, sobre Tropeirismo, no evento "Farroupilha bem gaúcha". Contamos com a presença do Prefeito municipal em exercício, Pedro Pedrozo, patrão do CTG Ronda Charrua. Foi muito bom estar com esses amigos,,, Gilmarzinho "Charrua" e Elenice Girelli, nossos amigos do Ronda.
             


           Neste domingo, dia 16, Liliane Pappen Bastos, Presidente do Instituto Escola do Chimarrão, de Venâncio Aires, palestrará sobre "Chimarrão: Uma nova visão!" - Segunda será Julio de Castilhos, terça, em Espumoso e quarta em Morro Reuter.

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

MAIONESE COM CEBOLA (uma crônica gastronômica e política sobre a intolerância)

Por Leandro Araújo

      Eu não gosto de cebola na maionese! - Para quem não é do Sul, estou falando daquela salada de batatas, que aqui chamamos apenas de salada de maionese. – Simplesmente não combina! A suavidade da batata e a cremosidade da maionese para mim acaba sendo envenenada com o gosto forte e a rigidez da cebola. Respeito quem gosta e quem põe em sua receita, mas peço, por gentileza, que quando fizer uma maionese com cebola, que reserve separado um pouco sem este tempero para mim, obrigado.

      Quando mais jovem eu até havia feito uma teoria sobre a cebola na maionese que dizia o seguinte: Se o cozinheiro colocar cebola na maionese, só quem gosta dela na salada vai comer. Se ele não colocar, todos vão comer. Simples assim...

       Contudo, eu não desprezo totalmente o vegetal malcheiroso. Gosto de usar para temperar carne, por exemplo. Frito até que quase desapareça, mas uso. Em ensopados também costumo utilizar. Mas na salada de maionese, ou em qualquer outra salada onde ele apareça cru, nem pensar.

       Todavia, fico imaginando que grande besta eu seria se ficasse simplesmente desejando o fim da cebola. Óbvio, seria cômodo, porque não precisaria mais me preocupar com ela aparecendo de surpresa e estragando alguma deliciosa maionese. Mas também seria um desejo egoísta, pois não levaria em consideração todas as pessoas que gostam de cebola. Não deixaria de ser, também, uma forma de reprimir a criatividade, uma vez que fico pensando em quantos temperos diferentes foram descobertos apenas porque alguém procurou alternativas à desprezada cebola.

         Outro motivo que me faz refletir e não desejar o confortável desaparecimento da cebola é o fato de que existem muitas pessoas que precisam dela para sobreviver. Há famílias inteiras que dependem do seu plantio, que trabalham de sol a sol, que cuidam, adubam, regam. E depois vendem. Também tem o cara que transporta. O que distribui. E o que vende na feira. Ah... e o que pesa na balança. Todos eles dependem, mesmo que em uma pequena parte, da cebola. Então o fato de não gostar dela na maionese, não me dá o direito de querer seu fim sumário, simplesmente porque não tenho o direito de querer o mal de tantas pessoas para favorecer um gosto pessoal meu. Ou seja, não quero comê-la, mas para isto não preciso odiá-la, correto?

       O que temos visto nas redes sociais ultimamente é um festival de ódio à cebola. Seja ela cebola política, cebola religiosa ou, até mesmo, cebola esportiva. Pasmem!

       Quantas vezes por dia nos deparamos com pessoas, muitas delas amigas nossas, que disseminam o ódio às suas cebolas? Compartilham mensagens e imagens carregadas de preconceito, pregam escancaradamente que aquele que gosta então não deveria comer outra coisa, apenas cebola. Quem sabe até se mandar para outro país onde sua cebola fosse aceita com naturalidade, mas não aqui. Apresentam provas cabais de que a cebola está envolvida em tudo que é de mais ruim no mundo e que por isso mesmo deveria ser erradicada. Com violência, se fosse o caso.

       Se um músico se manifestar a favor da cebola: Parem de ouvi-lo agora! Sua música não presta e seu sucesso só se deu porque existe uma fraude na Lei de Incentivo ao Bulbo Vegetal! Não importa o quanto de admiração havia por qualquer pessoa, a partir do momento em que ela resolver defender a cebola, devemos considerá-la burra, corrupta e mentirosa. Devemos questionar não seu posicionamento com relação à cebola, mas sua obra como um todo.

        Por outro lado, os contrários, que defendem o tempero, dizem que aquele que não gostar de cebola é covarde, que a única comida verdadeiramente boa é aquela feita com bastante cebola. Vão usar apelidos depreciativos para diminuí-los em sua condição humana. Podem, inclusive, defender que o ideal seria um mundo onde todos fossem obrigados e comer cebola sorrindo e tecendo elogios fervorosos ao Grande Chef que, impecável em sua cozinha, mandaria envenenar a comida de qualquer um que ousasse questionar o sabor e a importância de suas cebolas.

        Não vivemos mais no limite da tolerância. Já o ultrapassamos faz tempo. Nossa sociedade está no momento em que a frase “Está comigo ou contra mim?” é perfeitamente natural. Mensuramos o caráter das pessoas não pelo que elas acreditam, mas pelo quanto o que elas acreditam se aproxima do que eu acho certo e aceitável. Em quem se vota, com quem se dorme e até mesmo o que se come é mais importante do que o quanto uma pessoa possa ter feito de bem para outras. Estamos mais próximos das fogueiras inquisitórias da Idade Média do que imaginamos.

        Um grande abraço e um ótimo final de semana a todos nós.

TOLERÂNCIA AINDA É A PALAVRA MAIS BONITA DA LÍNGUA PORTUGUESA! #SEJATOLERANTE!

Lê Araújo faz parte do Projeto
 Aquecimento Cênico
É fotografo e professor

Câmara Municipal do Alegrete faz homenagens à tradicionalistas

           A Câmara de Vereadores do Alegrete promoveu uma sessão solene dos Festejos de 2018, que teve seu plenário lotado, com tradicionalistas para homenagear pessoas que se destacam no Movimento na cidade.

           Recebeu uma justa homenagem a avó da 1ª Prenda Mirim do RS,  e patrona dos Festejos de 2018, Izaltina Vasques Soriano. Foi uma das homenageadas que recebeu o carinho do público e foi aplaudida em pé pela contribuição que até hoje presta à cultura gaúcha. Sua neta, Fernanda, foi da diretoria do departamento jovem do MTG.


           Cada bancada indicou um para receber a distinção que prestou homenagem especial a seis alegretenses que marcam a história do movimento tradicionalista nos município.

Rui Torres Pimentel 
Neuri Tito Quirino 
José Agassis Manganelli 
Luis Henrique Fernandes Vicente
Caroline Freitas Figueiredo 
As invernadas mirim e juvenil do CTG  Farroupilha receberam a distinção especial pelas grandes conquistas no Festimirim e Juvenart - 2018.

           O Poder Executivo foi representado pelo Secretário de Agricultura, Daniel Gindri. A Coordenadora da 4ªRT, Ilva Maria Borba Goulart disse que ali estavam pessoas grandiosas e que constroem o movimento, onde os jovens que o integram estão num dos melhores caminhos. Ela agradeceu a todos e a Caroline Figueiredo, que foi prenda do Estado e ajudou, sobremaneira, a cultura gaúcha.

Obra Discográfica e Literária de Paixão Côrtes, na Casa de Cultura Mario Quintana

         Encontro com a Obra Discográfica e Literária de Paixão Côrtes é o tema da primeira ação do Projeto Acervo IGTF, que ocorre nesta quarta-feira (12), a partir das 17h, na Sala Luís Cosme, no quarto andar da Casa de Cultura Mario Quintana (CCMQ). Os palestrantes convidados são o filho de Paixão Cortês, Carlos Paixão, e o integrante do Conselho Estadual de Cultura, José Edil de Lima Alves. 

        O Projeto Acervo IGTF é uma parceria entre as secretarias da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer (Sedactel) e da Educação (Seduc), que firmaram um termo de cooperação no dia 22 de agosto para promover estudos, pesquisas e divulgar os valores inerentes à cultura do Rio Grande do Sul em espaços públicos na capital e no interior.

Texto: Renata Vieira Martins/Ascom Sedactel
Edição: Léa Aragón/Secom

Venha para o Caminho da Vanera - Dia 12 de setembro as 14h

      SHOW PARA O POVO
      "Nesta quarta feira vamos fazer o caminho da Vaneira! Vamos nos reunir no largo do Mercado Público as 14h! Vai ter um som na frente do chalé da praça XV, vamos fazer um passeio até a praça da matriz e voltamos ao mercado! Temos vários amigos músicos  confirmado!" - disse Elton Saldanha. Amigos como Luiz Carlos Borges, Daniel Torres, Lincon Ramos , Cristina Sorrentino e Crianças EmCanto, Bonitinho, Élmer Fagundes, O trovador Marco Aurélio, Leandro e Marcelo Cachoeira Estivalet, Jader Leal, Liana Tavares e os guris gaiteiros Gustavo e Gabriel!
      A data surgiu por meio de um projeto de lei de autoria do vereador Idenir Cecchim (PMDB), e será comemorada sempre em setembro, do dia 1º até, no máximo, o dia 20.

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Status: Relacionamento sério e comprometido com o tradicionalismo gaúcho

Uma agenda apertada, com compromissos próximos, atravessando o Rio Grande do Sul, com recursos próprios. Essa é Elenir Winck. Ex-secretária de Educação de Panambi e que tem uma visão macro sobre educação e cultura andarem de mãos dadas. De coração, pela tradição.
Casal Winck, no acampamento do Rodeio do CTG Nova Querencia, em Panambí

          A vice-presidente de Administração e Finanças do Movimento Tradicionalista Gaúcho, Elenir Winck, percorreu o estado em poucos dias para prestigiar os eventos e atividades tradicionalistas de entidades e regiões.

           No dia 1º, no 35 CTG, durante o Festival Pioneiro da Tradição, foi realizado o encontro dos Ex-Plêndidos (ex-prendas e ex-peões do estado) e Elenir esteve presente prestigiando os dois eventos. Na terça-feira, dia 4, esteve, ao lado de Renata Pletz, no Encontro Regional de Patrões, no CTG Sinuelo do Bom Sucesso, em General Câmara, 2° RT. E no dia 5, esteve no Encontro Regional da 26ªRT, na cidade de Pelotas, na União Gaúcha João Simões Lopes Neto. Quase teleportando-se.



           No sábado, dia 8,  Elenir e Ciro Winck estiveram em Pedro Osório, no CTG Fogo de Chão. Participaram do Encontro Regional da 21ª RT e da distribuição da Chama aos municípios da região.     "Agradecemos o carinho e cumprimentamos a Coordenadoria, Entidades Tradicionalistas e administração municipal pela organização e união demonstrada em todos os momentos" - disse Elenir.

       Já na manhã de domingo, dia 9,  no CTG Clube Farroupilha, de Ijui, estiveram na distribuição da Chama às Entidades da 9ª RT. "Foi uma bela homenagem ao nosso grande mestre Paixão Côrtes e aos 75 anos do CTG Clube Farroupilha. Parabéns à Coordenadoria, tudo foi muito lindo e emocionante" - conta.

           E, sem parar, ainda no domingo, dia 9, acompanharam os amigos no Rodeio do CTG Nova Querencia, em Panambi. Um dos grandes eventos da 9ª Região. 
Chama Crioula no Clube Farroupilha, 75 anos. Encontro Regional de Patrões da 21ªRT e da 26ªRT
       E nesta terça-feira, 11/09, na cidade de Igrejinha, 22ª RT, valorizando os amigos Marco Aurélio Angeli (Zoreia) e Valter Fraga Nunes que palestraram para os alunos das escolas municipais sobre o tema dos festejos farroupilhas. "O Tropeirismo".
Carlos Eduardo da Silva, grande campeiro, ex-coordenador da 9ªRT (E) e Conselheiro do MTG.
Ao lado de Ciro e Elenir Winck e do tropeiro e, mestre em Biologia, Valter Fraga Nunes

E o tropeirismo invade os Festejos Farroupilhas do Mato Grosso do Sul

            Convidamos vocês e familiares para prestigiarem as Palestras e Oficinas dos Festejos Farroupilhas “Tema Tropeirismo” do CTG Tropeiros da Querência. 

         Vamos fazer palestras rápidas e dinâmicas para entendermos alguns aspectos do nosso folclore gaúcho, da lide campeira - tropeirismo, o porquê comemoramos a Semana Farroupilha, causas da Revolução Farroupilha e o papel do Exército Brasileiro. Venha participar, contribuir e também tirar suas dúvidas!

14/09 - Sexta-Feira (Sede Campo)
16h: Acampamento Farroupilha/Oficina “Campeirismo Gaúcho” - Igor Seib e colaboradores
19h20: Palestra “Tropeirismo no Brasil e no Mato Grosso do Sul” - João Ermelino de Mello - Presidente da CBTG

15/09 - Sábado (Após Solenidade de Abertura)
9h: Palestra “Revolução Farroupilha” - Prof. Msc. em História Sérgio Moura Nonato da Silva
10h: Palestra “Exército Brasileiro e a Sociedade” - Coronel Alexandre
11h: Oficina “Salga - Espeta e Assa” - Betão e Mano

16/09 - Domingo (Antes da Missa Crioula)
8h: Oficina “Chimarrão - Como Fazer o Mate”/Mateada - João Ermelino de Mello - Presidente da CBTG

Informações - Departamento Cultural do CTG Tropeiros da Querência (Raquel/Aline)



Cine de Galpão no CTG Gildo de Freitas

Agir com criatividade levando a cultura. Belo trabalho do Gildo Véio

Uma semana de datas importantes

           A semana começa com um 10 de setembro, em que as tropas de Antonio de Souza Neto, nos Campos do Seival, no ano de 1836, derrotaram as tropas legalistas de Silva Tavares, que vinham do Uruguai. Ainda que não houvesse unanimidade entre os farroupilhas quanto à uma República e quanto a separar-se do Império, coube a Antônio de Souza Neto – na ausência de Bento Gonçalves, envolvido no cerco a Porto Alegre e em seu deslocamento preso na batalha da Ilha do Fanfa – proclamar a República e a independência do Rio Grande do Sul, em 11 de setembro de 1836.
imagens de internet
             O 11 de setembro também nos remete ao atentado das "Torres Gêmeas" nos Estados Unidos. Mostrando o quanto o ser humano é intolerante e onde a barbárie pode nos levar. O velho ditado: "Tudo que vai volta" é o efeito bumerangue. Mas atentados nunca terão uma justificativa. O mundo vive a era da intolerância...

             Não podemos deixar de lembrar que, na Revolução Farroupilha, houve uma geração extraordinária de homens qualificadíssimos que lideraram, como: Bento Gonçalves, Domingos José de Almeida, José Gomes de Vasconcelos Jardim, Antônio de Souza Neto, João Manoel de Lima e Silva, que nasceu no Rio de Janeiro, homem da corte e tio do Duque de Caxias, Antonio Vicente da Fontoura e José Mariano de Matos, pessoas de reconhecidas qualidades e prestígio incomum. Não podemos deixar de lembrar também a influência romântica dos carbonários italianos como o conde Tito Lívio Zambecari, Luigi Rossetti e Giuseppe Garibaldi.

             Comemoremos amigos. Mesmo que queiram cercear nossa opinião, temos que ter consciência que nossa identidade foi forjada pela nossa historia. A Revolução Farroupilha possui elementos sagrados para nós gaúchos, pois ali se identifica o que temos de melhor em nossa alma, em nosso espírito, onde estão esboçados os principais valores cultivados pelos homens e mulheres do sul. Que venha nosso 20 de setembro e que sirvam nossas façanhas, de modelo a toda terra....

sábado, 8 de setembro de 2018

Dia 25 de outubro, estreia no cinema, "A cabeça de Gumercindo Saraiva"

Tabajara Ruas em entrevista para este blog (logo teremos a entrevista completa em vídeo):

          A história, baseada em fatos reais, que é um fato bastante conhecido e controverso, tem várias versões, tem vários textos diferentes de pessoas diversas. Era uma época de guerra civil, entre os maragatos, o partido Libertador, vindo do Uruguai para tentar derrubar o Governador Júlio de Castilhos, que era Republicano. Foi uma guerra terrível, uma das piores guerras civis, que morreu 10% da população do Rio Grande. Se fosse hoje, equivaleria a um milhão de pessoas. Essa foi a guerra que consolidou a república brasileira. Os maragatos, Libertadores, eram comandado por Gumercindo Saraiva que veio do Uruguai e que subiu guerreando até Santa Catarina e chegou Paraná, mas não conseguiu chegar até São Paulo, por causa da resistência na Lapa, no Paraná. O que aconteceu foi que a Lapa resistiu, por 28 dias, o que possibilitou tempo para chegar em as armas modernas para os republicanos contra-atacarem.
Foto: Fabinho Nascimento

       A guerra foi deflagrada na madrugada de 5 de Fevereiro de 1893, quando o Caudilho, Gumercindo Saraiva, à frente de 400 homens a cavalo e, precariamente armados, cruzou a fronteira na altura de Aceguá. A Rebelião provavelmente teria terminado dois meses depois se não fosse por causa dele. Tinha 40 anos e era o mais velho dos onze filhos de Francisco Saraiva, que como tantos brasileiros, se estabeleceram no Uruguai, desde a Guerra dos Farrapos. Perseguido no Uruguai por razões políticas, em 1883, foi viver numa estância que o pai possui em Santa Vitória do Palmar. Na região havia se tornado refúgio de contrabandistas, ladrões de gado e malfeitores de toda espécie. Gumercindo dedicou-se a combatê-los chegando a ter 200 homens a seu serviço.

Posicionamento de bandeiras para os eventos - Colocação de bandeiras no Dispositivo


         Gente, nessa época em que temos muitas atividades cívico-culturais nas entidades nos deparamos com um problema epidêmico: A colocação de bandeiras. Chega a hora do evento e é um "Deus nos acuda!". Muitas opiniões, muitas sugestões, muitos entendidos. Mas a regrinha é simples, para colocar as bandeiras nos devidos lugares no dispositivo.

           Bandeiras Nacional e Rio-grandense de acordo com que definem os Decretos: Federal n° 70.274, de 09.03.72 e Estadual n° 30.012, de 31.12.80. Bandeira do MTG, das RT’s e das Entidades Tradicionalistas. Podem ser utilizadas em todas as situações em que houver a presença das Bandeiras Nacional e Rio-grandense e, ainda, em todos os locais sob todas as formas e em todas as situações que não atentem contra a Carta de Princípios ou contra os bons usos e costumes do povo gaúcho.

          Bandeira Nacional
- Ocupa lugar de honra, compreendido como a posição: Central ou mais próxima do Centro e à direita deste, quando com outras bandeiras, em linha de mastros, panóplias, escudos ou peças semelhantes.
- Destacada à frente das outras bandeiras quando conduzida em desfiles.
- À direita de tribunas, púlpitos, mesas de reunião ou de trabalho.
- Somente a Bandeira Nacional poderá apresentar-se isolada.

           Bandeira Rio-grandense
- O mais próxima do centro à esquerda da Bandeira do Brasil quando o número de bandeiras for em número par.
- O mais próxima do centro à direita da Bandeira do Brasil quando o número de bandeiras for ímpar.

          Bandeira do Município
- Posta-se junta à Bandeira do Brasil, no lado oposto à Bandeira Estadual


A grande confusão se dá em relação a posição que a pessoa que está organizando as bandeiras se coloca.
              Bandeiras Tradicionalistas
A ordem de precedência das Bandeiras Tradicionalistas é a seguinte:
a. Confederação Brasileira da Tradição Gaúcha - CBTG.
b. Movimento Tradicionalista Gaúcho - MTG
c. Bandeira da Paz.
d. Região Tradicionalista - RT, pela ordem crescente de designativo: 1ª, 2ª....
e. Entidade Tradicionalista - CTG, DTG, GT, PL, etc.

quinta-feira, 6 de setembro de 2018

Tome Tento da Independência, no Identidade Gaúcha, neste 7 de setembro

            O Brasil tornou-se mesmo independente? Dom Pedro I estava montado em um cavalo ou era uma mula? A independência do Brasil em debate, com humor e até, com coisas sérias. Sim, será o Identidade Gaúcha, com cara de Tome Tento, neste 7 de setembro, direto da 22ª Região, da Residencia Fischborn. O programa especial terá Live, contará com a presença de Luciana Borges, Fabinho Nascimento, o casala Edna e José Roberto Fischborn, Felipe Neguinho (o novo Nego Tchê), Rogério e Liliane Bastos. Vem com a gente, na Radio Quero-Quero.

Mata Nativa reverencia o tropeirismo com mate, cara alegre e confraternização

           O CTG Mata Nativa, de Canoas, na 12ª RT, realizou o projeto do seu Guri Farroupilha Guilherme Engel, falando em "Tropeirismo", com palestra do professor e jornalista Rogério Bastos, na noite de quarta-feira, 5, dia do Jovem Tradicionalista e contou com a presença de muitas pessoas, inclusive das invernadas.

          O tema dos Festejos Farroupilhas tem sido tratado pelos tropeiros Valter Fraga Nunes e Marco Aurelio Angeli, o Zoreia, mas tem recebido apoio de Cesar Tomazzini, Rogério Bastos, Edegar Bueno, entre outros que tentam, de alguma forma, multiplicar conhecimentos, pois a temática da semana farroupilha saiu muito atrasada, com apenas dois meses para preparação. Nem todas as Regiões receberam seminário ou palestra sobre o tema. E, ainda, tem coordenador regional preocupado com a eleição (que só acontece em janeiro) e tenta boicotar eventos como o de ontem, no Mata Nativa. Lamentável. 
            Mas fica os parabéns para o CTG Mata Nativa, de Canoas, por ter feito um evento de cara alegre, conhecimento e, no final, confraternização. Gente, o caminho é esse!

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Não ajude a sua mulher em casa! por Leandro Araújo

          Não, eu não enlouqueci. Este é o título mesmo. E antes que comece a ser apedrejado por todas e aplaudido por alguns, deixe-me fazer entender.

          Sua mulher não precisa de ajuda. Acredite em mim! Se por um motivo ou outro você não estiver mais por perto, pode acreditar que ela dará um jeito de resolver sem você. Porque diferentemente de nós, elas são assim.

           A mulher não quer um ajudante. Se quisesse, contratava um. Ela quer um parceiro, um sócio, tendo em vista que a casa não é dela, mas de ambos. Ela não quer alguém para quebrar seu galho. Que cuide do filho enquanto ela tome banho. Que faça a janta porque “hoje é um dia especial”. Não quer que você troque a fralda suja do bebê porque participa dos afazeres como um bom pai, mas porque a fralda está suja mesmo. E ponto.

            Em vez de ajudar, divida as responsabilidades como se a casa e os filhos também fossem seus.  Não são apenas o carro, o botijão de gás e a resistência do chuveiro propriedades do marido. Sabia disso?

             E, pasme agora com esta informação chocante! Em alguns momentos, sua mulher também pode não estar afim de lavar a louça, passar pano na casa ou recolher a roupa do varal. Sério! Não há prazeres ocultos em tarefas domésticas que justifiquem você achar que sua mulher vai se sentir realizada, a “rainha do lar”, por fazê-las. Ela também acha um saco e, se pudesse, pagaria alguém para fazer. Essa conversa que a mulher quer ser ajudada ou protegida é conversa do seculo XX. A mulher quer é ser respeitada.

            Então, amigão. Esquece esse papo de "proteger" ou “ajudar a mulher” e assume seu papel de associado no empreendimento, pois quando um sócio não contribui com o desenvolvimento do negócio só há duas soluções: rompimento do contrato ou abertura de franquia.

Lê Araújo Aquecimento Cênico
Professor, Fotografo
Leia o Blog de Leandro Araújo

Nota de Falecimento - Dartagnan Zanella

         
             Com grande tristeza lamentamos e comunicamos o falecimento do advogado Dartagnan Zanella Messias, 42 anos, vítima de um infarto fulminante na manhã deste dia do Jovem Tradicionalista, 5 de setembro. 

             Dartagnan integrou por muitos anos o Movimento Tradicionalista Gaúcho no Estado do mato Grosso do Sul, quando participou do CTG Sentinela do Pantanal, em Coxim-MS e, depois, do CTG Tropeiros da Querência, em Campo Grande-MS. Nossos profundos sentimentos e condolências a família enlutada.

terça-feira, 4 de setembro de 2018

A dança dos tropeiros - O Bailar Biriva


Nota de Falecimento - Pedro Ricier Bergenmaier

              É com pesar que comunicamos o falecimento de Pedro Ricier Bergenmaier, Patrão do CTG 20 de Setembro em cinco oportunidades, também foi coordenador da 3ª Região Tradicionalista, em duas oportunidades. O velório ocorre junto a funerária Brum da rua XV de novembro. Sepultamento hoje por volta das 10h.

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Resultados do Rodeio de Estância Velha e do Festival Pioneiro

               Festival Pioneiro do 35 CTG

MIRIM
Danças Tradicionais:
1° Lugar: CTG Guapos do Itapuí 
2° Lugar: CTG Gildo de Freitas 
3° Lugar: CTG Rancho da Saudade 
4° Lugar: CTG Querencia do Imbé 
5° Lugar: CTG Laço da Amizade

VETERANA
Danças Tradicionais:
1° Lugar: CTG Gildo de Freitas 
2° Lugar: CTG Tiarayú
3° Lugar: CTG Laço Velho
4° Lugar: CTG Chaleira Preta
5° Lugar: CTG Laço da Querencia

JUVENIL
Danças Tradicionais:
1° Lugar: CPF Piá do Sul 
2° Lugar: CTG Gildo de Freitas 
3° Lugar: CTG Querência do Imbé 
4° Lugar: CTG Tiaraju 
5° Lugar: CTG Unidos Pela Tradição

ADULTA
Danças Tradicionais:
1° Lugar: CTG Tiarayú - Bicampeão -
2° Lugar: CTG Aldeia dos Anjos
3° Lugar: CTG Brig. Raphael Pinto Bandeira 
4° Lugar: Sociedade Gaúcha Lomba Grande
5° Lugar: CTG Laço Velho


Rodeio de Estância Velha 

Danças tradicionais categoria Veterana 
1º lugar - CTG João sobrinho 
2º lugar - GAN Ivi Maraé 
3º lugar - CTG Aldeia dos Anjos 
4º lugar - CTG Tiaraju 
5º lugar - CTG Guapos do Itapuí

Danças tradicionais categoria Mirim
1º lugar - CTG M'Bororé 
2º lugar - CTG Guapos do Itapuí 
3º lugar - CTG Gildo de Freitas
4º lugar - CTG Rancho da Saudade
5º lugar - CTG Aldeia dos Anjos

Danças tradicionais categoria Juvenil
1º lugar - CTG Rancho da Saudade
2º lugar - CPF Pia do Sul
3º lugar - CTG Negrinho do Pastoreio
4º lugar - CTG Gildo de Freitas
5º lugar - CTG Guapos do Itapuí 

Danças tradicionais categoria Adulta
1º lugar - CTG Tiarayu
2º lugar - CTG Thomaz Luiz Osório
3º lugar - CTG Campo dos Bugres
4º lugar - CTG Velha Cambona
5º lugar - CTG Estância Gaúcha

Vem ai, o Festival Internacional de Folclore, de Soledade


Tradição gaúcha nos EUA - CTG Rancho Rio Grande apresenta a 12ª Semana Farroupilha