quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Conselho de Cultura do Estado do Rio Grande do Sul sabatina candidatos à presidência do MTG

Serena, detentora de conhecimento, Elenir mostra a cada fala que está preparada para gerir o Movimento Tradicionalista.
Jamais perde o controle, não ofende, fala com propriedade de quem tem vivencia e conhece os acertos e os erros
             O Conselho Estadual de Cultura do Rio Grande do Sul, presidido pelo grande marco Aurélio Alves, sabatinou os candidatos à presidência do MTG do RS, na tarde desta terça, 18. Simpatizantes e equipe de trabalho acompanharam seus candidatos ao evento, no auditório do Museu de Arte do RS (MARGS).
Dona Nilza Lessa que fez questão de fazer uma foto com Elenir Winck, disse que torce por ela, que se sente representada
Ricardo Fontoura, Diretor da Rádio Quero-Quero.net fez questão de ir ao evento cumprimentar a candidata à presidência
             Cada candidato teve 30 minutos para expor seus projetos e propostas de trabalho e, durante os outros 30 minutos foram questionados por Conselheiros de cultura de outros segmentos (um minuto para pergunta e dois minutos par resposta). Elenir foi muito tranquila e apresentou suas 17 propostas base, deixando claro que o diálogo é fundamental para uma boa gestão, bem como o trabalho em equipe.

           Os questionamentos dos Conselheiros variaram de intensidade mas foram todos respondidos com calma, serenidade, conhecimento de quem tem estrada e tem propostas. Elenir era elogiada pelos Conselheiros Estaduais a cada resposta dada. 
--------------------------------------------------------------------------------------
           Agenda da Candidata - Na Rádio Quero-quero

           Pela manhã a candidata Elenir Winck participou do programa Identidade Gaúcha da Radio Quero-Quero onde, com a mesma calma e serenidade de sempre, apresentou os pontos básicos de sua gestão, acompanhada de Renata Pletz e Anderson Hartmann (vídeo na pagina do Identidade Gaúcha).

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Então é Natal, em Cerro Grande do Sul - Dia 22 de dezembro


Romualdo Lopes Cunha Júnior é o novo Patrão da Centenária União Gaúcha

Parceria é tudo: Pamela Bilhafan Disconzi ao lado do Patrão
           “Hoje vivi uma das experiências mais incríveis que o Movimento Tradicionalista me proporcionou até hoje e a mais importante de todas com certeza. Ingressei na União Gaúcha João Simões Lopes Neto, em 1991, com nove anos de idade. Desajeitado, com extrema dificuldade de entender que dos pés era possível desenvolver sapateios (até hoje), lembro perfeitamente da primeira vez que entrei neste galpão para o meu primeiro ensaio no grupo juvenil, sim, já era gordo e não tinha tamanho pra dançar na mirim. De lá para cá já se passaram 27 anos, de sócio e apaixonado dos quais dezoito anos participando do grupo de danças adulto como dançarino e oito anos como parte da coordenação junto com a tia Marlene” – Escreveu emocionado, Juninho Cunha, em seu facebook oficial após ser eleito Patrão da Centenária União Gaúcha. Aos 36 anos, Diretor Executivo do vice Prefeito de Pelotas, Romualdo Lopes Cunha Júnior é o Patrão eleito da União Gaucha João Simões Lopes Neto.

          Em 2011, ingressou pela primeira vez na patronagem da entidade à convite do patrão, Carlos Roberto Tavares Meirelles. Este ano, com a partida precoce do saudoso “Tio Otávio”, Juninho assumiu como vice patrão da União Gaúcha,  para continuar ajudando a entidade no restante de mandato. 

          “Quis o destino e a patronagem atual que eu fosse então o representante para liderar o grupo que daria continuidade ao trabalho que é feito com tanto amor, carinho e dedicação em prol da nossa Centenária. Missão aceita, principalmente, pelo que a União Gaúcha representa na minha vida, na minha formação como pessoa, como profissional e principalmente sobre ter sido aqui dentro que aprendi as definições de amor e segunda família” – disse Cunha.

            A eleição foi no dia, 16 de dezembro, domingo, e Juninho vai liderar a equipe como patrão da União Gaúcha, que tem para ele um significado que transcende qualquer explicação, segundo ele. “Aquele garoto que aos nove anos entrou pela primeira vez neste galpão, hoje, aos trinta e seis anos assume com paixão, dedicação, amor e empenho esta casa que já me trouxe tantas alegrias. Farei todo o possível ao lado dos meus doze companheiros de Patronagem e dez conselheiros para que tenhamos uma gestão pautada pela união e transparência da mesma maneira que aprendi ao lado do atual patrão Beto” – falou emocionado. 

           “Seremos patronagem para todos sócios remidos, laureados, patrimoniais e contribuintes. Seremos patronagem para todos integrantes da mini mirim, mirim, juvenil, adulta, xirú, campeira, esportes. Que em 2019, possamos todos juntos comemorar os 120 anos da nossa Centenária Casa em grande estilo, do jeito que ela merece. Obrigado minha futura patronagem pelas mensagens de otimismo e por demonstrarem fidelidade e respeito em cada momento. Obrigado União Gaúcha por fazer parte da minha vida. Pelo Rio Grande e as tradições, TUDO!” – concluiu.

Parabéns, amigos da União Gaúcha. Parabéns Juninho, temos certeza que saberás levar muito bem, essa história centenária adiante.

GTC 20 de Setembro promove IV Natal Solidário e palestra em Xangri-Lá

        Uma noite de solidariedade. Sim, desta forma podemos definir a noite de domingo, 16, em Xangri-Lá, no GTC 20 de setembro, que fez o IV Natal Solidário e juntou (veja no foto) tampinhas e lacres para doar pra quem precisa.
         Um pequeno gesto, juntar o lacre, a tampinha ou a latinha... ajuda a natureza e contribui com quem comercializa para fazer o bem. Desta forma o projeto solidário buscou alimentos, além de doar a grande quantidade de tampinhas arrecadadas, bem como os lacres (que renderam 2 cadeiras de rodas).
         Além das apresentações das invernadas de danças do CTG, Rogério Bastos palestrou sobre o tema anual do MTG. Homenagens foram feitas para ex-prendas e peões da entidade, numa linda exposição de faixas e troféus, relembrando suas trajetórias.
          O evento contou com a presença da Diretora Cultural da 23ªRT, Delurdes Souza, membro da Comissão Gaucha de Folclore e da 1ª Prenda Juvenil da Região, Isabella Nunes, do CTG Estância da Serra, de Osório. 

domingo, 16 de dezembro de 2018

Palestra em Torres sobre o papel do jovem no tradicionalismo

          Ontem, sábado, 15 de dezembro, foi dia de conhecer mais uma entidade tradicionalistas pelo RS, de algumas que ainda não conhecemos, o CTG Porteira Gaúcha, em Torres, 23ª RT. Um bate papo bem descontraído com a juventude litorânea sobre o "Papel do Jovem no Tradicionalismo",
           Representando o Coordenador da 23ªRT, a vice-Coordenadora Maria Cardoso Faistauer deu as boas vindas ao publico, pois logo depois da conversa e do jantar seria realizado um acampamento.
           Chegamos este ano a marca de 712 palestras que, culminarão com a última do ano em Xangri-lá, também da 23ªRT, neste domingo.
          E ainda foi distribuido o jornal Informativo da 23ª RT, feito VOLUNTARIAMENTE, pela Bastos Produções para os amigos litorâneos.
Cerimonial: Maria Eduarda Baltazar Bittencourt  (Dudinha)
Patrão: Leandro Lopes
Vice coordenadora: Maria Cardoso Faistauer
Diretora Cultural da Região: Delurdes Souza da Costa
Vice Diretora Dep. Jovem Regional: Francesca Mondadori
1ª Prenda mirim: Isadora de Oliveira Borges
1ª Prenda Juvenil: Júlia H. Fernandes Ribeiro
1ª Chinoca: Elenice Maria Soveral

sábado, 15 de dezembro de 2018

Nota de Falecimento - Aluizio Menezes Perez

            É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do veterinário Aluizio Menezes Perez, de 24 anos, que morreu na noite passada, sexta-feira (14) após receber uma descarga elétrica durante um leilão de animais.

           Conhecido no meio dos ginetes como Lulu, ele veio à óbito após um choque que recebeu ao pegar o microfone durante um remate na Cabanha Veio D'Água, em Piratini.  Outras pessoas já tinham falado antes no microfone, mas, no momento em que ele pegou, houve uma forte descarga elétrica. "Foi um choque violento que projetou ele para trás" - disse o médico Ricardo Kroef

Nota da URCAMP: "É com extremo pesar que a Urcamp, em nome da Reitora Lia Quintana, lamenta a passagem precoce do ex-aluno do curso de Medicina Veterinária Aluizio Perez. A Urcamp deseja conforto espiritual e coloca-se a disposição dos familiares e amigos!"

Nota de falecimento - Luis Henrique Bueno

           
          É com muita tristeza e pesar que comunicamos o falecimento do menino Luis Henrique Bueno, de 8 anos, natural  de Soledade,  que sofreu uma queda de um cavalo em Espumoso, durante um rodeio. 

          Ele veio à óbito na sexta, 14, no Hospital São Vicente de Paula, em Passo Fundo. Luís Henrique  teve traumatismo craniano após um tombo, no rodeio que acontecia no município.

           Nossas condolências à família, que a luz e o amor divino pairem sobre a alma de quem sofre esta perda, os console e lhes dê serenidade para atravessar esta tempestade. 

Governador Eduardo Leite apresenta Beatriz Helena como Secretária de Cultura

 
Governador eleito apresenta Secretaria de Cultura
        Beatriz Helena Miranda Araujo nasceu em Pelotas em 1962. Iniciou as atividades na cultura aos 22 anos, em 1985, como assessora da presidência na Fundação de Cultura, Lazer e Turismo de Pelotas (FUNDAPEL). Atuou de 1988 a 1992 na direção do Theatro Sete de Abril. Em 1992, deu início a trajetória como produtora cultural independente.


           Na área de preservação de patrimônio, em Pelotas, trabalhou no restauro do prédio da Bibliotheca Pública Pelotense, a recuperação e modernização do Theatro Sete de Abril (2002) e a aquisição e restauro integral da casa de João Simões Lopes Neto. Coordenou projeto de instalação do Instituto João Simões Lopes Neto, com aquisição de mobiliário e equipamentos.

           Em Porto Alegre produziu o projeto Jardim Lutzenberger, na Casa de Cultura Mario Quintana. Na literatura, de 1998 a 2002, captou recursos e produziu cinco edições da Feira do Livro de Pelotas, a publicação de livros de arte e patrimônio como “Lutzenberger e a Paisagem”, “História Iconográfica do Conservatório de Música de Pelotas”, “Sete de Abril - o Teatro do Imperador”.

            Foi por duas vezes Secretária de Cultura de Pelotas, quando criou o Conselho Municipal de Cultura e o Sistema Municipal de Museus. Entre 2015 e 2016 produziu projetos referentes ao Biênio Simoneano, como a exposição sobre a vida e obra de João Simões Lopes Neto, no Santander Cultural, em Porto Alegre, e a criação e instalação no Centro Histórico de Pelotas de escultura em tamanho natural de Simões.

            Em 2018 atuou na coordenação e produção executiva da 11ª Bienal do Mercosul e do Dicionário da Cultura Pampeana Sul-Rio-Grandense, de Aldyr Garcia Schlee, a ser lançado em março de 2019. Também coordenou o projeto que viabilizou a primeira etapa da restauração da Casa de Garibaldi, em Piratini.

           Atuou na Associação de Produtores Culturais do RS desde a criação da entidade (1999) em defesa da manutenção da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, bem como no seu aperfeiçoamento, em parceria com o deputado Bernardo de Souza e que proporcionou a participação de pequenas empresas, até então excluídas do sistema.

         De 2010 a 2012 presidiu o Conselho Municipal de Cultura de Pelotas.

Fonte: Material enviado
Por Claudio Kneirin

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Viagem ao Rio Grande do Sul, de Auguste Saint Hilaire - Parte XXVII

Abril de 1821 
São Nicolau - Professor - Higiene guarani

         A regularidade da aldeia de São Nicolau e o tamanho de seus prédios surpreende por terem sido feitos por semi-selvagens guiados por alguns religiosos, mas a amargura invadia seus sentimentos ao constatar a quantidade de casas abandonadas e destruídas. Quando os gaúchos chegaram pouco restava e trataram de logo destruí-las, utilizando como proteções em batalhas.

        Um grande número de habitantes já havia fugido, os poucos que restaram, ou que retornaram, tiveram seus jovens alistados, resumindo a aldeia em velhos, mulheres e crianças.

        Também aqui há mestre-escola Guarani, que ensina uma dúzia de crianças. Eles possuem papelões onde estão os escritos bíblicos. Faltam livros e os professores são obrigados a escrever tudo que os alunos deveriam ler. Em retribuição recebem gêneros alimentícios da comunidade, o que representa ser um voluntário nas suas atribuições.

        A higiene é uma das qualidades nas mulheres guaranis, mesmo com vestes esfarrapadas, estão sempre limpas. Sua vestimenta é uma camisa e um vestido de algodão, pés descalços e cabelos muito compridos, enrolados atrás da cabeça e envolvidos em um véu quando vão a igreja.

Webserie feita por
Jeandro Garcia

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

A data de 13 de dezembro marca o nascimento de Barbosa Lessa, há 89 anos

        Bem quando espirava a tarde e nascia a noite de 13 de dezembro, em 1929, chegou ao mundo Luiz Carlos Barbosa Lessa na Chácara Boa Esperança, imediações da histórica vila Piratini, a primeira capital farroupilha.

        Dona Alda, a mãe, ensinou-lhe as primeiras letras e palavras da alfabetização, as primeiras notas do piano e o gosto pelo matraquear na máquina de escrever, Olivetti, nunca trocada por computador. Desde o início foi tomado de encanto pela literatura e pela música.

         Em Pelotas fez o curso ginasial no Colégio Gonzaga. Já ligado ao texto, fundou o jornalzinho O Gonzagueano. O gosto musical, pela pesquisa e o folclore, o fez reunir um grupo de amigos com este fim: Os Minuanos. (Mais tarde fundaria o Conjunto Farroupilha, com apresentações exitosas no Brasil, Estados Unidos e China).

          Com 15 anos, mudou-se para Porto Alegre. Enquanto trabalhava como "foca" na Revista do Globo, cursava o 2° Grau no Colégio Júlio de Castilhos. Ali conheceu Paixão Cortes e um grupo de amigos. Criaram o departamento de tradições gaúchas no "Julinho", inspiração primeira que tornaria realidade algo maior: a criação do primeiro Centro de Tradições Gaúchas, o CTG 35, em 24 de abril de 1947, sendo seu primeiro Patrono. Era um novo alvorecer para as tradições do Rio Grande do Sul.

         Em 1952, na capital gaúcha, formou-se advogado para ser, por 20 anos, em São Paulo, homem de publicidade, de histórias em quadrinhos, de televisão, de teatro, de cinema. E de literatura. Seu primeiro livro, Os Guaxos, conquistou, em 1959, o Prêmio Nacional de Romance, pela Academia Brasileira de Letras. Para Walter Spalding "o melhor e o maior romance do Rio Grande do Sul até hoje aparecido”.

        Volta de São Paulo e, já no Rio Grande do Sul, torna-se Secretário de Cultura, no governo Amaral de Souza, Barbosa Lessa, dentre tantos feitos importantes, marca sua gestão promovendo a aquisição do desativado Hotel Majestic, para ser a Casa de Cultura Mário Quintana.

Ao lado do parceiro e "ermão", Paixão Cortes - Muitas pesquisas foram feitas
         Nas últimas ações de sua luta pela cultura, em 2000, conquista merecido destaque em promoção da RBS, sendo eleito pelo povo rio-grandense como um dos "20 gaúchos que marcaram o século XX" mesmo morando, como dizia, no meio dos bichos e dos índios, na reserva ecológica de Água Grande, no interior de Camaquã.

        Elegeu-se Patrono da 46ª Feira do Livro de Porto Alegre, em 2001, o que muito o orgulhava.  Em 11 de março de 2002 partiu a camperear com o Negrinho do Pastoreio, na invernada grande do Céu.

        Começando a publicar em 1951, Lessa somou mais de meio século de produção literária. Editou quase 70 títulos, nos mais variados campos e gêneros. 

          Foi, também, em 13 de dezembro, só que de 1912, que nasceu o "Rei do Baião", Luiz Gonzaga.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

O Rio Grande reverencia Barbosa Lessa

          Na semana em que Luiz Carlos Barbosa Lessa completaria 89 aos, uma serie de homenagens estarão acontecendo. Nesta quinta, 13, dia do aniversário de Lessa, o programa Identidade Gaúcha fará um especial relembrando esta figura. A partir das 8h, com apresentação de Rogério Bastos e Liliane Pappen, com a presença marcante de Fabinho Nascimento, do "Tome Tento". Ainda no dia 13, no Memorial do Rio Grande do Sul, Rua Sete de Setembro, 1020 - Praça da Alfândega tem a exposição 10x Lessa. Um painel sobre a dimensão cultural do multifacetado tradicionalista gaúcho, no auditório do primeiro andar, com entrada franca. Como debatedores, participam o publicitário e escritor Luiz Coronel, o jornalista Renato Dalto e o professor e crítico literário Luís Augusto Fischer.

         Já no dia 15, o projeto "Barbosa Lessa Multimidia do Sul do Brasil" realiza em Piratini, na Praça da República Rio-grandense, as 20h, o espetáculo Barbosa Lessa um canto de saudade.


            Bem quando espirava a tarde e nascia a noite de 13 de dezembro, em 1929, chegou Luiz Carlos Barbosa Lessa na Chácara Boa Esperança, imediações da histórica vila Piratini, a primeira capital farroupilha.
           Dona Alda, a mãe, ensinou-lhe as primeiras letras e palavras da alfabetização, as primeiras notas do piano e o gosto pelo matraquear na máquina de escrever, Olivetti, nunca trocada por computador. Desde o início foi tomado de encanto pela literatura e pela música.
           Em Pelotas fez o curso ginasial no Colégio Gonzaga. Já ligado ao texto, fundou o jornalzinho O Gonzagueano. O gosto musical, pela pesquisa e o folclore, o fez reunir um grupo de amigos com este fim: Os Minuanos. (Mais tarde fundaria o Conjunto Farroupilha, com apresentações exitosas no Brasil, Estados Unidos e China).
           Com 15 anos, mudou-se para Porto Alegre. Enquanto trabalhava como "foca" na Revista do Globo, cursava o 2° Grau no Colégio Júlio de Castilhos. Ali conheceu Paixão Cortes e um grupo de amigos. Criaram o departamento de tradições gaúchas no "Julinho", inspiração primeira que tornaria realidade algo maior: a criação do primeiro Centro de Tradições Gaúchas, o CTG 35, em 24 de abril de 1947, sendo seu primeiro Patrono. Era um novo alvorecer para as tradições do Rio Grande do Sul.
           Em 1952, na capital gaúcha, formou-se advogado para ser, por 20 anos, em São Paulo, homem de publicidade, de histórias em quadrinhos, de televisão, de teatro, de cinema. E de literatura. Seu primeiro livro, Os Guaxos, conquistou, em 1959, o Prêmio Nacional de Romance, pela Academia Brasileira de Letras. Para Walter Spalding "o melhor e o maior romance do Rio Grande do Sul até hoje aparecido”.

            Volta de São Paulo e, já no Rio Grande do Sul, torna-se Secretário de Cultura, no governo Amaral de Souza, Barbosa Lessa, dentre tantos feitos importantes, marca sua gestão promovendo a aquisição do desativado Hotel Majestic, para ser a Casa de Cultura Mário Quintana.

           Nas últimas ações de sua luta pela cultura, em 2000, conquista merecido destaque em promoção da RBS, sendo eleito pelo povo rio-grandense como um dos "20 gaúchos que marcaram o séc. XX" mesmo morando, como dizia, no meio dos bichos e dos índios, na reserva ecológica de Água Grande, no interior de Camaquã.

          Foi escolhido Patrono da 46ª Feira do Livro de Porto Alegre, em 2001, o que muito o orgulhava.  Em 11 de março de 2002 partiu a camperear com o Negrinho do Pastoreio, na invernada grande do Céu.

           Começando a publicar em 1951, Lessa somou mais de meio século de produção literária. Editou quase 70 títulos, nos mais variados campos e gêneros. 

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

DTG do Internacional soma novos triunfos emPorto Alegre e Canguçu

        O Departamento de Tradições Gaúchas (DTG) Lenço Colorado participou de eventos durante o último final de semana e obteve mais vitórias. No 1º Rodeiro Cabanha RM, realizado em Porto Alegre, as prendas Natasha Wirtti e Priscila Jardim foram as campeãs nas modalidades "Laço Prenda" e "Duplas Força B".

       Em outra disputada, realizada em Canguçu, no sul gaúcho, o DTG do Internacional também foi vencedor. No Rodeio Força C, Debora Araujo e Antônia Gonçalves foram campeãs da categoria "Laço Dupla". Araujo ainda alcançou o 8º lugar no Duelo de Prendas "Gladiadoras do Laço".

Natal do Bem - Todos juntos por uma grande causa


domingo, 9 de dezembro de 2018

Foi um sucesso o baile de formatura do CTG Rancho da Saudade

Na foto, acima, os professores responsáveis pelo Curso de Danças Gaúchas de Salão no CTG Rancho da Saudade
         Para aqueles que se queixam que os bailes tem pouco público tem que se espelhar no trabalho que realizou o grupo de professores da equipe Fandangueiros Gildo de Freitas. 

          O CTG Rancho da Saudade promoveu um jantar baile de encerramento das atividades artísticas do ano de 2018 e formatura do curso de fandango, reunindo mais de 700 pessoas. Teve apresentação do grupo pré Mirim e Mirim do CTG e um espetáculo dos formandos de danças de salão.

           Fazem parte dos Fandangueiros Gildo de Freitas: Cris Pistorello, Alexandre Rodrigues, Juliano Bitencourt, Ana Marlene Pereira Ribeiro, Tiago Antunes e Tiago Pereira. Se quiser sucesso no teu baile e no teu curso, leve esta equipe.

          Fomos muito bem recebidos pela patronagem e invernadas do CTG, além dos componentes dos Fandangueiros Gildo de Freitas, em especial o Tiago e a Cris, além do Carlos Gomes, o Tiririca, que não nos deixou sair sem provar o seu assado. Um abraço ao pessoal da cozinha, onde jantamos, aquela comida deliciosa. E parabéns ao grupo adulto, Hexacampeão do ENART.
Acima, toda equipe dos Fandangueiros Gildo de Freitas  - Fotos: Ogando tradicionalista/Alvorada

Radio Quero-quero faz confraternização com seus comunicadores

         Com dez anos de estrada, a rádio Quero-quero.net comemorou seu grande momento neste final de ano, ao lado de seus locutores, na noite festiva de sexta-feira (7), no Rancho do Fontoura.

          O Diretor da rádio, Ricardo Fontoura, agradeceu a cada comunicador o trabalho de 2018, onde os índices de audiência da Quero-quero.net foram positivos e satisfatórios. “Quero agradecer a cada um, com seu estilo, com as características de seus programas, fizeram a quero-quero crescer” – comemorou.

         Um a um dos locutores deixaram sua mensagem em um ambiente de amizade, de paz, de tranquilidade. Jean Kirchoff e Analise Severo, que vieram de Santa Maria, exclusivamente para a festa, comemoraram o momento que vive o “Universo Gaúcho”, programa que apresentam de terça à quinta, das 22h às 24h. Katiéle Vargas, a “Flor Gaúcha” estava radiante de alegria e já convidava para todos escutarem seu programa no sábado, às 15h.

             Dionísio Costa divertiu a todos com sua memoria musical e com seus versos de improviso. Muitas histórias eram contadas nos grupos que se formavam, em permanente rodizio, todos, festejando com todos. Luiz Fernando Tressino foi o escalado para a churrasqueira e deu conta do recado.

            A mensagem de final de ano do diretor Ricardo Fontoura foi de otimismo para 2019, de novos locutores, novas vozes e um grande crescimento. Disse da liberdade que cada programa tem de levar ao ar seu produto de qualidade e que ele confia em cada um dos comunicadores.

            Depois de muito churrasco, linguiça campeira, regado de cerveja, refrigerantes e pudim, a galera da radio gravou uma chamada de natal e ano novo, com versos de Dionísio Costa.

"Mais um ano se termina
Em seguida tem um novo 
E queremos que o nosso povo 
Razão que nos ilumina 
Tenha só paz em sua sina 
Conforme o bom Deus promete 
E que a esperança que se repete 
Renove os nossos valores 
É o que desejam os locutores 
Da quero-quero ponto net"

Nossa Programação na Rádio Quero-quero.net:

Galpão de Campanha – De segunda à sexta, das 10h ao meio-dia com Ricardo Fontoura
Melodia Urbana – Segunda e sexta, das 19h às 21h – com Rogério Mauermann
Prosa de Gaúcho – Terça e quinta, das 19h às 21h com o grande Dionísio Costa
Identidade Gaúcha – Terça à quinta, das 8h às 10h – Rogério Bastos e Liliane Pappen
100% Gaúcho – Terça e quinta, das 15h às 17h - com Fúlvio Lopes
Universo Gaúcho – De terça à quinta, das 22h à meia-noite, com Jean Kirchoff e Analise Severo
Linha Campeira – Domingo, das 11h às 13h, com Lucas Negri, Luiz de Bragas & Everton Morango
Grande Rio Grande - Usos e costumes do povo sulino - Domingo as 13h, com Wilson Tubino
Flor Gaúcha – Sábado das 15h às 17h, com Katiele Vargas

       Além destes, os programas de musica como "Solamente solo", "Valsas", "Especial Telmo de Lima Freitas" , "sin fronteira", e musical em geral.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

CEC promove encontro para apresentar os candidatos à presidência do MTG


Viagem ao Rio Grande do Sul, de Auguste Saint Hilaire - Parte XXVI

Março de 1821 

Agricultura - construções - hospitalidade - mal comportamento de seus empregados

          Instala-se na Chácara de Chico Penteado, salientando que chácara é a propriedade de menor tamanho que uma estância, onde só cuidam da agricultura. Estas terras por este local são muito boas, cultivam trigo, milho, algodão, feijão, arroz, amendoim, mandioca, melancia, abóbora, melão e todas as frutas da Europa. Há tão pouca agricultura por estes lados que chegam a vir de São Borja para comprar frutas e amendoim. Uma produção maior renderia fortunas de forma muito rápida.

           Pelo que ouviu dizer, a região da Capela do Alegrete é em toda capitania onde se assemelha mais aos "gaúchos", a começar pelo Marechal Abreu, que comanda o local.

           Aldeia de São Nicolau, construída no mesmo plano de São Borja, possui uma igreja voltada para o norte, erguida em um praça, rodeada de casas e com três altares. Estás casas não passam de divisórias de extensas construções, onde o telhado constituem ao redor de uma larga galeria.

          No tempo em que esteve em São Nicolau recebeu do administrador toda sorte de agrados, como comida pra sua comitiva, no primeiro dia, legumes, e no restante, carne vinda de vacas que foram apreendidas em uma estância. Para sua viagem lhe deram um quarto, mas sem querer lhes dever nada a estes índios tão miseráveis, presenteou com 3 ponchos as crianças mais pobres.

           Embora seus empregados lhes prestem grandes serviços, Saint Hilaire queixa-se da má vontade de sua gente, resolve então recolher-se e conversar o mínimo possível, o que deixa a viagem ainda mais cansativa ao ser obrigado a se concentrar em si mesmo, sem esperar qualquer sinal de afeição daqueles que o acompanham.

          O cuidado de manter provisões para sua gente é extremamente fadigante em uma terra que não se encontra quase nada. Se precisam de carne, não importa a quantidade, comem tudo e jogam fora o que resta sem pensar no amanhã, mesmo sabendo que não haverá nada para se alimentar no próximo dia. 

Texto do Identidade Gaúcha - Cachorro é cachorro, gente é gente

     É comum ouvir críticas a quem trata cachorro como se fosse gente. Concordo. Plenamente.

     Cachorro é cachorro, gente é gente.

     Cachorro tem que ser tratado como cachorro – com respeito à sua fidelidade, ao seu caráter. Porque cachorro não trai. Não mente.

     Cachorro te ama pelo que você é, seja lá quem você for: ministro do Supremo, senador petista ou indigente.

     Cachorro não finge, não forja, não frauda. Cachorro só sabe o que sente.

      Passa fome ao seu lado – e se não acha bonito não ter o que comer, pelo menos não te chama de traste, perdedor ou incompetente. Nem te dá uma pata na bunda e te troca por alguém mais atraente.

     Cachorro não faz jogo de cena. Não guarda mágoa. Cachorro é emocionalmente inteligente. Perdoa sem que você tenha que implorar perdão. E, uma vez perdoado, o perdão é permanente.

     Por que haveríamos de tratar um ser assim como se fosse gente?

     Gente a gente também não deve tratar como cachorro.

     Porque não é qualquer um que merece carinho na barriga, cafuné na orelha, demonstração de amor sem motivo aparente.

    Tirando o Mike Tyson, o Suárez e nós mesmos na hora do amor, gente não morde. Mas há outras formas de se cravar o dente. No coração, no bolso, na alma. Por vezes com veneno de serpente.

     Gente fofoca, inveja, calunia. Te beija enquanto te entrega, e te odeia, sorridente.

     Cachorro obedece, respeita, se submete. Mas só gente é subserviente.

     Gente ama com ressalvas, faz promessas que não cumpre. 
Só cachorro (e uma ou outra mãe) é que ama incondicionalmente.

     Por que tratar como cachorro - que fica ao seu lado até a morte - alguém que te abandona de repente?

     Não, é totalmente sem noção e incoerente tratar gente como se fosse cachorro - e tratar cachorro como se fosse gente.

(para Benedita, Negão, Cacau, Catarina, Luke, Bento, Pretinha, Chico, Duda, Sírius, Olívia, Caio, Corina, Argos, Francelino, Kwai Chang, Tsuki e todos os que fizeram e fazem mais feliz a minha vida, e aos que ainda a farão daqui pra frente).

(Texto postado no face em 6 de setembro de 2016, quando o Tião ainda não tinha se incorporado à matilha, e por isso não é mencionado na dedicatória, explicitamente. Na foto, a Benedita - que amei mais que a muita gente.)

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Documentário sobre tradicionalismo vence Festival de Curtas da 36ª CRE

     
       O documentário “Gaúchos ijuienses: uma história de amor às tradições” ganhou reconhecimento por parte da comunidade regional na noite da última sexta-feira, 30 de novembro. O episódio da série Lagarteando, da turma de Telejornalismo II do curso de Jornalismo da Unijuí, foi coroado com os prêmios de Melhor Documentário, Melhor Direção e Melhor Roteiro na Categoria Independente do 2º Festival Curtas na Escola. O evento tem promoção do Jornal da Manhã e realização do Núcleo de Tecnologia Educacional da 36ª Coordenadoria Regional de Educação - NTE/36ª CRE.

             O material foi produzido por Daiana Dal Ros, Daniella Koslowski, Giovana Carré e Manuela Engster, contando com o suporte do editor de vídeo Celio Ferrazza e a orientação do professor Celestino Perin. Durante o primeiro semestre deste ano, as acadêmicas de Jornalismo se dedicaram a acompanhar atividades do Movimento Tradicionalista Gaúcho e do Movimento Étnico, para retratar a força da cultura no município de Ijuí/RS. 

            Foram incluídos registros com personalidades de diversas gerações e de grandes eventos realizados pelas duas instituições.

     O documentário vencedor está disponível no link: https://www.youtube.com/watch?v=pwn1UKTBO8o&t=115s. 

BLOG: Quero agradecer a jovem Daiana Dal Ros e seus colegas, aproveito para cumprimenta-los. Belo trabalho!

Toni Pereira, no Identidade Gaucha desta sexta

Não.. o Identidade Gaucha não tem programa na sexta, mas para ajustar a agenda do Toni, combinando com o programa que não foi ao ar hoje, por problemas de internet, estaremos fazendo um especial nesta sexta, as 8h. Vem com a gente!

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

Vem aí o 31º Rodeio Crioulo Nacional de Veranópolis



Datas comemorativas - 4 de dezembro, da do artista gaúcho

04 de dezembro é o dia do Poeta Repentista Gaúcho e dia do Artista Regional Gaúcho

A lei 8.814, de 10 de janeiro de 1989, de autoria do deputado e poeta, Joaquim Moncks, consagra Gildo de Freitas (Leovegildo José de Freitas), falecido em 1982, patrono do poeta repentista gaúcho e Teixeirinha (Vitor mateus Teixeira), que faleceu em 1985, patrono do artista regionalista Gaúcho. Esta Lei teve a iniciativa e o trabalho de pesquisa para o projeto de Lei, realizados pelo tradicionalista Paulo Roberto de Fraga Cirne. 

          A ASSOCIAÇÃO DE TROVADORES LUIZ MÜLLER, de Sapucaia do Sul, foi criada no mesmo ano, 1989, e também todos os anos faz reverências a data, com homenagens aos dois vates e também ao trovador Mário Bandeira, Patrono Espiritual da Entidade, que também faleceu no dia 4 de dezembro.

        Então, nesta data, a nossa reverência a esses Artistas da Música Regionalista. Gildo de Freitas faleceu em 4 de dezembro de 1983 e Teixeirinha faleceu em 4 de dezembro de 1985. Eles continuam sendo DOIS GRANDES representantes da MÚSICA REGIONALISTA DO RIO GRANDE DO SUL. Não só no Rio Grande do Sul, mas no BRASIL. Também nossa reverência ao saudoso trovador Mário Bandeira.

       Também num dia 04 de dezembro, do ano de 2014, morria o tradicionalista Vilmar Romera, apresentador e um dos maiores incentivadores da Cavalgada do Mar, sendo seu comandante a partir da 5ª edição. 

        O canto de improviso, no Rio Grande do Sul é conhecido como trova e é uma das manifestações espontâneas mais antigas do estado. Segundo Paulo Roberto de Fraga Cirne, em seu livreto, intitulado "Canto de Improviso", existe registro de um trovador nos tempos da Revolução Farroupilha, chamado Pedro Canga (Pedro Muniz Fagundes, de Herval). 
        
        No Rio Grande do Sul, atualmente, os trovadores usam o estilo das seguintes modalidades para trovar: Trova Campeira, ou Mi maior de gavetão, Trova Estilo Gildo de Freitas (da musica 'Definição do Grito'), Trova do Martelo e a Trova em Milonga. Mas já se trovou no estilo Oi-La-Rai e tira-teima (ou tira-cisma).

             Gildo de Freitas nasceu em Porto Alegre, dia 19 de junho de 1919, no bairro Passo D'Areia, tornou-se um menino muito rebelde, tanto que aos 12 anos fugiu de casa pela primeira vez. Casou com Dona Carminha em 1941 e, três anos depois nasceu o primeiro filho. A partir de 1950 conhece Getúlio Vargas e trabalha em sua campanha cantando, a policia larga um pouco do seu pé, e logo Gildo encontra fama nos programas de rádio e auditório. A "briga" com Teixeirinha chegou ao auge nos anos 70, quando se mudou novamente para Viamão e inaugurou a Churrascaria Gildo de Freitas e deu início aos bailões. Em uma vida de altos e baixos, Gildo vem a falecer na capital em 4 de dezembro de 1982.

            Vítor Mateus Teixeira nasceu em Rolante, no dia 3 de março de 1927  e é mais conhecido pelo seu nome artístico Teixeirinha, o "Rei do Disco" (pelos recordes de vendas). Quando tinha seis anos seu pai faleceu e, aos nove, perdeu sua mãe. Foi para a casa de parentes que, sem condições, não conseguiam sustenta-lo. Então Teixeirinha partiu para trabalhar no que podia. Desde mão de obra em granja, vendedor de doces em pensão, carregador de malas, entregador de viandas, vendedor de jornais, enfim fazia qualquer atividade para poder sobreviver. Aos 18 anos alistou-se no exército, mas não chegou a servir. Nessa ocasião foi trabalhar no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER), como operador de máquinas, onde ficou por seis anos. Dali saiu para tentar a carreira artística, cantando nas rádios do interior, nas cidades de Lajeado, Estrela, Rio Pardo e Santa Cruz do Sul.

           Teixeirinha teve um recorde de venda de discos sendo que, até 1983, lançou 70 LPs, compôs algo em torno de 1200 musicas e vendeu mais de 100 milhões de cópias. Assim como Mazzaropi, foi um dos maiores fenômenos populares do cinema sul-americano regional. No caso do cantor gaúcho, seus filmes chegaram a superar um milhão e meio de espectadores, apenas nos três estados do sul do país. A fórmula era semelhante: baseavam-se em músicas de autoria de Teixeira, que interpretava a si mesmo. Teixeirinha faleceu vítima de câncer, no dia 4 de dezembro de 1985 e está enterrado no Cemitério da Santa Casa de Misericórdia, em Porto Alegre.

Fonte: Paulo Roberto de Fraga Cirne
Blog do grande Leo Ribeiro de Souza