terça-feira, 17 de julho de 2018

35 anos sem Glaucus Saraiva

Glaucus Saraiva, ao centro, com Guilherme Schultz Filho(E) e Edson Otto(D)
           O tempo passa. E passa rápido. Foi num 17 de julho de 1983, que nos deixava Glaucus Saraiva da Fonseca. Nascido em São São Jerônimo, em 24 de dezembro de 1921, se fosse vivo, estaria fazendo, este ano, 97 anos.

            Glaucus foi um poeta crioulo, autor da poesia famosa, Chimarrão, soldado do tradicionalismo, folclorista, historiador, professor, pesquisador, escritor, conferencista, músico e compositor. Foi sócio fundador da Estância da Poesia Crioula e do 35 Centro de Tradições Gaúchas, do qual foi o primeiro patrão. Idealizou e tornou realidade o IGTF - Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore, órgão vinculado a Secretária de Estado da Cultura, instituído pelo Decreto n.º 23.613, de 27 de dezembro de 1974, tendo sido seu primeiro diretor técnico, o Parque Histórico General Bento Gonçalves da Silva, na Estância do Cristal e o Galpão Crioulo do Palácio Pirati, que pelo Decreto Estadual nº 31.204, de 1º de agosto de 1983, passou a chamar-se Galpão Gaúcho Glaucus Saraiva

           Foi professor de folclore do curso de Pós-Graduação da Faculdade de Música Palestrina, professor no Curso de Extensão Universitária da PUC (Folclore na Educação) e no SENAC (Culinária Gauchesca e Usos e Costumes do Sul), e conferencista internacional sobre folclore. Presidiu três congressos tradicionalistas: em Santa Vitória do Palmar (1973), Pelotas (1975) e Passo Fundo (1977). Desenvolveu, também, profunda pesquisa sobre os brinquedos tradicionais das crianças gaúchas, promovendo exposições e publicações a este respeito. Formulou a Carta de Princípios do MTG - Movimento Tradicionalista Gaúcho, o mais importante documento para a fixação da ideologia e dos compromissos tradicionalistas, aprovada no 8º Congresso Tradicionalista, em julho de 1961 em Taquara - RS. Autor da nomenclatura simbólica do tradicionalismo.

     Publicou ainda os ensaios “Manual do Tradicionalista” e “Catálogo da Mostra de Folclore Juvenil”. Foi vocalista dos conjuntos “Os Gaudérios” e “Quitandinha Serenaders” entre 1950 e 1955, além de atuar na Rádio Farroupilha e Rádio Nacional do Rio de Janeiro, de 1948 a 1955.

Fonte: Blog do Leo Ribeiro

domingo, 15 de julho de 2018

Palestra no Curso de Formação de Professores, em Gravataí

À convite da Escola Municipal Bárbara Maix, estaremos palestrando para os professores, dia 25

Regional do ENART, 1ª RT - Classificados em Declamação, Interprete, Dança de Salão e Chula



Fonte: Gabriel Luis Soares - Peão Farroupilha da 1ªRT



Tropeirismo - Mais um dia de aprendizado

No Açouta (ou Açoita) Cavalo, com os amigos Marco Aurélio Angeli e Valter Fraga Nunes

Pinhão na chapa, o último cincerro fabricado por um especialista e um delicioso café de cambona, ou de chaleira
          O ensolarado sábado, deste inverno de 2018, proporcionou um dia maravilhoso para grandes aprendizados. A localidade de Açoita Cavalo, divisa entre Rolante e Taquara, próximo ao Parque do RolanTchê, onde reside o tropeiro e ex-coordenador da 22ªRT, Marco Aurélio Angeli, o Zoreia, recebeu os jornalistas Rogério Bastos e Liliane Pappen Bastos e o casal Jeandro Garcia e Ewilin Ayres. Já na chegada foi oferecido um pinhão na chapa, um café de cambona (de chaleira, ao melhor modo Turco, com um tição em brasa) e um bolo tropeiro com torresmo, ovo e farinha.
          Desde cedo na lida, Zoreia e Valter Fraga Nunes, passaram a ensinar os manejos para os atentos espectadores que, depois, forma para a pratica. Os experientes tropeiros explicaram as peças, mostraram como funciona e para que serve cada utensilio. O almoço (as 14h) teve aipim salada de radiche com tomate seco, da horta do Zoreia, e uma linguiça de carne de porco, cortada a faca e feita no fogão a lenha, por ele também.
           Na parte da tarde, depois do almoço teve passeio de carroção e as últimas gravações. Mas o trabalho não termina por ai. Quarta-feira a dupla tem mais gravação pela frente. Logo, logo este material será disponibilizado em forma de websérie pela internet.

           Ao lado do amigo Jeandro Garcia tivemos a oportunidade de experimentar o arreamento de muares. Aprender o uso da cangalha, peitoral (diferente da peiteira do cavalo), as bruacas, arreata, o Ligal (peça de couro cru com o qual se cobre as cargas dos animais), e do tranca-fio (tira de couro).

      os causos contados à beira do fogo, pelo Zoreia, enquanto mateávamos, alegrou o ambiente. Foram muitas risadas nos longos momentos de descontração e alegria com os amigos (nem lembramos da disputa de 3º e 4º lugares da Copa do Mundo). A grande parceria da Liliane e da Ewilyn que deram a maior força para que o encontro transcorresse como foi. Em pouco tempo teremos uma web série com dicas para que os Piquetes e CTGs se organizem para os festejos farroupilhas.

sábado, 14 de julho de 2018

Viagem ao Rio Grande do Sul, de Auguste Saint Hilaire - Parte X

Novembro de 1820 - Auguste de Saint-Hilaire

 Montevidéu - Costumes locais 

     Chega a Montevidéu, com grande dificuldade para arranjar um local para ficar é acolhido por um Padre, depois em uma padaria. Apresentado às autoridades e convidado a conhecer o teatro e assistir a uma peça. Logo após seguem para um baile, onde as mulheres eram muito bonitas e bem vestidas, boas maneiras e delicadas, os homens são apáticos. Refrigerantes eram servidos e ao contrário do Rio Grande onde havia muito exagero, aqui a mesa poderia se pensar que estava posta para meia dúzia de meninos.

            A cidade possui cerca de 15 mil habitantes, poucos negros e menos ainda mulatos, sendo a cidade mais ativa que conheceu depois do Rio de Janeiro. A maioria são negociantes. A água potável vem da chuva e é armazenada em cisternas.

           O leite é vendido por meninos, a cavalo, com garrafas de barro amarradas por couros.

           A gente deste país não manifesta grande interesse político, diferente de sua herança europeia/espanhola. 

           Repara que as crianças são mais ativas e se divertem mais que as brasileiras, mas lhe é avisado sobre as alterações conforme o clima, pois passou pelo Rio Grande no inverno, e agora já se faz novembro. 

          As mulheres da cidade se vestem bem, não se trancam em suas casas e reúnem-se seguidamente em outras casas. São cordiais com os visitantes mas sem afetação, conversam bem e procuram ser agradáveis. Em qualquer nível social possuem graça e delicadeza. Há também pela cidade mulheres mundanas, mas não se oferecem aos homens, como as europeias.

           Ha um hospital equipado para 50 leitos, feitos de cavaletes, estrado de couro e um colchão pouco grosso. Desde que os portugueses estão em Montevidéu há no hospital um parte para crianças abandonadas, como uma roda na parede, onde são entregues e passadas ao interior, sendo confiadas a amas que os amamentam. No primeiro ano 40 crianças foram trazidas.

Texto de Jeandro Garcia

Parceria com Leo Ribeiro de Souza

Nota de Falecimento - Alvaro Nascimento

            É com imenso pesar que comunicamos o falecimento do ex-patrão do CTG Sinuelo da Amizade de Cachoeirinha, Alvaro Antonio do Nascimento. O velório foi na capela 4, do Cemitério Memorial da Colina, em Cachoeirinha, ao meio dia,  e o enterro as 17h. Que este amigo que tanto fez pelo tradicionalismo encontre seu caminho de Luz e descanse em Paz ao lado do Pai maior.

"Você estará pra sempre em nossos corações. Seus causos, as tuas brincadeiras, o pai maravilhoso que tu sempre foi, o vovô que sempre agradava a todos os seus netos... que nunca se negava a ajudar ao próximos... toda a nossa história... toda a nossa trajetória..... nossas lutas e conquistas! Você já estava nos fazendo falta.... e agora fará mais falta ainda...." - registrou em seu facebook, a filha, Natália Cardoso do Nascimento. 

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Os 171 anos do nascimento de Luciana de Abreu

Fonte: Benedito Saldanha - Presidente do Partenon
              11 de julho de 1847. Uma recém-nascida era deixada na Roda dos expostos da Santa Casa de Misericórdia. Seu nome: Luciana de Abreu (foto). Assim começava a trajetória de uma das mais importantes personagens da história da capital. Por isso quando se completam 170 anos de seu nascimento é justo relembrar seus feitos e seu papel como pioneira nas manifestações feministas.

              Naquela época somente os homens tinham acesso ao ensino superior. Às mulheres era forte o costume de reservar o confinamento aos lares e à igreja. Na política e na administração de municípios, os cargos só podiam ser exercidos pelos homens. Sem gozar de reconhecimento social, elas tinham poucas representantes na literatura e no magistério. Neste contexto, a principal bandeira de Luciana foi a defesa do acesso das mulheres à educação. Nas reuniões do Partenon Literário ela encontrou espaço para disseminar seus ideais, como em 1873 quando proferiu o discurso Educação das mães de família, defendendo a tese de que a instrução superior fosse dada ao sexo feminino. Ela foi a primeira mulher que galgou uma tribuna em nosso estado e seus discursos, abordando propaganda feminista acabavam arrebatando a platéia: “Nós temos sido caluniadas, dizendo-se que somos incapazes dos grandes cometimentos, que somos de inteligência fraca, de perspicácia mesquinha e que não devemos passar de seres caseiros, de meros instrumentos do prazer e das conveniências do homem...”

               Mostrando sintonia com as transformações que ocorriam na Europa, ela pregava o direito do voto, conquistado pelas mulheres inglesas. Apesar do preconceito ao sexo feminino, no século XIX o Brasil viveu um período de efervescência política e social em que as mulheres contribuíram para a construção da cidadania feminina atual como foi o caso desta porto-alegrense, professora, casada, mãe de dois filhos. Luciana faleceu aos 33 anos de idade, mas sua importância para Porto Alegre, hoje, pode ser medida pela designação de uma Escola e uma rua que têm o seu nome. A cidade que viu nascer esta grande mulher, também ajudou a eternizá-la!

Começa hoje o Fegams, em Sidrolândia/MS

Fonte: Aline Kraemer                              Imagens: Ed Moreno
      Começa hoje em Sidrolândia-MS o 29º Fegams com o tema “Gaúchos e Sul-mato-grossenses irmanados em uma só tradição!” A Solenidade de Abertura está programada para as 19h30 desta sexta-feira, 13 de julho. 

      O Festival é uma realização do MTG-MS e CTG Campos da Vacaria e conta com o apoio da CBTG. O patrocínio é da Prefeitura Municipal de Sidrolândia e Poder Executivo do Mato Grosso do Sul, por meio da Fundação Estadual de Cultura. 

      Até domingo, 15 de julho, o CTG Campos da Vacaria sedia o Festival que é aberto ao público. A entrada para as apresentações artístico-culturais é franca. 

João Benito lança CD com convidados - Será dia 19, em Gravataí

O Trovador e cantor João Benito lançará seu CD com amigos dia 19 de agosto em Gravataí. E convida para a tertúlia de lançamento



O evento acontecerá na residencia do Trovador João Benito, dia 19 de agosto as 14h com uma tertúlia, em  Gravataí Rua Amor Perfeito, 25

CTG Caminhos da Serra terá palestra sobre Tropeirismo, com Valter Fraga Nunes e o Zoreia

A região inteira tem que aproveitar este momento. Muitos deixam para levar depois o palestrante, mas a agenda destes dois é muito cheia e pode algumas cidades ficarem sem a atividade e sem o conhecimento que eles levam. Não perca!!!

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Feliz Aniversário Paixão Cortes e Zeno Dias Chaves

           Os patronos dos Festejos Farroupilhas do Rio Grande do Sul, João Carlos D'Avila Paixão Cortes (2006) e Zeno Dias Chaves (2016), ex-presidente do MTG, nasceram na mesma data, 12 de julho de 1927 e, hoje, comemoram 91 anos.

          Zeno e Paixão Cortes muito cedo formaram uma grande amizade, ocorrendo o mesmo em relação a Barbosa Lessa. Aos 91 anos, nascido na Fazenda Cerro Colorado, distrito de Seival, interior do município de Caçapava do Sul, Chaves é casado com Isaura Ferreira Chaves, com quem teve três filhos, depois vieram os sete netos, e os três bisnetos.

             Iniciou as atividades em 1949, no primeiro encontro com os ex-colegas Antônio Cândido Silva Neto, Luiz Carlos Correa da Silva, Robis Pinto, entre outros. Este encontro ocorreu na esquina das Ruas da Praia com Borges de Medeiros, tendo ali a informação do que Paixão Cortes e Barbosa Lessa estavam fazendo. Deste encontro em diante não parou mais.

           No mesmo ano (1927), nasceu, em Santana do Livramento, o folclorista Paixão Côrtes. Símbolo da capital de todos os gaúchos, a estátua do Laçador foi inspirada no fundador do movimento tradicionalista no Estado. Agrônomo, radialista, foi produtor de programas regionalistas na Rádio Gaúcha nas décadas de 1950 e 1960. 

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Baile de inverno, em Curitiba, no CTG Vinte de Setembro

          Meu amigo Anderson Malagutti enviou este chasque, do querido CTG Vinte de Setembro, da cidade de Curitiba/PR.

           Sexta-feira acontece o Baile de Inverno do Vinte. A atração será o grupo gaúcho, Os Mateadores. O CTG Vinte de Setembro realiza diversas atividades, entre elas viagens ao Rio Grande do Sul, como fizeram ano passado, para conhecer pontos turisticos e a fábrica de Gaiteiros, onde conversaram muitas horas com Borghetinho.

O Patrão Pinhatti, que está a frente da entidade convida para o evento nesta sexta, dia 13. Sócios em dia pagam 40,00 baile e jantar.

Nasce o CTG Rincão do Imigrante, em Orlando, na Flórida

           Quando realizaram o Encontro Norte-americano da tradição gaúcha, em Orlando, na Flórida, em março, os tradicionalistas lá residentes ficaram com a vontade de materializar o mesmo sentimento que os demais estados fizeram, criando uma entidade local. Foi desta forma que Vandenir de Souza, presidente da Confederação Norte-Americana do Tradicionalismo Gaúcho foi escolhido na época para liderar o grupo na criação da entidade. Vande entrou na reunião para entregar um cargo e acabou saindo de lá com DOIS. Escolhido por seus pares para continuar à frente da Confederação e ainda, liderar a criação do CTG da Florida. Pois.. nasceu!

Veja o chasque sobre a criação da entidade:

            Temos um chasque mais do que especial que aconteceu no dia 16 de junho de 2018. A gauchada que mora na área central da Flórida, mais precisamente em Orlando, se reuniu para oficializar a criação de um novo CTG. 
Em torno de oitenta viventes, vindos das cidades de Jacksonville, Tampa, Fort Myers, Orlando e arredores, participaram do evento, que teve jantar e dança.


Rogério Bastos, Jorge Ongarato e Vandenir de Souza
           O grupo, liderado pelo Presidente da Confederação Norte-Americana do Tradicionalismo Gaúcho, Vandenir de Souza, conversou, trocou ideias e juntos chegaram à conclusão de que seria muito positivo para as famílias gaúchas e também aos simpatizantes desta cultura ter um Centro de Tradições Gaúchas na região, onde pudessem manter vivas as tradições, garantindo aos seus filhos a herança cultural da tradição dos pampas gaúchos. O sucesso da reunião se confirmou com a escolha da patronagem do novo Centro Tradicionalista. Volnei Rodrigues foi escolhido como patrão. Todos estavam animados e dispostos a trabalhar para a organização de novos eventos.

            Na ocasião foi feita a votação para a escolha do nome do novo CTG. Entre muitas sugestões, o nome escolhido pela maioria foi CTG GAÚCHOS SEM FRONTEIRAS. Este nome no entanto foi trocado na primeira reunião da nova patronagem, devido à existência de um CTG em Boston, que tem o nome de “CTG 100 Fronteiras”.

            A primeira reunião da nova patronagem já aconteceu no início de julho/2018, onde assuntos importantes foram tratados para facilitar o avanço da cultura gaúcha na área central da Flórida. O novo CTG sonha em ter um grupo de danças de invernada, como também aula de danças de salão. Na inauguração do novo CTG o patrão Volnei Rodrigues acendeu a chama crioula enquanto o grupo cantava o Hino Rio-Grandense, como símbolo de que todo o esforço será feito para que está chama de nossa cultura permaneça acesa aqui na área de Orlando, FL. E para que todos os amigos saibam o novo CTG da Flórida vem com o nome de RINCÃO do IMIGRANTE.

Viagem ao Rio Grande do Sul, de Auguste Saint Hilaire - Parte IX

Novembro de 1820 - Auguste de Saint-Hilaire

 
        Indumentária - Lida do gado – Estilos de vida - Definição do Gaúcho

         O traje do homem aqui é o chiripá (saiote), calças largas de algodão onde a extremidade de cada perna termina em franjas, um pouco melhor vestidos que os camponeses franceses, mas as mulheres vestem-se como damas.

         Entre os portugueses do Rio Grande são estes que fazem as honras das casas, mas tem visto aqui ser o contrário e certamente neste local detestam seus vizinhos portugueses.

        Haviam muitas pessoas na casa de um agricultor, galopavam atrás das reses para serem marcadas. Um laçava os chifres e outro as pernas para cair e com ferro em brasa eram marcadas no couro.

        O homens da lida, que não são proprietários de nada, se possuem chiripá e poncho já estão satisfeitos, gastam todo resto em bebida e jogos. Julgam ter feito muito pelos filhos quando lhes dá um par de calças e uma camisa. Crianças logo que aprendem a andar aprendem a jogar e beber, abandonando o hábito somente quando deixam de existir.

       Os estrangeiros prosperavam muito, chegavam pedindo esmolas e logo estavam com escravos, casa e mercadorias. A guerra empobreceu a região, mas continuando a paz logo irá prosperar. Mas estes não passam os valores aos seus filhos, que aprendem o que há de ruim com os locais e dilapidam a fortuna do pai.

       Garruchos ou gaúchos são nomes dados pelos portugueses a mestiços sem moral ou religião, sob a bandeira da revolta praticavam a pilhagem de gado, mas agiam por conta própria para vender o gado e gastar com jogos. Bradavam "Viva lá pátria!", sendo marcado como o " tempo da pátria", este período de guerra.

       Era uma terra muito rica, muitos vieram de regiões como Chile e Paraguai para viver na ociosidade, de estância em estância, pouco trabalhavam, uma vaca custava 1 pataca, pois havia muita abundância, agora já custam 50. Com a insurreição muitos destes se juntaram a Artigas e começaram a roubar os agricultores, por vezes matavam apenas retirar a língua ou uma tira de couro, e assim exterminaram grande quantidade destes animais.

       Muitos destes desapareceram, foram mortos, aprisionados ou seguiram Artigas. Deixando os estancieiros muito menos ricos, já não podendo mais também manter qualquer um em sua propriedade.

       De Castilhos pra cá a comida é servida em uma travessa de carne e cada um come como pode, sem talheres.

Texto de Jeandro Garcia
Parceria com Leo Ribeiro de Souza

terça-feira, 10 de julho de 2018

Nota de falecimento - Jorge Chaves

           É com muita tristeza e pesar no coração que comunicamos o falecimento, aos 65 anos, do ex-patrão do 35CTG, Jorge Chaves. Esposo dedicado da querida Ana, pai da Dani e da Camila. Fez parte da Diretoria do MTG durante a gestão de Benoni Jesus dos Santos, em 2004. Um cara amigo sempre oferecendo seu sorriso aos amigos.

           Ontem foi o querido Pancho, pai do Chileno, do Tempo Guri, hoje o Jorjão. Um querido. Quando lemos, pela manhã o texto "Saque a rolha", no programa da rádio, era exatamente por questões como esta. Lá se vai um grande amigo. Descansa em Paz e encontre teu caminho de luz Jorge....

          O velório será a partir das 23h no cemitério Jardim da Paz, na capela "D". O sepultamento será às 11h desta quarta-feira.

EPC promove oficina "O fazer poético" - Com Paulo de Freitas Mendonça


Viagem ao Rio Grande do Sul, de Auguste Saint Hilaire - Parte VIII

Novembro de 1820 - Auguste de Saint-Hilaire

     Costumes militares - Xuí - Uruguai – Plantio e colheita – Cachorro Chimarrão - Cavalos selvagens

     Em geral os homens desta província são muito corajosos, contam diversos feitos, nunca deserdam por covardia, apenas por ficarem inativos. Deixam sem pena alguma casa e família, mas após a vitória retornam.

     Aqui na Estância do Xuí tem sido bem tratado, o proprietário está ausente mas sua esposa faz as honras da casa, todas as senhoras que conheceu na província tem lhe tratado com gentileza, com certeza possuem mais bom senso que seus maridos.

      A dona da casa lhe apresentou tecidos feitos em casa muito fortes, sendo os de lá mais grosseiros e destinados às roupas dos negros. De costume pela região é emprestar cavalos e dar alimentos aos viajantes.

      No Uruguai chega a localidade de Santa Teresa, e conhece o forte de mesmo nome. Já em parte destruído por portugueses e espanhóis mas ainda sendo utilizado em partes, já que suas muralhas continuam de pé.

      Aqui planta-se trigo, depois de colhido é jogado em um curral, os burros correm em círculos para soltar os grãos, um sistema muito precário. O camponês pobre não cava fossos em volta da lavoura, o que o leva a cuidar noite e dia da invasão de animais, pensa que seria mais fácil cavarem pouco a pouco.

     Conhece o cachorro chimarrão, cães selvagens soltos ao campo, com traços de fila e galgos. Cada vez mais raros pois são exterminados pelos fazendeiros, já que devoram rebanhos.

      Locais onde há cavalos selvagens toma-se muito cuidado com os domados, pois tedem a fugir com estes bandos. Cercados em formato de parabólica são utilizados para caçar estes cavalos selvagens. Na viagem de carroça com o governador seis cavalos a puxavam, e dois cavaleiros ajudavam a empurrar com cordas de couro presas a sela e nas laterais. 

Editado pelo amigo Jeandro Garcia 
e no blog do Leo Ribeiro de Souza

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Noções básicas da cultura gaúcha no CTG Amaranto Pereira

O Departamento Cultural do CTG Amaranto Pereira está com uma série de atividades culturais.

Tchêncontro e Acampamento serão realizados paralelos ao Fegadan, em Canoas



             Durante a 3ª Reunião de Coordenadores Regionais, Diretores Culturais e Diretores Artísticos, no dia 07/07/2018, na sede do Movimento Tradicionalista Gaúcho, em Porto Alegre, ficou definido a data para a realização do XVII Acampamento Estadual da Juventude Gaúcha e XXVIII Tchêncontro Estadual da Juventude Gaúcha, nos dias 12 e 13 de outubro de 2018, na cidade de Canoas, 12ª RT. Os eventos acontecerão paralelos ao 5º Festival Gaúcho de Danças - FEGADAN 2018.

Tchesperamos!!!

Marco Saldanha e Diana Juciéli Ribeiro 



https://www.facebook.com/departamentojovemcentral/posts/752480001809754

Almoço de inauguração do Galpão da Campeira do CTG Rancho da Saudade

          É com imensa alegria que convidamos a todos para a inauguração do nosso novo Galpão Campeiro José Ballejos, com uma grande domingueira bem gaúcha, onde teremos a apresentação de Candiano e Antonio Marques. 

           O cardápio será churrasco, galeto e acompanhamentos.

           Dia 05 de agosto – Início meio-dia - R$ 25,00

CTG Rancho da Saudade em Cachoeirinha

domingo, 8 de julho de 2018

13º Concurso de Poesia, Taveira Junior e Conto, Alcides Maya

            A Estância da Poesia Crioula torna público que estão abertas as inscrições para o XIlI CONCURSO DE POESIA TAVEIRA JUNIOR E CONTO ALCIDES MAYA, regidos pelo seguinte

REGULAMENTO

1) O tema do Concurso é livre, porém, deverá abordar a história, lendas, tradições, usos ou costumes do Rio Grande do Sul.
2) A poesia deve ser inédita, não devendo exceder a 120 versos ou linhas. Nela deverá constar apenas o pseudônimo.
3) O conto deverá ser inédito, contendo no mínimo uma e no máximo cinco páginas, Nele deverá constar apenas o pseudônimo.
4) Cada autor poderá enviar um máximo de 3 obras em cada modalidade: POESIA E CONTO, EXCLUSIVAMENTE VIA E-MAIL, para o seguinte endereço: estanciadapoesiacrioula@gmail.com
5) IDENTIFICAÇÃO: Informar no próprio e-mail o nome, o endereço completo e o telefone do autor.
6) Os trabalhos serão julgados por comissão especializada, indicada pela instituição promotora do concurso, que receberão as obras contendo apenas: TÍTULO, TEXTO E PSEUDÔNIMO, sem conhecimento de quem é o autor, sendo as suas avaliações soberanas no resultado final do certame.
7) PREMIAÇÃO: Os trabalhos classificados em 1º, 2º e 3º lugares receberão Troféu e Medalha. Os trabalhos classificados em 4º e 5º lugar receberão Medalha.
8) Prazo para remessa: 30 de Outubro de 2018.
09) A premiação será outorgada durante o mês de Dezembro de 2018, em Porto Alegre/RS, com prévio aviso de data e local.
10) Os casos omissos serão resolvidos pela diretoria da entidade promotora do evento.

PORTO ALEGRE, 23 de junho de 2018.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

Joca Martins é cidadão Emérito de Pelotas


      A Prefeitura Municipal de Pelotas concedeu o título de cidadão Emérito para Joca Martins nesta quinta-feira, 5 de julho, por sua importância e relevância para a cidade. Joca nasceu em Pelotas, em 1968, estudou no Colégio Gonzaga, de Pelotas, entre os anos 1974 a 81, e no Conjunto Agropecuário Visconde da Graça, entre 1982 a 1986, onde formou-se em como Técnico em Agropecuária. Joca se soltou pro mundo onde fez muito sucesso. Recentemente esteve cantando nos Estados Unidos, onde fez muito sucesso.

            Joca tem dois discos de ouro, Cavalo crioulo e Clássicos da Terra Gaúcha. Possui 4 DVDs e 18 Cds lançados:

1995 - Xucro ofício.
1999 - Dos ancestrais até aqui.
2000 - Vida Buena.
2001 - 30 anos de Califórnia.
2002 - Por ter Querência na alma.
2003 - Clássicos da Terra Gaúcha 1.
2003 - Clássicos da Terra Gaúcha 2.
2004 - O Cavalo Crioulo (1).
2005 - Grandes sucessos da Califórnia da Canção Nativa (também em DVD).
2005 - Poemas de Jaime Caetano Braun.
2006 - Sobre um Homem que vinha num Mouro.
2007 - Domingueiro.
2008 - Pampa.
2009 - O Cavalo Crioulo 2.
2010 - DVD O Cavalo Crioulo
2011 - 25 Anos CD e DVD
2013 - Vida de Tropeiro
2015 - Folclore & Cantoria com Juliana Spanevello
2016 - Barulho de Campo
2017 - Joca Martins 30 Anos DVD

Nota do Blog: Parabéns Joca pelo reconhecimento. Isso é o aplauso em forma de Lei. Tu merece irmão. Congratulo-me com a Juliana e tuas filhas....